Aspectos criminais acerca do desrespeito as áreas de preservação permanente.

O ordenamento jurídico brasileiro possui diversas legislações penais. Dentre elas, a lei 9.605 de 1998, - Lei dos Crimes Ambientais, estabelece uma série de tipos penais que visam tutelar o bem jurídico meio ambiente.

Os artigos 29 e seguintes da 9.605/98 elencam diversos crimes ambientais, - crimes contra fauna, flora, poluição, ordenamento urbano, patrimônio cultural e administração ambiental.

No que diz respeito as construções em áreas de preservação permanente (APP), é correto afirmar que pratica crime quem constrói em área de preservação permanente?

Sim, conforme o artigo 48 da Lei 9.605/98 é crime impedir ou dificultar a regeneração de florestas e demais formas de vegetação, leia-se:

 

Art. 48. Impedir ou dificultar a regeneração natural de florestas e demais formas de vegetação:

Pena - detenção, de seis meses a um ano, e multa.

 

Nesse sentido vale mencionar que o Código Ambiental estabelece um conceito amplo de Área de Preservação Permanente, confira-se:

 

          Art. 3º Para os efeitos desta Lei, entende-se por:

[...] II - Área de Preservação Permanente - APP: área protegida, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas;

 

Assim a título de ilustração vale lançar o entendimento do Tribunal Regional Federal da 4° Região acerca da tipificação de construir nas proximidades de rios, afetando assim a mata ciliar, confira-se:

 

[...] Restou cabalmente demonstrado nos autos que MÁRCIO impediu e dificultou a regeneração natural da mata cilar do Rio Uruguai, por meio da manutenção de porto clandestino, restando a conduta demonstrada de forma evidente nos autos. 

Como bem explicitado na sentença proferida, a autoria do delito atribuído ao réu restou igualmente comprovada em face das provas contidas nos autos, notadamente o relatório de diligências, o qual é instruído com fotografias, além do depoimento das testemunhas arroladas pela acusação e declarações prestadas pelo próprio acusado em sede policial. 

Nesse sentido, destaca-se que não se aplica ao caso dos autos o princípio da dúvida razoável (in dubio pro reo), tendo em vista que não há dúvidas que o ora apelante agiu com dolo para impedir/dificultar a regeneração de floresta na APP do Rio Uruguai. 

Por sua vez, não há que se falar na simples aplicação de sanções administrativas para o caso. Isso porque as esferas criminal e administrativa são independentes entre si, sendo que a conduta do ora apelante se reflete tanto no âmbito criminal quanto no administrativo, merecendo a devida punição em ambas.

 

Com base no referido entendimento é possível constatar que a referida conduta não se traduz em uma simples irregularidade administrativa, mas sim crime ambiental, conforme preconiza o artigo 48 da 9.605/98.

Ainda é importante destacar que o referido texto não visa exaurir o tema, uma vez que são diversos os conceitos de área de preservação permanente previstos no ordenamento jurídico brasileiro.

 

Fonte: Tribunal Regional Federal da 4° Região. APELAÇÃO CRIMINAL Nº 5002576-28.2017.4.04.7115/RS



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso