Concluir o ensino superior e ter uma profissão é o sonho de muitos brasileiros. Sonho compartilhado pelas famílias brasileiras em regra.

Sem dúvidas a educação é uma das portas que faz com que a vida da pessoa mude.

Com essa expectativa de mudança as pessoas buscam fazer uma faculdade, e por isso havia no Brasil matriculados cerca de 8,6 (oito milhões e seiscentos mil) estudantes no ano de 2019.

Muitas pessoas, muitos sonhos, diversas expectativas geradas após a conclusão do ensino superior.

E para conseguir manter durante o curso, e realizar o sonho de concluir a graduação muitos estudantes buscaram no programa do Governo Federal - FIES, o financiamento para cursar a graduação.

Porém, terminar a faculdade não é o fim da corrida, é, na verdade, o começo da corrida para o emprego no mercado de trabalho que está cada vez mais difícil.

Além de pagar suas despesas o beneficiário tem que pagar o FIES, após 18 (dezoito) meses da colação grau, período de carência, vem então a conta do financiamento.

E em início de carreira, pagar o FIES pesa no bolso de um recém-formado.

E talvez seja essa a sua situação atual.

Não bastasse isso, veio a Pandemia que afetou de grande forma a vida do cidadão brasileiro, sobretudo, a inflação nos últimos meses, o aumento dos preços de itens básicos para manutenção da vida, e em consequência desse aumento de preços, muitos ex-alunos, beneficiados pelo FIES, estão inadimplentes e está pode ser a sua situação atual.

O momento é difícil, eu sei, e há relatos de muitos beneficiários do programa que a Caixa Econômica Federal está negativando pelo não pagamento do FIES, diante disso, quais são seus direitos e o que você precisa saber?

O FIES pode negativar no Serasa?

Sim. O FIES poderá em caso de inadimplência negativar nos órgãos de proteção ao crédito. E permanecer nessa situação afastará o acesso do beneficiário do FIES ao crédito em instituições financeiras.

O FIES pode fazer cadastro no CADIN?

Sim. Mas o que é o CADIN? O Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal CADIN, é um banco de dados onde estão registrados os nomes de pessoas que devem órgãos e entidades federais, logo, em caso de não pagamento constará o seu nome na relação de maus pagadores do Governo Federal.

O FIES prescreve se não pagar?

Sim. Porém, não prescreve em apenas 5 (cinco) anos, o prazo de prescrição do FIES é complexo, pois há várias parcelas a serem pagas, então em regra geral levaria mais de 12 (doze) anos para prescrever, pois leva em consideração o prazo de pagamento de cada parcela.

E a pergunta é, o que fazer?

Antes de responder à pergunta gostaria de destacar algo muito importante, em 2011 foi criado um fundo garantidor do FIES para àquelas pessoas que não conseguissem fiador, esse fundo, é do Governo Federal e poderá arcar com até 90% (noventa por cento) da dívida do FIES do beneficiário, esse percentual dependerá do que está no contrato do FIES.

Quanto aos seus direitos em caso de inadimplência, o beneficiário em atraso, poderá, quando o Governo Federal liberar o plano de renegociação, e, assim renegociar a dívida.

Para os contratos de FIES que são do período de 2011 a 2017 muitos constam o fundo garantidor do Governo Federal que substituiria o fiador para os beneficiários que não conseguissem pagar, esse fundo poderá arcar com até 90% (noventa por cento) do valor total da dívida do FIES, e para isso o beneficiário deverá procurar seus direitos para acionar a garantia desse fundo.

Como renegociar?

Para os contratos que possuem como agente financeiro a Caixa Econômica Federal, a renegociação poderá ser solicitada via pela internet pelo portal do SisFIES, quanto aos contratos do Banco do Brasil o beneficiário deverá entrar também no site do www.bb.com.br e acessar de soluções de dívidas para renegociar, desde que, haja previa regulamentação do Governo Federal.

Como acionar a garantia do fundo em caso de não pagamento?

Nos contratos que possuem garantia do Governo Federal e que estiverem em fase de amortização e com inadimplência a mais de 360 (trezentos e sessenta) dias poderá ser acionada a garantia.

Porém, isso não ocorre de maneira automática, e aí está uma ilegalidade.

A postura do Governo Federal é de preservar o fundo criado, porém, é direito dos beneficiários acionar a garantia.

Nos contratos em que há essa garantia é uma determinação legal que o fundo possa arcar com as despesas do FIES de beneficiário que não está pago.

Então surge aí o direito da parte em condições de impossibilidade de arcar de acionar o fundo.

Lembrando que essa garantia só poderá arcar com até 90% (noventa por cento) do contrato, a outra parte o beneficiário terá que pagar.

IMPORTANTE, o fundo do governo pagará como dito o percentual que está previsto no contrato, e o fundo em momento futuro poderá cobrar do beneficiário o pagamento. Ocorre que, o fundo até o presente momento tem o dinheiro para pagar, mas não tem mecanismos de cobrança.

Resumindo, em caso de não conseguir pagar o FIES, caso essa seja a sua situação temporária, poderá buscar por meio de uma ação judicial para acionar a garantia, orienta-se que busque um advogado que possa auxiliar no estudo do seu caso para melhor orientá-lo.

Porém, adianto que, o juiz, diante do caso em concreto, analisará os seus fatos, os seus documentos e estando cumprido os requisitos poderá ser acionado o fundo garantidor que é obrigado por lei e pelo contrato a pagar.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso