O dispositivo foi negociado com o Sindicato dos Empregados no Comércio de Inhapim e Caratinga em 2020

Ressaltar a validade da cobrança de contribuições negociais patronais, bem como da taxa de funcionamento em feriados. Com esse intuito, o Jurídico da Fecomércio MG obteve decisão favorável em recurso ordinário que examinava a convenção coletiva de trabalho (CCT) firmada entre a Fecomércio MG e Sindicato dos Empregados no Comércio da Cidade de Caratinga e Inhapim. A medida foi tomada pela 5ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT-3).

A ação movida pelo Supermercado do Irmão, de Caratinga, questionava a aplicação das cláusulas 27ª, 29ª, 34ª, 35ª, 36ª e 38ª da CCT 2020. Esses trechos do dispositivo tratam da autorização para o trabalho em feriados, do pagamento obrigatório da taxa de funcionamento para se usufruir desse benefício, além de estabelecerem outros itens, como o recolhimento da contribuição assistencial, o pagamento do certificado de adesão e multas por descumprimento da CCT.

Relator do recurso, o desembargador Manoel Barbosa da Silva destacou que a 5ª Turma do TRT-3 já havia analisado a validade de cláusulas convencionais com o mesmo teor, negociadas entre a Federação e o Sindicato dos Empregados no Comércio para a Convenção Coletiva de Trabalho de 2018. No entanto, a medida abrangia a categoria profissional em Itabirito. Na ocasião, a turma reconheceu a validade de todas as cláusulas questionadas judicialmente.

Autonomia das entidades sindicais

Em seu voto, o desembargador também lembrou que, após o fim da contribuição sindical obrigatória, coube às entidades sindicais representantes dos empregados e empregadores decidir sobre a fonte de custeio de suas atividades para bem defender os interesses de suas categorias. No entanto, a cobrança de qualquer contribuição só pode ser estabelecida mediante aprovação em Assembleia Geral, órgão soberano nas decisões sobre todos os destinos das agremiações.

Segundo o relator, à autora da ação contra a Fecomércio MG e o Sindicato dos Empregados no Comércio de Caratinga e Inhapim cabia defender seus interesses na Assembleia Geral. “Se não participou, ou participou e saiu vencida, deve respeitar a decisão da maioria”, manifestou Barbosa da Silva em seu voto. Ele também ressaltou que as cláusulas da CCT 2020, impugnadas pela autora, estão amparadas por regras constitucionais e infraconstitucionais.

O coordenador jurídico contencioso da Fecomércio MG, Rodrigo Ribeiro, destaca que o resultado reconhece a autonomia das entidades sindicais na pactuação de cláusulas de interesse das categorias representadas. “A decisão enaltece a qualidade dos trabalhos desempenhados pela comissão de negociação designada pela Federação. Seguimos no caminho certo, na busca por fortalecer as relações sindicais e a defesa do comércio de bens, serviços e turismo do estado.”

O voto do relator foi acompanhado pela desembargadora Jaqueline Monteiro de Lima e pelo presidente da 5ª Turma, o desembargador Oswaldo Tadeu Barbosa Guedes. A sessão também teve a presença da representante do Ministério Público do Trabalho (MPT), a procuradora Maria Helena da Silva Guthier.

Leia, na íntegra, o acórdão publicado pelo TRT-3.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso