Recente julgamento pelo STF da ACO- 3393

O PACTO FEDERATIVO E A REQUISIÇÃO DE BENS ENTRE OS ENTES FEDERADOS

Em sensível momento de Pandemia (COVID-19), muito se tem discutido acerca do tema da requisição administrativa de bens e serviços pela Administração.

Ao lado do instituto da requisição, sobreleva notar a proteção da saúde e da vida, que lastreia todo o panorama e das lides porventura existentes nesse período e relacionados à crise da saúde vivenciada no Brasil e no mundo.

É a tensão dialética entre a necessidade estatal de tornar concretas e reais as ações e prestações de saúde em favor das pessoas, de um lado, e as dificuldades governamentais de viabilizar, de outro, a alocação de recursos financeiros, sempre tão limitados.

Nesse cenário, os ventiladores pulmonares, dramaticamente escassos, ao fornecer o necessário suporte ventilatório artificial ao paciente, suprem, naquele instante, a insuficiência cardiorrespiratória diagnosticada, operando como um esteio vital para o enfermo, mantendo-lhe a circulação do oxigênio pelo corpo, e consequentemente, a vida.

A primeira indagação que surge é a seguinte: Por que estaria o STF a julgar essa demanda?

É imperioso salientar, em matéria processual, acerca da competência jurisdicional do STF para a presente demanda. Cabe ao STF o dever de velar pela intangibilidade do vínculo federativo e de zelar pelo equilíbrio harmonioso das relações políticas entre as pessoas estatais que integram a Federação brasileira, quais sejam, a União e o Estado do Mato Grosso. O STF aqui, em competência originária, assume papel de Tribunal da Federação.

Trata-se de cuidar da proteção do pacto federativo, cujas prescrições não podem ser transgredidas, sob pena de nulificar a autonomia institucional das entidades federadas.

A segunda indagação é: Poderia a União requisitar bens que já teriam sido requisitados pelos Estados, e, portanto, bens estaduais?

A requisição de bens e/ou serviços, nos termos em que prevista pela Constituição da República (art. 5º, inciso XXV), somente pode incidir sobre a “propriedade particular”, nos seguintes termos:

XXV - no caso de iminente perigo público, a autoridade competente poderá usar de propriedade particular, assegurada ao proprietário indenização ulterior, se houver dano (grifo nosso);

Vale citar antecedente jurisprudencial do STF:

“CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. UNIÃO FEDERAL. DECRETAÇÃO DE ESTADO DE CALAMIDADE PÚBLICA NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. REQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS MUNICIPAIS. DECRETO 5.392/2005 DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA. MANDADO DE SEGURANÇA DEFERIDO. Mandado de segurança, impetrado pelo município, em que se impugna o art. 2º, V e VI (requisição dos hospitais municipais Souza Aguiar e Miguel Couto) e § 1º e § 2º (delegação ao ministro de Estado da Saúde da competência para requisição de outros serviços de saúde e recursos financeiros afetos à gestão de serviços e ações relacionados aos hospitais requisitados) do Decreto 5.392/2005, do presidente da República. Ordem deferida, por unanimidade. Fundamentos predominantes: (i) a requisição de bens e serviços do município do Rio de Janeiro, já afetados à prestação de serviços de saúde, não tem amparo no inciso XIII do art. 15 da Lei 8.080/1990, a despeito da invocação desse dispositivo no ato atacado; (ii) nesse sentido, as determinações impugnadas do decreto presidencial configuram-se efetiva intervenção da União no município, vedada pela Constituição; (iii) inadmissibilidade da requisição de bens municipais pela União em situação de normalidade institucional, sem a decretação de Estado de Defesa ou Estado de Sítio.

O Estado do Mato Grosso adquiriu 68 (sessenta e oito) ventiladores pulmonares por meio do Contrato nº 67/2020-SES/MA, de 19 de março de 2020, e constantes da Nota de Empenho nº 2020NE002101.

No julgamento da Ação Cível Originária (ACO) 3393, em caráter liminar e referendada pelo Plenário, suspendeu-se a eficácia da requisição, pela União, de ventiladores pulmonares adquiridos pela Secretaria de Saúde de Mato Grosso. A empresa privada, por conseguinte, deverá enviar os bens ao Estado e não à União.

Entrementes, caso se tratasse de situação de crise constitucional (Estado de Defesa ou Estado de Sítio) a medida estaria autorizada. Mas esse não é o caso e a federação deve ser garantida, em homenagem a proteção das cláusulas pétreas da forma federativa de Estado, além dos direitos e garantias individuais, qual seja, a proteção a vida e a saude, insculpida como direito essencial e instrumental para a existência dos demais direitos.  


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Regras de uso