A continuidade do servidor na prestação de serviço - quando já preencheu todos os requisitos necessários à obtenção de aposentadoria, traz à Administração grandiosa vantagem.

Trata-se de RECURSO INOMINADO interposto pela Fazenda do Estado de São Paulo e São Paulo Previdência – SPPREV, contra a r. sentença de fls. 78/82, que julgou procedente a AÇÃO DE COBRANÇA DE DESCONTOS PREVIDENCIÁRIOS que lhe move PROFESSORA ESTADUAL, a qual condenou a ré ao pagamento das verbas referentes ao abono de permanência devidas a autora entre a data em que preencheu os requisitos para a aposentadoria voluntária ( 25/03/2016), até a data de sua efetiva aposentadoria. ( 05/09/2017), devidamente corrigido.

 

 

As recorrentes alegam que, o servidor beneficiado com o abono de permanência permanecerá recolhendo a contribuição previdenciária mensal destinada ao custeio da aposentadoria. A cobrança da contribuição é constitucional , sendo exaustivamente definida pelo STF. Pediu o provimento do recurso para que a ação seja julgada improcedente.

(fls. 85/94).

 

O recurso é tempestivo e foi recebido as fls. 98. A recorrida não ofertou contrarrazões.

É o relatório.

VOTO.

 

 

O recurso não merece provimento.

 

 

Com efeito, a autora preencheu os requisitos para a aposentadoria, mas continuou em atividade no serviço público, fazendo jus, portanto, ao abono de permanência, nos termos dos arts. 40, § 19, da Constituição Federal, e 11, da Lei Complementar Estadual nº 1.012/07.

 

E, ao contrário do que sustenta a recorrente, é o abono de permanência devido até a data da efetiva aposentadoria, uma vez que ela completou o tempo e os requisitos para a aposentadoria em 25/03/2016, e se aposentou efetivamente em 05/09/2017.

 

Nesse sentido:

 

 

“PROCESSUAL CIVIL E CONSTITUCIONAL PROCEDIMENTO COMUM COBRANÇA - SERVIDOR PÚBLICO ABONO DE PERMANÊNCIA EC Nº 41/03 NORMA DE EFICÁCIA PLENA E APLICABILIDADE IMEDIATA DESNECESSIDADE DE REQUERIMENTO ADMINISTRATIVO. O abono de permanência constitui vantagem pecuniária a que o servidor público faz jus desde o momento em que completa os requisitos para a aposentadoria voluntária, ou desde o advento da EC nº 41/03, caso já tivesse preenchido tais exigências à época da sua vigência. Norma de eficácia plena. Efeitos imediatos. Inteligência do artigo 40, § 19º, CF. Desnecessidade de requerimento administrativo. Reexame necessário desacolhido. Recurso         desprovido.”   (TJSP; Apelação/Remessa     Necessária 1026658-03.2017.8.26.0114; Relator (a): Décio Notarangeli; Órgão Julgador: 9ª Câmara de Direito Público; Foro de Campinas - 2ª Vara da Fazenda Pública; Data do Julgamento: 29/05/2019; Data de Registro: 29/05/2019).

 

A jurisprudência é firme nesse entendimento, conforme julgados a

seguir:

 

 

"Apelação Cível. Direito Administrativo e Constitucional. Abono de permanência Policial militar que completou tempo de serviço necessário para aposentação voluntária Opção pela manutenção de atividade no serviço público Hipótese que autoriza a concessão do benefício pleiteado Art. 40, § 19, da CF, c.c. art. único da LC 943/03 e arts. 11 e 13 da LC 1012/07 Sentença mantida. Nega-se provimento ao recurso interposto e à remessa oficial. Apelação/ Reexame necessário 00470738620128260053. Relator: RICARDO ANAFE"

 

Verifica-se que a regra do artigo 3º da Emenda Constitucional 41 foi instituir uma forma de evitar que demasiada quantidade de servidores que preenchessem os requisitos solicitasse a aposentadoria proporcional pela regra antiga, o que viria a comprometer o equilíbrio dos sistemas previdenciários dos servidores públicos.

 

 

Ora, não se olvide que a continuidade do servidor na prestação de serviço - quando já preencheu todos os requisitos necessários à obtenção de aposentadoria, traz à Administração grandiosa vantagem, pois além de não ter que custear o benefício de aposentadoria, mantém em atividade servidor com larga experiência, e, ainda deixa a Administração de arcar com os custos de vencimentos de outro servidor que seria admitido para suprir a vaga decorrente de tal aposentação. Em outras palavras, manter o servidor em atividade, é como recontratá-lo pagando somente o valor equivalente ao da contribuição previdenciária.

 

 

Assim, o julgado deu um desfecho adequado à lide, devendo ser integralmente mantido, por seus próprios e jurídicos fundamentos.

 

Ante o exposto, NEGO PROVIMENTO ao recurso.

 

Processo: 1016647-93.2020.8.26.0053-  TJ/SP

 

Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo

 

CRISTIANA MARQUES ADVOCACIA

 

Clique aqui e entre em contato via WhatsApp.

 

#Defesadosseusdireitos #ServidorPúblico #Aposentadoria #Abonodepermanência #ContribuiçãoPrevidênciária #Proventos #Indenização #MandadodeSegurança #Advogado #AdvogadoEspecialistaConcursoPúblico #CristianaMarquesAdvocacia 


Autor

  • Cristiana Marques Advocacia

    ADVOGADA ESPECIALISTA EM DIREITO ADMINISTRATIVO - DO CONCURSO A APOSENTADORIA Advogada Especialista em Direito Administrativo e Público – CONCURSO PÚBLICO (nomeação, posse, reprovação, estágio probatório) & SERVIDOR PÚBLICO (aposentadoria, licenças, transferências, PAD) . Atua no atendimento a pessoas físicas e jurídicas, o cliente será atendido desde a entrevista até a decisão final pela advogada. Mantendo – se assim a confiança entre advogado e cliente. Prestamos acompanhamento jurídico diário aos nossos clientes. A Experiência faz toda diferença! Advogada especialista em clientes exigentes que sabem dar valor ao direito que têm.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso