Orientações aos mutuários de contrato de financiamento habitacional ou consórcio de imóvel

Em sede a agravo de instrumento, em ação anulatória proposta contra Administradora de Consórcios, a 3a. Câmara de Direito Comercial anula notificação extrajudicial que pretendia consolidar propriedade face a notificação ser ilíquida.

Em garantia do contrato de consórcio contemplado, foi constituída alienação fiduciária sobre o imóvel adquirido pela autora.

Pois bem. A notificação extrajudicial para purga da mora, protocolada no Cartório de Títulos e Documentos em 03.07.2020, aponta "parcelas vencidas no valor de R$ 75.651,96; e, no valor de R$ 86.112,73, apuradas em 14.02.2020 , em 2 cartas de crédito".

Em fundamentação, o Desembargador Relator expoe que "Malgrada a notificação extrajudicial para purga da mora faça referência expressa às parcelas em atraso, não detalha o valor dos juros e demais encargos e penalidades que poderiam ser cobradas, apenas ressalva tal possibilidade, sob pena de consolidação extrajudicial da propriedade".

E mais:

"Afinal, o teor correto da intimação é de extrema importância, nos termos do § 1º do art. 26 da Lei nº 9.514/97: "para os fins do disposto neste artigo, o fiduciante, ou seu representante legal ou procurador regularmente constituído, será intimado, a requerimento do fiduciário, pelo oficial do competente Registro de Imóveis, a satisfazer, no prazo de quinze dias, a prestação vencida e as que se vencerem até a data do pagamento, os juros convencionais, as penalidades e os demais encargos contratuais, os encargos legais, inclusive tributos, as contribuições condominiais imputáveis ao imóvel, além das despesas de cobrança e de intimação".

 Se não houver indicação correta do débito, notadamente em contrato cuja parcela depende de aferição por parte do credor fiduciário, o devedor não terá a possibilidade de purgar a mora e, assim, terá seu direito cerceado."

VOTO por dar provimento parcial ao agravo para, nos termos do art. 300 do CPC, deferir à autora a tutela de urgência pleiteada, também em parte, para, diante da possível nulidade da notificação extrajudicial realizada, suspender o procedimento de consolidação da propriedade do imóvel de matrícula nº XXXX do 1º Ofício de Registro de Imóveis da comarca de Blumenau.

Fonte: Autos 5022348-83.2020.8.24.0000   

Observação deste causídico responsável do processo:

O consumidor tem que se atentar a notificação extrajudicial para consolidação da propriedade em contrato de consórcio ou no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação, e procurar com urgência um advogado especialista na área, porque em 15 dias ele pode perder seu imóvel em caso de não purgar a mora ou conseguir uma liminar para sustar os efeitos da notificação extrajudicial.

 


Autor

  • Maycon Truppel Machado

    Advogado com OAB/SC 15.911, Pós-Graduado em Gestão e Direito Empresarial, Mestrando em Resolução de Conflitos e Mediação, Diretor Jurídico da Fundação Pró-Rim, Membro do Sindicato dos Hospitais de Santa Catarina e Auditor do Tribunal de Justiça Desportiva de SC

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso