A medida liminar é válida para as empresas representadas pela Fecomércio MG e pelo Sincofarma Minas Gerais.

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) concedeu uma liminar que determina ao Município de Alfenas, na Região Sul de Minas, que desobrigue as empresas representadas pela Fecomércio MG e pelo Sincofarma Minas Gerais a se cadastrarem no programa “Crédito Solidário”. Publicada nesta quarta-feira (04/11), a decisão também não lhes impõe sanções de multa ou perda de alvará pela não adesão compulsória à iniciativa.

O relator da medida no TJMG, desembargador Alexandre Santiago, ressaltou que a parte reclamante comprovou, nos autos do processo, a existência de requisitos legais autorizadores da concessão da tutela de urgência. Além disso, os agravantes evidenciaram o perigo de dano irreparável ou de difícil reparação até o julgamento do recurso, indo da aplicação de multas ao recolhimento compulsório de parcela dos rendimentos ou a suspensão do Alvará de Funcionamento.

Segundo o coordenador jurídico contencioso da Fecomércio MG, Rodrigo Ribeiro, as entidades não questionam o programa em si, nem tampouco contestaram o legítimo interesse do legislador municipal de mitigar os efeitos negativos da pandemia na população mais carente. “No entanto, a atuação do poder público deve sempre estar alinhada com a ordem jurídica vigente, o que não ocorreu no caso em questão ante a previsão de adesão compulsória pelas empresas”.

O especialista da Federação também ressalta que o caráter impositivo desse programa municipal viola garantias previstas na Lei de Liberdade Econômica (Lei nº 13.874/2019), o pacto federativo e princípios constitucionais da livre iniciativa e livre concorrência. Instituído em abril deste ano, o “Crédito Solidário” pretende cadastrar estabelecimentos comerciais que cederão créditos em favor de famílias em situação de risco de segurança alimentar. A medida é válida enquanto estiverem vigentes os decretos em virtude da pandemia de Covid-19 em Alfenas.

Confira, na íntegra, a decisão liminar proferida pelo TJMG



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso