Trata-se de consulta acerca da remuneração pela prestação de serviços extraordinários prestados pelos servidores municipais.

I – DOS FATOS

Trata-se de consulta acerca da remuneração pela prestação de serviços extraordinários prestados pelos servidores municipais.

Em síntese, é o que nos compete relatar.

II – DO MÉRITO

DA PREVISÃO LEGAL DAS HORAS EXTRAS

Entende-se por “serviço extraordinário” ou “hora extra suplementar” ou “hora extraordinária” todo período trabalhado excedente à jornada contratualmente ou legalmente fixada.

Em prestígio à saúde do trabalhador, à proteção da higiene do trabalho e no combate à escravidão, a Constituição Federal estabeleceu limites à jornada diária de trabalho. Vejamos:

Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

(...)

XIII - duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho;

XIV - jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva;

(...)

XVI - remuneração do serviço extraordinário superior, no mínimo, em cinqüenta por cento à do normal; 

O Estatuto dos Servidores do Município de Viçosa (Lei nº 810/91), da mesma forma que o art. 59 da CLT, protege o trabalhador, ao estabelecer limites à extrapolação da jornada. In verbis:

Art. 66 - O serviço extraordinário será remunerado com acréscimo de cinquenta por cento em relação à hora normal de trabalho.

Art. 67 - Somente será permitido serviço extraordinário para atender situações excepcionais e temporárias, respeitando limite máximo de duas diárias, conforme se dispuser em regulamento.

Art. 68 - O trabalho executado em dias destinados a repouso será pago em dobro ou compensado na semana imediatamente posterior.

Assim, permitiu que o empregado executasse até 02 (duas) horas além da jornada máxima de 08 (oito) horas diárias prevista na CRFB/1988, mediante o pagamento de 50% (cinquenta por cento) incidente sobre o valor da hora normal nos dias úteis e, nos dias destinados ao repouso (sábado e domingo), a remuneração das referidas horas extraordinárias deve ser retribuída com acréscimo de 100% (cem por cento) sobre o valor da hora normal.

DA NECESSIDADE DO SERVIÇO NOS SÁBADOS E DOMINGOS.

Primeiramente, necessário ressaltar que a realização de horas extras deve ocorrer em caráter excepcional. Se a demanda é ordinária, descaracterizada está a extraordinariedade que justifica o instituto e,possivelmente, ocorrerá violação à obrigatoriedade de concurso público (número de servidores insuficientes para a demanda de serviço) e inobservância do princípio da eficiência (busca pelo melhor resultado com o menor custo violado pois a hora extra é mais cara do que hora normal).

Portanto, ao verificar que o número de servidores é insuficiente para o serviço é necessário que concurso público seja providenciado. Inexistindo viabilidade financeiro-orçamentária para a realização de concurso público, os serviços públicos não essenciais devem ser restringidos e adequados a realidade de recursos humanos e situação financeira do Ente Público, podendo, inclusive ocorrer remoção de servidores para as áreas prioritárias.

Ademais, pode o Município estabelecer escalas entre os servidores de forma que a jornada normal de trabalho seja cumprida também nos finais de semana. O repouso semanal remunerado é preferencialmente aos domingos, não há obrigatoriedade.

Entretanto, recomenda-se que as escalas sejam elaboradas de forma a permitir que cada servidor a cada período máximo de 4 (quatro) semanas de trabalho, usufrua de pelo menos um domingo de folga em prestígio a norma constitucional contida na Constituição abaixo transcrita:

Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

(...)

XV - repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos;

III – DO PARECER
 

Isto posto, com fulcro na competência que é assegurada no art. 97 da Lei Orgânica do Município, opina pela necessidade de observância ao limite de duas horas diárias fixadas no art. 67 da Lei Municipal nº 810/1991.

Este é, salvo melhor juízo, o nosso parecer.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria