Saiba como ficará o valor do benefício de pensão por morte para óbitos ocorridos após a entrada em vigor da Reforma da Previdência.

A Emenda Constitucional n° 103, de 12 de novembro de 2019, conhecida como Reforma da Previdência, alterou o sistema de previdência social trazendo, dentre outras mudanças, novas regras de cálculo do valor dos benefícios previdenciários.

Dentre as diversas alterações, pode-se afirmar que o benefício de pensão por morte certamente foi um dos mais afetados, uma vez que as novas regras de cálculo fatalmente reduzirá o valor final do benefício na maioria dos casos, sobretudo para aqueles que o segurado falecido recebia acima do salário mínimo.

Antes de mais nada, é preciso esclarecer que o benefício de pensão por morte está previsto no art. 201, V, da Constituição Federal/1988, e consiste no pagamento de benefício ao cônjuge, companheiro e dependentes do segurado que falecer, independentemente de carência. Trata-se de benefício que substitui a renda do segurado falecido, pago(s) ao(s) dependente(s) objetivando a proteção e manutenção da família.

Para fazer jus à concessão do benefício de pensão por morte é necessário a comprovação da qualidade de segurado do falecido no momento do óbito e a condição de dependente, na forma do artigo 16, da Lei de Benefícios Previdenciários (Lei n° 8.213, de 24 de julho de 1991).

Comprovados os requisitos para percepção do benefício, o artigo 23 da EC n° 103/2019 estabelece que o valor do benefício de pensão por morte será equivalente a uma cota familiar de 50% (cinquenta por cento) do valor da aposentadoria recebida pelo instituidor (segurado falecido) ou da aposentadoria por incapacidade permanente a que faria jus na data do óbito, acrescida de cotas de 10 (dez) pontos percentuais por dependente, até o máximo de 100% (cem por cento).

Na regra anterior à Reforma da Previdência, o valor do beneficio de pensão por morte era equivalente a 100% (cem por cento) do valor da aposentadoria que o segurado recebia ou daquela a que teria direito se estivesse aposentado por invalidez na data de seu falecimento (art. 75 da Lei n° 8.213, de 24 de julho de 1991).

A título de exemplo, imagine a seguinte situação: João era casado e tinha uma filha menor, deixou, portanto, duas dependentes. Recebia a título de aposentadoria o valor de R$ 3.000,00 mil reais mensais. Se João viesse a falecer em 11 de novembro de 2019, ou seja, antes da entrada em vigor da reforma, o valor do benefício de pensão por morte deixado para sua esposa e filha seria de R$ 3.000,00 reais mensais. No entanto, se João morresse no dia 13 de novembro de 2019, o valor da pensão cairia pra R$ 2.100,00 reais. Veja o cálculo a seguir.

R$ 3.000,00 x 50% = R$ 1.500,00 + 10% por dependente

R$ 1.500,00 + R$ 300,00 (esposa) + R$ 300,00 (filha) = R$ 2.100,00

No exemplo acima, se João não tivesse uma filha menor, o valor do benefício de pensão seria de apenas R$ 1.800,00 reais, ou seja, 60% do valor da aposentadoria recebida por João em vida, o que corresponde a uma cota familiar de 50% (cinquenta por cento) do valor da aposentadoria, acrescida de uma cota de 10% (dez por cento) pela única dependente (esposa).

Nessa toada, após a entrada em vigor da reforma da previdência, o valor do beneficio de pensão por morte só chegará a 100% do valor da aposentadoria recebida pelo instituidor ou da aposentadoria por incapacidade permanente a que faria jus na data do óbito em dois casos.

O primeiro é quando o segurado falecido deixar no mínimo cinco dependentes previdenciários. À medida que esses dependentes vão perdendo essa condição, o valor da sua cota não reverterá aos demais dependentes. Com isso, o valor do benefício reduzirá com o tempo.

Na regra anterior, além de garantir 100% (cem por cento) do valor do benefício, quando um dependente perdia essa condição, a sua cota revertia aos dependentes remanescentes.

O segundo caso é quando o segurado falecido deixar dependente inválido ou com deficiência intelectual, mental ou grave, hipótese em que o valor do benefício será de 100% (cem por cento) do valor da aposentadoria recebida pelo instituidor ou da aposentadoria por incapacidade permanente a que faria jus na data do óbito. Caso haja cessação da cota do dependente inválido ou com deficiência intelectual, mental ou grave, o valor do benefício deverá ser recalculado obedecendo-se a regra do artigo 23 da EC n° 103/2019.

Espero ter esclarecido as novas regras de cálculo do valor do benefício de pensão por morte.

 

Referencias bibliográficas:

 

BRASIL, Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 14/06/2020.

BRASIL, Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Emenda Constitucional nº 103, de 12 de novembro de 2019. Altera o sistema de previdência social e estabelece regras de transição e disposições transitórias. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc103.htm>. Acesso em: 14/06/2020.

BRASIL, Presidência da República. Lei nº 8.213, de 24 de Julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm>. Acesso em: 14/06/2020.

CASTRO, Carlos Alberto Pereira de Manual de direito previdenciário / Carlos Alberto Pereira de Castro, João Batista Lazzari. – 20. ed. rev., atual. E ampl.– Rio de Janeiro: Forense, 2017.


Autor

  • Ely de Souza Junior

    Advogado inscrito na OAB/BA sob o nº 46.290 e atuante nas áreas do Direito Previdenciário, Direito Civil e Direito Administrativo. Graduado em Direito pela Faculdade do Sul da Bahia-FASB em 2014. Pós-graduando em Direito Previdenciário. Atualmente atua como Assessor Jurídico da Prefeitura Municipal de Caravelas/BA.

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso