Rápidas considerações sobre os institutos da desregulamentação, flexibilização e flexissegurança das normas trabalhistas no que tange a eventuais reflexos trazidos ao ordenamento jurídico brasileiro pela Lei n. 13.467/2017 - Reforma Trabalhista

Flexibilização, desregulamentação normativa e flexissegurança: apesar de institutos conexos, a linha que os separa não é nada tênue.

Se, por um lado, tem-se a desregulamentação – por vezes denominada flexibilização heterônoma – como símbolo da livre manifestação das vontades particulares e, portanto, da ausência de proteção legislativa; por outro, é possível visualizar a flexibilização (autônoma) e a flexissegurança como garantidoras das mínimas condições dignas de trabalho, porém com certas peculiaridades.

A necessidade de harmonização de interesses dos sujeitos das relações trabalhistas, em razão de acontecimentos histórico-sociais diversos, fez surgir a figura designada “flexibilização”. Esta, tradução da garantia estatal do mínimo existencial nos vínculos de trabalho somada à possibilidade, em casos determinados, de conferir menor rigidez às normas (inicialmente) cogentes.

Em sentido não tão distante, a flexissegurança identificada em países europeus como Dinamarca e Suécia, reflete a ideia de regras de contratação maleáveis (“flexibilidade”), mas, ao mesmo tempo, de ações estatais ativas no sentido de, além de garantir aos trabalhadores condições mínimas, proporcionar-lhes ou contribuir para a sua reinserção no mercado de trabalho (“segurança”), isto é, combate ao desemprego.

Por fim, a desregulamentação normativa é capaz de expressar seu ideal pela própria nomenclatura utilizada. Vislumbra-se assim, em tal instituto, a retirada total de direitos ou sua substituição por benefícios vis. E é neste sentido que aqui é feita a interferência do Estado, sendo as citadas imposições realizadas de forma unilateral.

À vista de tais considerações aliadas às recentes alterações legislativas na seara trabalhista brasileira, mais especificamente por meio da intitulada Reforma Trabalhista, o que se percebe é a existência concomitante de tendências flexíveis e desregulamentadoras por parte do legislador.

Enquanto uma vertente de desregulamentação pode ser identificada, por exemplo, ao longo dos artigos 611-A e 58, § 2º, ambos da Consolidação das Leis do Trabalho, o artigo 611-B do mesmo instrumento normativo se revela mais flexível, apesar de não necessariamente inovador, tendo em vista que o patamar civilizatório mínimo previsto já constituía garantia constitucional ao constar do artigo 7º da Carta Magna.

A partir de rasa e isolada análise dos três dispositivos supracitados, poder-se-ia concluir que o legislador infraconstitucional tende à desregulamentação, ao mesmo tempo em que o legislador constitucional à flexibilização. É fato, porém, que superficial exame não é suficiente para caracterização da Reforma Trabalhista como um todo.


Autor

  • Francesca Alves Batista

    Graduada em Direito pelo Centro Universitário de Anápolis - UniEvangélica (2017). Pós-graduanda em Direito do Trabalho e Direito Processual do Trabalho pela Faculdade de Direito Damásio de Jesus - Damásio Educacional. Advogada com experiência em: Direitos Trabalhistas; Conciliações; Direitos da Personalidade; Direitos de Família; Direitos LGBT; Direitos Humanos; Direito Obrigacional.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria