Símbolo do Jus.com.br Jus.com.br

O que a lei diz sobre renegociação de dívidas?

29/07/2022 às 20:15

Renegociar uma dívida pode ser uma ato corriqueiro na vida financeira das pessoas. Mas você sabe exatamente seus direitos? Venha descobrir conosco.

No mês de abril, o Brasil registrou recorde de endividados, atingindo 77% dos brasileiros, de acordo com a PEIC (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor), que começou a realizar esse mapeamento em 2010.

 

As razões que levam a essa situação vão desde a falta de planejamento e controle financeiro, até gastos imprevistos ou ainda a perda do emprego.

 

No entanto, apesar das dívidas, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) determina que o consumidor tem direitos ao renegociar uma dívida. Logo, ele pode propor uma renegociação, desde que haja pagamentos em atraso.

 

E com o aumento crescente de pessoas endividadas, elas precisam saber que é possível renegociar dívidas e conhecer seus direitos quanto a esse processo.

 

Nesse sentido, muitas empresas, como a Claro, passaram a oferecer canais de atendimento através dos quais o consumidor pode realizar a renegociação de dívidas. Neste caso, basta pesquisar no Google por claro dividas ou acessar o portal Claro Negocia Fácil.

 

Apesar de opções acima, agora também existe a Lei do Superendividamento 14.181/21, que está em vigor desde julho de 2021.

 

Essa lei propõe uma forma de negociação de débitos semelhante ao das empresas em recuperação judicial, e gerou alterações no Código de Defesa do Consumidor e no Estatuto do Idoso.

O que é a Lei do Superendividamento

A Lei do Superendividamento 14.181/21, em vigor desde julho de 2021 e seu objetivo é regular a concessão de crédito e viabilizar a negociação coletiva de débitos com os credores, através de conciliação coletiva entre o devedor pessoa física e seus credores. 

 

Tudo isso, garantindo que o cidadão tenha o mínimo para sua subsistência, sem se expor a situações de humilhação e indignidade.

 

Apesar disso, não há determinação de valores, pois o importante é que o consumidor possa pagar suas dívidas, sem comprometer seu mínimo existencial, nos termos da regulamentação. (Art. 54-A § 1º).

 

Por outro lado, há uma especificação sobre o tipo de dívida que se enquadra na modalidade de negociação na conciliação coletiva, entre elas, operações de crédito, compras parceladas e contas de consumo básico.

 

Recorrendo a esta lei, o consumidor em débito tem a oportunidade de renegociar todos os valores ao mesmo tempo, condensando todas as dívidas em um único plano de pagamento.

 

Para solicitar a revisão de contratos, o consumidor deve se dirigir  aos órgãos do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor, como o Procon, a Defensoria Pública e o Ministério Público.

Direitos do consumidor endividado

Na hora de renegociar as dívidas, o consumidor deve conhecer seus direitos e recursos para não ficar sujeito a negociações abusivas por parte do credor. Diante disso, veja quais são esses direitos.

  • Informações claras

Informações como: o valor total, taxas de juros, multas, prazos para pagamento, entre outros dados, devem ser transmitidos ao cliente de forma clara e compreensível. Além disso, todas as dúvidas do consumidor devem ser esclarecidas pelo credor.

  • Contraproposta

O consumidor tem o direito de fazer uma contraproposta ao credor, caso a proposta deste não seja adequada à realidade do cliente. No entanto, a  nova proposta deve seguir alguns critérios de acordo com o contrato inicial.

  • Parcelamento

Em geral, as empresas concedem a opção de parcelamento para renegociar as dívidas, mas não existe regra com relação a isso.

  • Multas e juros abusivos

Os credores não podem cobrar multas e juros abusivos. Eles devem seguir o que está determinado no contrato. Por outro lado, o consumidor tem o direito de pagar apenas aquilo que deve.

  • Respeito e cortesia no contato

No processo de negociação, o credor deve oferecer um atendimento respeitoso e cortês, pois é um direito do consumidor. 

 

Outro direito do consumidor é o de não receber contato em seu trabalho ou em local público onde haja possibilidade de seu débito ser revelado. 

 

Caso uma situação dessas ocorra, o consumidor pode abrir uma ação por danos morais contra a empresa, o que pode gerar uma penalidade de 3 meses a 1 ano de prisão.

Conclusão

O número de brasileiros aumenta a cada ano e vários os motivos que levam as pessoas a essa situação. Mas apesar da dívida, o consumidor tem seus direitos que precisam ser conhecidos e devem ser respeitados por parte dos credores.

 

Em defesa do consumidor, além do CDC, está em vigor a Lei do Superendividamento para garantir que ele possa pagar suas dívidas sem afetar a sua dignidade, garantindo a sua subsistência.

 

Diante desse cenário muitas empresas oferecem canais específicos para que o consumidor possa negociar suas dívidas, como é o caso da Claro. 

 

Quem possui claro dividas, tem um portal exclusivo, em que o próprio consumidor realiza a negociação através do celular ou computador.

 

Webstories
Sobre o autor
Lucas Widmar Pelisari

Sou estudante de Direito, escritor e atuante no marketing digital.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos