A 4º TURMA DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO (TST) VALIDOU O CONTRATO DE TRABALHO INTERMITENTE CELEBRADO POR UMA EMPRESA DE GRANDE PORTE, SE TRATA DA PRIMEIRA DECISÃO DO TST SOBRE O TEMA DESDE A REFORMA TRABALHISTA.

No caso prático, o Tribunal Regional da 3ª Região tinha considerado inválida a nova modalidade de contratação, por se tratar de um posto efetivo de trabalho. Pelo entendimento do TRT o contrato de trabalho intermitente só poderia ser celebrado para atender demandas intermitentes em pequenas empresas, não podendo ser utilizado para suprir demanda de atividades permanente, contínua ou regular.

Conforme entendimento do Ministro Relator Ives Gandra da Silva Martins Filho do Tribunal Superior do Trabalho, a decisão do TRT da 3ª Região se choca com a legislação, pois a lei define e traça os parâmetros do contrato de trabalho intermitente como sendo aquele descontínuo e que pode ser firmado para qualquer atividade, exceto para aeronautas, desde que observado o valor do salário hora dos demais trabalhadores não intermitentes da empresa.

Por fim, é importante destacar que apesar do TST ter oferecido uma orientação de como o judiciário poderá tratar o tema daqui por diante, é importante que as empresas adotem essa modalidade de contrato com cautela, tendo em vista, as Ações Diretas de Inconstitucionalidade pendentes de julgamento no Supremo Tribunal Federal.


Autor

  • Juliana Conceição da Silva

    Advogada, inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil, Sócia de Sales e Silva Advogados, Gestora de Contencioso, com experiência firmada na áreas de Direito e Processo do Trabalho, Civil e Processo Civil, acumulando resultados positivos na condução de demanda judiciais complexas, Avaliação de Riscos e Controladoria Jurídica.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0