Atuação há dez anos na defesa dos direitos dos professores de ensino superior na Justiça do Trabalho.

Nossa defesa aos direitos dos Professores de Ensino Superior inicia assim: "O 'Autor' ao trabalhar para a 'IES', vinculou-se à categoria diferenciada dos PROFESSORES, enquadramento funcional amparado à luz dos direitos fundamentais previstos na Constituição Federal de 1988, do art. 26 da Declaração Universal dos Direitos do Homem, das Recomendações da OIT/UNESCO de 1966 relativa ao Estatuto dos Professores e da UNESCO de 1997 relativa ao Estatuto dos Profissionais do Ensino Superior, do art. 206, inciso V, 1a parte da Constituição Federal de 1988, das Leis Federais 9.424/96 e 9.394/96. Diplomas normativos que também regulamentam a profissão.

O art. 206, inciso V, 1a parte da Constituição Federal de 1988 estatui o PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO ENSINO.

Ademais, essa categoria é regulamentada pelas Convenções Coletivas de Trabalho da respectiva categoria profissional dos professores, anexas à Inicial."

Mais à frente, clamamos pela necessidade de indenização também com caráter pedagógico no combate à despedida discriminatória por sobrequalificação, pois o professor de ensino superior é negativamente discriminado por ser muito qualificado: é verdade! Ele é demasiadamente custoso na visão de algumas Instituições de Ensino Superior - IES e em detrimento do ensino.

Buscamos também a indenização por despedida massiva - esta que foi melhor combatida pela OMC do que pela OIT, tamanho o prejuízo social que transcende a figura do profissional e de sua família, embora sejam diretamente afetados. É cabível indenização por despedida massiva aos professores assim dispensados.

Sobre a despedida massiva de professores da UNINOVE ocorrida neste mês de junho de 2020, lamentamos !

Sou advogada e eternamente aluna dos professores. A eles todo meu apoio, admiração e nossos serviços com elevado respeito!!! 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Regras de uso