notícia publicada originalmente em https://www.conjur.com.br/2020-set-08/mp-bahia-assina-acordo-tecnico-registro-provas-digitais

A pandemia do novo coronavírus – doença respiratória que causa a covid-19 – abriu novos horizontes para o uso de tecnologias virtuais que podem, sem qualquer prejuízo às investigações, substituir ferramentas obsoletas e burocráticas. Esse é o caso de uma ferramenta digital utilizada por advogados e que, recentemente, foi adotada pelo Ministério Público da Bahia (MPBA).

Desenvolvido pela Verifact Tecnologia, a plataforma on-line permitirá ao MPBA o registro de provas digitais pelo computador, com validade jurídica, resultando na redução da burocracia e proporcionando um precioso ganho de tempo em ações como as do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco).

Amplamente utilizada por advogados, a solução digital facilita o registro, por exemplo, de crimes contra a honra publicados nas redes sociais, webmails, sites institucionais, aplicativos de mensagens, entre outras plataformas on-line. Por meio da Verifact, o usuário pode registrar textos, imagens, áudios e vídeos.

O acordo para a utilização do serviço pelo MPBA foi publicado em Diário Oficial, em 3 de agosto. A cooperação técnica entre as partes tem vigência de um ano, podendo ser prorrogada por meio de um futuro contrato.

De acordo com a CEO e cofundadora da empresa de tecnologia, Regina Acutu, a Verifact permite o registro instantâneo da prova que, entre tantas funcionalidades, poderá ser utilizada contra os chamados haters da internet – ainda que as informações ofensivas venham a ser removidas mais tarde. “E tudo isso pode ser feito por um valor 20 vezes menor que o preço cobrado pela ata notarial em vários Estados do Brasil”, diz Regina.

Antes, a mesma coleta de provas precisava ser feita por meio da ata notarial, nos cartórios, a um alto custo. No Estado de São Paulo, a primeira página da ata notarial custa R$ 459,05 com as demais páginas saindo por R$231,80. Além de caro, esse serviço não é prestado por todos os tabelionatos, forçando, muitas vezes, o deslocamento dos advogados até cidades vizinhas.

Por isso, antes do acordo firmado com o MPBA, a agilidade, a robustez e o ganho de tempo na coleta de provas via Verifact já haviam chamado a atenção de outros órgãos policiais. Em agosto de 2019, a Polícia Civil do Paraná firmou acordo de cooperação para utilização da tecnologia. “Desde então, o Núcleo de Combate aos Cibercrimes (Nuciber) e a Delegacia da Mulher têm utilizado nossa ferramenta para investigações internas e no atendimento a vítimas”, conta Regina.

Avaliada por juristas como “material de alta confiança probatória quanta sua existência, origem e autenticidade”, a Verifact vem sendo cada vez mais utilizada e recomendada por advogados e investigadores de polícia. A ferramenta é citada, inclusive, no “Manual de Interceptação Telefônica e Telemática”, do renomado delegado Higor Jorge, da Polícia Civil de São Paulo.

“A Verifact é uma plataforma on-line que permite a captura e a preservação de técnica de fatos ocorridos no ambiente on-line (...), automatizando práticas comuns na área forense digital e medidas técnicas efetivas contra fraude e manipulação no processo de registro”, diz Higor Jorge, nas páginas 134 e 135 de seu livro.

Para o presidente da Comissão de Direito Digital da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP), Spencer Toth Sydow, a Verifact representa um importante avanço para o mercado jurídico brasileiro. “É uma ferramenta imprescindível para garantir a segurança e a validade do processo penal”, explica o advogado. “Frente à tecnologia, [a Verifact] afasta possíveis relativizações dos elementos informáticos”, acrescenta Sydow, que é doutor e mestre em Direito Penal pela Universidade de São Paulo (USP).

Saiba mais

A Verifact tecnologia é uma ferramenta on-line que permite aos internautas a captura de conteúdos na internet, como conversas em redes sociais, sites, e-mails, lojas virtuais etc. Necessariamente, o conteúdo que se deseja utilizar como prova precisa ser acessado via navegador.

Antes do primeiro acesso, é necessário criar um login e senha no site da Verifact. Ao fim dos acessos, é gerado um relatório técnico, vídeo da navegação, imagens e arquivos baixados durante a sessão – além de metadados técnicos (dados não aparentes), que ampliam a confiabilidade no sistema.

Aos contrário do popular “print screen”, que consiste numa captura de tela frágil como, podendo ser recusado pela Justiça devida à facilidade de falsificação ou adulteração do material; a Verifact tem validade jurídica. A utilização da ferramenta é prevista no novo Código de Processo Civil, de 2015, que permite a utilização de documentos em forma eletrônica, com certificação digital.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso