Entendemos ser plausível a retenção de pagamento de parcela restante, em virtude do não comprimento do contrato de prestação de serviços pelo prestador, a despeito da ausência de instrumento escrito, se for o caso da presente consulta.

 

A Consulente alega que fizeram um contrato de prestação de serviço e pagaram através de cheques pré-datados. Acontece, continua a Consulente, “que este não cumpriu o prazo para entrega do serviço e bloqueamos para pagamento o último cheque, por desacordo comercial.”

Acrescenta a Consulente que, “o prestador de serviços passou o cheque para terceiro e este entrou em contato cobrando o cheque, dizendo que irá protestá-lo.” “Gostaria de saber como proceder nessa situação e se o cheque realmente pode ser protestado.”

O cheque, por definição, é uma ordem de pagamento à vista expedida contra um banco sobre fundos depositados na conta do emitente.

É uma ordem de débito emitida pelo titular da conta bancária, usado para quitar um pagamento determinado.

O cheque, como um título de crédito e, em face de sua autonomia, literalidade e abstração, pode ser transferido a terceiros e ainda protestado.

Nesse caso, por ser o cheque um título autônomo o terceiro poderá a nosso ver, cobrá-lo diretamente da Consulente.

 A 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça – STJ, ao julgar o recurso repetitivo, decidiu que cheques pré-datados, assim chamados pelo direito costumeiro, podem ser protestados no prazo de seis meses contados a partir da finalização do prazo de apresentação do título (30 dias na mesma praça e 60 dias fora da praça).

Entendemos ser plausível a retenção de pagamento de parcela restante em virtude do não comprimento do contrato de prestação de serviços pelo prestador, a despeito da ausência de instrumento escrito, se for o caso da presente consulta (não há a informação se houve contrato escrito), por força do art. 476 do Código Civil (Lei 10.406/2002).

Art. 476. Nos contratos bilaterais, nenhum dos contratantes, antes de cumprida a sua obrigação, pode exigir o implemento da do outro.

Vimos que o cheque pré-datado pode efetivamente ser protestado pelo terceiro de posse do referido documento.

Para evitar um protesto convém pagar o cheque e, se for o caso, exigir posteriormente do prestador de serviços inadimplente o ressarcimento de tal prejuízo.

Assim, caberia, a nosso juízo, diante dos fatos narrados, a rescisão do contrato de prestação de serviços e a reparação dos prejuízos causados pelo prestador, pelo descumprimento do contrato, de forma amigável ou não sendo esta possível, judicialmente.

É o que nos cabia elucidar, s.m.j.

 

 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria