Uma das mais antigas rede social ainda em operação, o Twitter, oferece aos usuários um espaço para conversação e compartilhamento de conteúdos, fotografias e vídeos, da mesma forma, é consolidada como uma plataforma utilizada na disseminação de informações no meu jornalístico. Frequentemente a plataforma tem sido mais utilizada para a troca de informações do que para a troca de mensagens.

Sendo assim, esta dimensão faz com que o Twitter seja considerado um jornal mundial em tempo real e também como prova na justiça.

1 Coleta de dados no Twitter

Na condução dos procedimentos que envolvam o uso de postagens no Twitter como prova digital, o primeiro passo é elaborar a prova de materialidade, onde objetiva a produção de uma prova formal sobre a sua existência no ambiente virtual, ou seja, o que de fato ocorreu e consta na publicação.

Neste sentido, deve-se agir de forma imediata e realizar a coleta das evidências digitais o mais rápido possível, a partir da fonte original, visto que o conteúdo pode ser facilmente apagado a qualquer momento.

Lembrado que prints de tela, não são suficientes para se utilizar como provas na Justiça, visto que podem ser facilmente editados, seja com a utilização do software ou em sites e aplicativos que simulam visualmente um conteúdo real.

Quem postou?

A partir da identificação da publicação, deve-se reconhecer o ID sobre o perfil investigado. O ID representa a identificação do Perfil na Rede Social, trata-se de um número específico atribuído quando da criação do perfil. O Twitter atribui a cada novo usuário um número de identificação exclusivo. O ID é utilizado como um carimbo, sendo atribuído em toda a interatividade do usuário na Rede Social.

Como alternativa, pode-se identificar o ID utilizando-se da ferramenta web Tweeterid, disponível através do site: https://tweeterid.com.

O que, quando e onde postou?

Para que a utilização de postagens no Twitter sejam válidas como prova na Justiça, será necessário valer de meios de coleta confiáveis, que possam indicar a origem, as URLs acessadas, datas e horários e muitos outros dados importantes e que possam ser auditados, caso necessário.

Quando os eventos digitais são coletados por meio da ferramenta Verifact, como postagens em redes sociais, o processo de coleta de provas é conduzido visando a preservação técnica de fatos ocorridos no ambiente virtual. A solução já tem ampla aceitação na justiça e utilizada por advogados, peritos técnicos forenses, órgãos públicos como Ministérios Públicos de São Paulo,Bahia e Paraíba, Polícias Civis do Paraná e Bahia, além de grandes empresas como Ticket, Electrolux, Habibs e Veloce.

Saiba mais sobre a Verifact aqui.

Internauta é condenado por comentários agressivos no Twitter

O Juiz de Direito da 4ª Vara Cível de Brasília condenou réu a se abster de publicar mensagens (tweets) em nome da autora, bem como a pagar R$ 15 mil, a título de danos morais, devido a comentários agressivos acerca da sua imagem e vida sexual no Twitter.

Conforme processo 2011.01.1.067300-2, a autora narrou ter sido vítima de diversos tipos de ofensas a sua honra por parte do requerido que, por meio do Twitter, causou-lhe vexames e constrangimentos.

Foi concedida liminar para determinar ao réu a se abster de publicar mensagens em relação à autora, bem como a retirar mensagens já publicadas, sob pena de multa diária.

Referência

TJDFT.jus.br. Internauta é condenado por comentários agressivos no Twitter. Disponível em <https://www.tjdft.jus.br/institucional/imprensa/noticias/2013/novembro/internauta-e-condenado-por-comentarios-agressivos-no-twitter>. Acesso em out 2021.

Autor do texto

Vinícius Machado de Oliveira é Perito forense digital. Atua nas áreas de Inteligência e Perícia Digital, é Perito/Assistente Técnico em Forense Digital (TJRS) e membro da ANPPD.


Autor

  • Verifact tecnologia

    A Verifact é uma empresa brasileira que oferece serviço on-line de registro de provas de fatos ocorridos na internet, com altos rigores técnico e jurídico e casos de aceitação pela Justiça em estados brasileiros como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Pernambuco, além de recomendação de uso pela Justiça do Trabalho de Santa Catarina. O serviço pode ser acessado 24 horas por dia, sete dias por semana, e gera provas digitais robustas de forma rápida e automatizada, a um preço mais acessível do que atas notariais de cartórios. A plataforma da Verifact já é utilizada pelos Ministérios Públicos de São Paulo, Bahia e Paraíba; Polícias Civils do Paraná e Bahia, escritórios de advocacia, peritos forenses e departamentos jurídicos de grandes empresas como Habibs, Electrolux e Veloce. Saiba mais em www.verifact.com.br.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso