.

 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é garantido pela Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) de n.º 8.742/93, a qual determina ser garantido um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência e a pessoa idosa com 65 (sessenta e cinco) anos ou mais, que comprove não possuir meios de prover a própria manutenção nem de tê-la provida por sua família.      

 É um benefício pago pelo INSS por competência delegada, de caráter assistencial, não contributivo e personalíssimo. Para que haja direito ao recebimento deste benefício, é necessário o cumprimento dos requisitos estabelecidos em lei, quais sejam: a) idade mínima de 65 anos ou deficiência; e b) miserabilidade.

 No dia 06 de maio de 2020, foi estabelecida, por Portaria Conjunta, a antecipação dos benefícios de prestação continuada (BPC). A portaria estabeleceu as regras para a antecipação do BPC dentre outras providências.

 Assim, os idosos acima de 65 anos e pessoas com deficiência que deram entrada no Benefício Assistencial (BPC) junto ao INSS, mas ainda não tiveram o requerimento analisado, poderão receber antecipadamente até 3 (três) parcelas de R$600,00 (seiscentos reais). 

 Caso a avaliação do pedido de concessão do BPC ocorra antes do pagamento da terceira parcela, a antecipação será convertida em benefício ou cancelada. Caso convertida em benefício, o requerente passará a receber o valor de um salário-mínimo (R$ 1.045) por mês, e receberá os valores retroativos à data em que requereu o benefício (DER), porém, serão descontados dos atrasados os valores recebidos à título de antecipação.

 Por exemplo: se uma pessoa requereu o BPC em janeiro, e o mesmo foi concedido oficialmente em junho, e ela recebeu a antecipação de R$ 600,00 (seiscentos reais) em abril e maio (2 meses de antecipação), os atrasados que serão pagos referentes aos meses de janeiro a maio terão o desconto dos R$ 1.200,00 (um mil e duzentos reais) que ela já havia recebido a título de antecipação.

 Para realizar o pagamento da antecipação, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), considerará a inscrição no Cadastro Único do Governo Federal (CadÚnico) e no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF). Além disso, para ter direito à antecipação, o requerente deverá se enquadrar nas regras de renda relacionadas ao grupo familiar, que pode ser de até um quarto do salário-mínimo per capta (por membro da família).

 Importante ressaltar que o auxílio emergencial pago pelo Governo Federal não será computado para a composição da renda mensal bruta da família para aferição do critério de renda. Mas, os valores recebidos a título de auxílio emergencial, serão descontados dos valores atrasados do BPC. Com a liberação da antecipação ou da concessão do Benefício de Prestação Continuada (BPC) o pagamento do auxílio emergencial será suspenso.

 Vale destacar que a antecipação do valor acima mencionado se encerrará tão logo seja feita a avaliação definitiva do requerimento do BPC. Caso seja concedido o benefício de forma definitiva o requerente passará a receber o BPC no valor de um (1) salário-mínimo, e se houver comprovação de que o requerente não tinha direito ao benefício, a princípio, não será cobrada a devolução do valor pago a título de antecipação, salvo em caso de comprovação da má-fé.

 Para saber se houve a concessão da antecipação do BPC, e em qual agência bancária poderá fazer o recebimento, bem como a data da liberação dos valores, o requerente deve entrar em contato pelo telefone 135, ou acessar o site ou aplicativo Meu INSS.

 

Renata Brandão Canella, advogada


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0