A lei da pandemia abordou as relações privadas relacionadas a Direito de Família, Código de Defesa do Consumidor, Lei do Inquilinato (relações em condomínios residenciais) e a Lei Geral de Proteção de Dados.

Em junho, após alguns vetos, foi sancionada a lei 14.010/20 que dispõe sobre o Regime Jurídico Emergencial e Transitório das relações jurídicas de Direito Privado (RJET) no período da pandemia do coronavírus (Covid-19). As relações jurídicas privadas abordadas pela lei envolvem Direito de Família, Código de Defesa do Consumidor, Lei do Inquilinato (relações em condomínios residenciais) e a Lei Geral de Proteção de Dados.

Uma das primeiras medidas abordadas pela Lei da Pandemia são os prazos prescricionais e decadenciais em ações civis, que estarão impedidos ou suspensos, conforme o caso, a partir da vigência da lei até 30 de outubro.

Outrossim, dentre as demais medidas tratadas pela lei também está a extensão até 30 de outubro de 2020 o prazo de abertura e de conclusão de inventários e partilhas. Além disso, foram determinadas novas regras para eleição de síndico, além da permissão de que a assembleia em condomínios residenciais poderá ser virtual, independentemente de previsão nos atos constitutivos da pessoa jurídica até outubro.

Outra medida tomada pela Lei da Pandemia foi o adiamento, para 1º de agosto de 2021, a aplicação das multas e sanções previstas na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Lembrando que a LGPD regulamenta o tratamento de dados pessoais de clientes e usuários por empresas públicas e privadas.

Ademais, a Lei da Pandemia também alterou o Código de Defesa do Consumidor, mais especificadamente em seu art. 49, responsável por disciplinar o direito de arrependimento do consumidor, que no prazo de 7 dias pode desistir da compra realizada fora do estabelecimento comercial, inclusive por telefone ou a domicílio. Nesse caso, conforme art. 8º da lei 14.010/20, até 30 de outubro está suspensa, nas entregas em domicílio (delivery), a aplicação do direito de arrependimento para compras de produtos perecíveis ou de consumo imediato, e medicamentos.

A lei 14.010/20 também cuidou de tratar sobre a prisão civil em razão de dívida alimentícia, onde esta, até 30 de outubro, deverá ser cumprida exclusivamente sob a modalidade domiciliar, sem prejuízo da exigibilidade das respectivas obrigações.

Por fim, os prazos de aquisição para a propriedade imobiliária ou mobiliária, nas diversas espécies de usucapião, também foram suspensas até 30 de outubro de 2020.

Desse modo, se observa que o intuito da Lei 14.010/20 (Lei da Pandemia) é atenuar as consequências socioeconômicas que a pandemia causada pelo covid-19 poderá resultar, de modo a preservar contratos e servir de base para futuras decisões judiciais. Nesse mesmo sentindo, é importante ressaltar que antes de qualquer disputa judicial, deve-se priorizar o acordo e a mediação de conflitos.


Autor

  • Rayanne da Silva Ribeiro

    Graduanda em Direito pelo Centro Universitário UNA - 10º período Atualmente, estagiária no escritório Moreira do Patrocínio e Avelino Lana Advogados

    Experiências: Estagiária - TRE (Tribunal Regional Eleitoral) Estagiária - Escritório Décio Freire Advogados Estagiária - Prefeitura Municipal de Contagem

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Regras de uso