Visto a grande mudança de realidade causada pelo covid 19, o direito de família vem sendo muito afetado em relação a sua prática com os genitores os filhos. Faz-se necessário atualizar alguns termos em prol da criança em vários segmentos familiares, como veremos, em relação a guarda compartilhada.

No atual cenário, os pais que compõe a guarda compartilhada tem encontrado dificuldades de como fica a convivência com o menor. ⠀⠀⠀⠀⠀

É bem verdade que, deve-se primeiramente pensar na saúde da criança e no seu bem estar.

Como ainda não há precedente para tal situação, resolvi discorrer sobre possíveis soluções.⠀⠀⠀⠀

Em caso de um dos pais estarem com corona vírus ou trabalhar na linha de frente, o ideal é que se faça contato virtual com o filho, como vídeo chamadas ou telefonemas, já que, para preservar a saúde do filho a melhor solução, infelizmente, é não ter contato pessoalmente.⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Em casos que ambos os pais estão em isolamento social, poderá, tomando todos os cuidados, alternar a convivência com o filho, seja de quinze em quinze dias, ou conforme estipulado entre as partes durante o processo. Porém, cuidado, é sempre bom tentar outras formas, como as que seguem: ⠀⠀⠀⠀⠀

Outra solução é que a mãe ou pai que esteja nesse momento com o filho continue a convivência com ele durante a determinação do isolamento social e, posteriormente, seja compensado esse tempo com o outro genitor depois que tudo voltar ao normal.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Ainda poderá ser estipulado outro tipo de solução, desde que haja acordo conjunto dos pais.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Lembrando que, sempre é bom homologar o acordo temporário para evitar problemas futuros.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Bom, caso não haja um acordo entre as partes sobre a vivência familiar, é possível tomar medidas judiciais como alteração de guarda ou regulamentação de visitas.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Atenção: Houve um caso em que pais separados voltaram a viver juntos durante a quarentena para manter o convívio social com o filho para que não haja risco à saúde do mesmo.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Então, em resumo, é sempre bom zelar pelo bom senso e por soluções extrajudiciais nesse momento.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0