Tema da aula Direito Processual do Trabalho: Conceito; Natureza Jurídica; Autonomia; Interpretação; Integração; Eficácia. Lacunas Normativas, Ontológicas e Axiológicas. Fontes. Princípios Constitucionais e Infraconstitucionais do Processo do Trabalho

1) A respeito do artigo 10, CPC/2015, qual o alcance da expressão “fundamento”, expressamente disposta no art. 10 do Novo CPC?

R: Entendo que a expressão ‘fundamento’ na forma como expressa pelo artigo 10 do Novo CPC traduz o fato, documento ou a prova, que o juiz tomou conhecimento e valeu-se para decidir o caso concreto.

Art. 10.  O juiz não pode decidir, em grau algum de jurisdição, com base em fundamento a respeito do qual não se tenha dado às partes oportunidade de se manifestar, ainda que se trate de matéria sobre a qual deva decidir de ofício.

Desta forma, decidir com base em fato, documento e/ou prova da qual as partes não puderam se manifestar ou não tiveram conhecimento coloca em risco a segurança jurídica do devido processo legal, posto que por si só a jurisdição teria sido realizada com ausência do contraditório.

Não se confunde a expressão fundamento com norma ou princípio, vez que não há impedimento para que o magistrado fundamente sua decisão no direito posto, pois a todos incumbe conhecer da lei (art. 3º, LINDB - Ninguém se escusa de cumprir a lei, alegando que não a conhece).

b) É possível, na decisão judicial, sem prejuízo ao contraditório, invocar-se princípio não debatido pelas partes, mas que se consubstancia em regra jurídica mencionada pelas partes no curso do processo?

R: Pelo já citado disposto no art. 3º da LINDB não é possível que a parte alegue desconhecimento da lei, assim, a decisão judicial pode ser embasada em regra jurídica vigente no ordenamento jurídico, até mesmo em respeito a previsão do livre convencimento do juiz (art. 371 do NCPC), que implica dizer que ao juiz é possível acolher ou negar o pedido por fundamento diverso daquele alegado pelas partes.

Desta forma, ainda mais possível e cabível se as partes não alegaram mas enfrentaram o tema no decorrer do processo, tal qual a previsão dos recursos extraordinários que preveem o prequestionamento implícito, quando a matéria é ventilada mas não enfrentada diretamente, como prevê a jurisprudência:

II – O prequestionamento implícito somente ocorre quando a matéria tratada no dispositivo tido por violado tiver sido apreciada e solucionada pelo Tribunal a quo , de tal forma categórica e induvidosa, que se possa reconhecer qual norma direcionou o acórdão recorrido, o que não ocorreu no presente caso (AgRg no Ag 726520- BA)

Assim, por todo o exposto entende-se que é cabível a fundamentação da decisão em princípio não debatido pelas partes, mas que seja regra jurídica, sem prejuízo ao contraditório ou ampla defesa.

c) Esta regra é compatível com o processo do trabalho?

R: Sim, pois ao processo do trabalho também é aplicável o devido processo legal, contraditório e a ampla defesa, visto que não pode ser o processo uma ferramente para perpetuação do desconhecido.

Somado a isto a própria Instrução Normativa n.º 39/2016 do C. TST apontou a aplicação dos preceitos do art. 10 do NCPC, aduzindo em síntese que: i) é vedada a decisão surpresa; ii) não pode a decisão judicial embasar-se em fato não submetido ao conhecimento das partes; iii) não se considera decisão surpresa aquela que as partes tinham obrigação de saber/prever quanto aos pressupostos de admissibilidade; vejamos:

Art. 4° Aplicam-se ao Processo do Trabalho as normas do CPC que regulam o princípio do contraditório, em especial os artigos 9º e 10, no que vedam a decisão surpresa.

§1º Entende-se por “decisão surpresa” a que, no julgamento final do mérito da causa, em qualquer grau de jurisdição, aplicar fundamento jurídico ou embasar-se em fato não submetido à audiência prévia de uma ou de ambas as partes.

§2º Não se considera “decisão surpresa” a que, à luz do ordenamento jurídico nacional e dos princípios que informam o Direito Processual do Trabalho, as partes tinham obrigação de prever, concernente às condições da ação, aos pressupostos de admissibilidade de recurso e aos pressupostos processuais, salvo disposição legal expressa em contrário.

Portanto, entendo também cabível ao processo do trabalho, vez que não se admite decisão que viole ou contrarie o contraditório e a ampla defesa, mitigando o devido processo legal, afastando-se da justiça e se aproximando do autoritarismo, bem como, não há escusa de conhecimento da lei posta, vigente e em vigor, devendo a parte e seu procurador estarem bem paramentadas em consonância com o direito.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria