Contratação de empresa especializada para realização de concurso público destinado ao preenchimento de cargos vagos pertencentes à estrutura Administrativa de um município.

Parecer Técnico CGM nº. 000xx/xxxx

Processo: 0xxxx/xxxx

Dispensa: nº 0xxxx/xxxx

Interessado: xxxxxx

Assunto: Contratação de empresa para prestação de serviços técnicos especializados de organização e realização de concurso público

1. RELATÓRIO

 

Trata-se de processo administrativo que objetiva a contratação de empresa para realização de concurso público destinado ao preenchimento de cargos vagos pertencentes à estrutura Administrativa da xxxxxxx.

É possível verificar que foram anexados, até o presente momento, os seguintes documentos exigidos pela Lei das Licitações e pelas normas de administração financeira:

I – Ofício de solicitação;

II – Termo de Referência;

III – Solicitação de vagas pelos órgãos;

IV – Autorização do Gestor para abertura do processo;

V – Pesquisa de Preços – Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação - IBFC;

VI – Pesquisa de Preços – Instituto Brasileiro de Apoio e Desenvolvimento Executivo - IBADE;

VII – Pesquisa de Preços – Escola Superior de Administração Fazendária - ESAF;

VIII – Minuta do Contrato;

IX – Certidões de Regularidade;

X – Razão para a escolha do fornecedor;

XI – Exposição de motivos;

XII – Atestados de capacidade técnica;

XIII – Autorização do Gestor para realização da despesa;

XIV – Classificação Funcional Programática;

XVI – Parecer da Procuradoria Geral do Município.

Em síntese – eis o breve relatório do caso que ora se apresenta para fins de emissão de parecer técnico desta Controladoria.

2. DO EXAME

Registra-se que a regra é a de que todo e qualquer contrato firmado pela Administração seja precedido de licitação, o art. 37, inc. XXI, da CF/88. A contratação direta caracteriza-se como exceção.

O art. 24 da Lei 8.666 estabelece as hipóteses de dispensa e traz consigo requisitos que devem ser seguidos, neste sentido, após análise do processo em epígrafe, concordamos que o presente caso se enquadra na hipótese prevista no inciso XIII.

Na hipótese sob exame, a Administração possui a faculdade de dispensar a licitação para contratar instituição brasileira incumbida regimental ou estatutariamente da pesquisa, do ensino ou do desenvolvimento institucional, ou de instituição dedicada à recuperação social do preso, desde que a contratada detenha inquestionável reputação ético-profissional e não tenha fins lucrativos, com fulcro no art. 24, XIII da Lei nº 8.666/93, in verbis:

Art. 24. É dispensável a licitação:

(...)

XIII - na contratação de instituição brasileira incumbida regimental ou estatutariamente da pesquisa, do ensino ou do desenvolvimento institucional, ou de instituição dedicada à recuperação social do preso, desde que a contratada detenha inquestionável reputação ético-profissional e não tenha fins lucrativos;

(O grifo é nosso)

No entanto, para o Tribunal de Contas da União, não basta que a instituição contratada preencha os requisitos impostos pelo inciso XIII do artigo 24 da Lei de Licitações e por isso, editou a súmula nº 250, que preconiza a necessidade de comprovação de compatibilidade com os preços praticados pelo mercado, o que ficou evidenciado na pesquisa de preços acostada aos autos deste processo.

Segue o teor da súmula nº 250 do TCU:

A contratação de instituição sem fins lucrativos, com dispensa de licitação, com fulcro no art. 24, inciso XIII, da Lei n.º 8.666/93, somente é admitida nas hipóteses em que houver nexo efetivo entre o mencionado dispositivo, a natureza da instituição e o objeto contratado, além de comprovada a compatibilidade com os preços de mercado.

(O grifo é nosso)

Ressaltamos que esta hipótese de dispensa a contratação direta não consiste em oportunidade concedida pela lei para que a Administração realize contratações inadequadas ou prejudiciais ao interesse público, neste sentido, a justificativa para a escolha do fornecedor é de suma importância. Bem por isto, assim já decidiu do TCU:

“Em qualquer contratação efetuada com dispensa de licitação, observe, com rigor, o disposto no art. 26 da Lei 8.666/93, de modo que sejam devidamente justificados os motivos da escolha do fornecedor ou executante e os preços pactuados.” (Decisão nº 30/2000, Plenário, rel. Min. Guilherme Palmeira.)

(O grifo é nosso)

Sobre o tema, Marçal Justen Filho afirma que "nenhum gestor de recursos públicos poderia escusar-se a justificar uma contratação direta sob o fundamento de que a hipótese não estava prevista no art. 26” (Comentários à Lei de Licitações e Contratos Administrativos, Dialética, 12ª edição, 2008.).

Da análise do presente processo, temos que todos estes requisitos citados foram cumpridos.

No tocante ao possível surgimento de questionamento relativo à possibilidade de competição, e consequentemente abertura de um certame, entendemos que esta hipótese é afastada ao verificarmos o cumprimento dos requisitos elencados pela lei, assim como entendimento do TCU que serve de respaldo para opção de adoção da dispensa, nos termos do art. 24, XIII.

Neste sentido, o TCU em julgamento que resultou no Acórdão TCU nº 114/1999 – Plenário. Relator: Min. Marcos Vinicius Vilaça, firmou entendimento sobre essa questão e definiu que “atendidos os demais requisitos postos em lei” (art. 24, XIII), enseja a dispensa de licitação, mesmo quando a competição se revela viável”.

3. DA CONCLUSÃO

Diante da documentação apresentada, concluímos que o presente procedimento atende às exigências legais e não foi verificado nenhum óbice ao seu prosseguimento

É o parecer, salvo melhor juízo.

____________, ________ de 201x.

Responsável

Cargo



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria