Trata-se de parecer jurídico em virtude de consulta do réu que responde em liberdade após ter sido condenado pelo crime de roubo em concurso de agentes.

Dr. Guilherme Oliveira Atencio – OAB/SP 369.295

 

Consulente: xxxxxxxxxxx

Processo de n. xxxxxxxxxx

 

São Paulo, 09 de setembro de 2020.

 

 

CONSULTA

 

O Consulente esclarece que é réu no processo criminal de n. xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx e indaga acerca do caso, do estágio atual do processo e dos eventuais riscos que o processo possa lhe trazer.

 

PARECER

 

1. DO PROCESSO CRIMINAL

 

Trata-se de processo criminal em que o consulente veio a ser acusado da prática de roubo previsto no artigo 157, §2º, II do Código Penal, a saber, roubo agravado pelo concurso de agentes.

 

Proferida a sentença, o consulente foi condenado nos termos da acusação às penas de 05 (cinco) anos e 04 (quatro) meses de reclusão no regime inicial fechado, com o direito ao apelo em liberdade.

 

2. DO ESTÁGIO ATUAL DO PROCESSO

 

Consultado aos 09/09/2020, o processo se encontra no Tribunal de Justiça em virtude da interposição do recurso de apelação.

 

Resta desde a data de 18/09/2019 como “conclusos para o relator”, qual seja, aguardando o relatório do processo, bem como, a designação da data de julgamento.

 

3. DO RECURSO DE APELAÇÃO

 

O recurso de apelação foi apresentado pelo membro da Defensoria Pública do Estado de São Paulo e requer seja a sentença reformada a fim de absolver o consulente, com base no artigo 386, VII, do Código de Processo Penal e, subsidiariamente, requer seja determinado o regime inicial semiaberto ao consulente.

 

4. DAS CHANCES DE ÊXITO DO RECURSO DE APELAÇÃO

 

O parecer emitido pela Procuradoria Geral de Justiça é pelo desprovimento do recurso de apelação e manutenção da sentença recorrida.

 

Segundo consta da sentença, o consulente e o corréu não foram reconhecidos em solo policial como as pessoas que realizaram a abordagem.

 

Não há elementos suficientes na sentença para demonstrar que em juízo as vítimas reconheceram o consulente e o corréu, bem como, não há elementos necessários para a individualização da conduta dos mesmos.

 

No caso, há a chance de absolvição, assim como, subsidiariamente, a chance da imposição do regime inicial semiaberto.

 

Em relação à absolvição é a jurisprudência do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo:

 

ROUBO MAJORADO. Preliminares de nulidade rejeitadas. Mérito. Reconhecimento das vítimas frágeis. Aplicação do princípio do in dubio pro reo. Absolvições decretadas apelos providos. (TJ/SP, Apelação n. 0062784-33.2018.8.26.0050, 1ª Câmara de Direito Criminal, Des. Relator: Diniz Fernando, j. 23/04/2020).

 

Em relação ao regime inicial de cumprimento de pena, há a possibilidade do regime inicial fechado ser modificado visto que a pena base foi fixada no mínimo legal de acordo com a súmula 440 do Superior Tribunal de Justiça – STJ.

 

Outrossim, o regime inicial fechado foi determinado na sentença com base na seguinte justificativa:

 

“Fixo o regime inicial FECHADO em face das quantidades das penas e da gravidade em concreto do delito (roubo duplamente majorado) ”.

 

No caso, o regime inicial se encontra fundamentado de forma genérica e, de acordo com as súmulas 718 e 719 do Supremo Tribunal Federal – STF, não há fundamento idôneo para a imposição do regime diverso do semiaberto no caso.

 

É incabível a determinação do regime inicial aberto se mantida a condenação do consulente visto que a pena já está fixada em seu mínimo legal, segundo à acusação e, de acordo com o artigo 33 do Código Penal não poderá ser fixado cumprimento de pena em regime aberto aos condenados por penas superiores à 04 (quatro) anos.

 

5. DO TEMPO DE CUMPRIMENTO DE PENA

 

O consulente respondeu o presente processo em liberdade, restando preso do dia 25 de agosto de 2017 até a data próxima de 03/11/2017, qual seja, pouco mais de 02 (dois) meses.

 

No caso, se mantida a condenação em regime fechado, deverá o consulente cumprir 1/6 da pena para progressão para o regime semiaberto e, após, outra fração de 1/6 do restante da pena para a progressão ao regime aberto, descontado o período de prisão anteriormente cumprido, de acordo com o previsto no artigo 42 do Código Penal.

Caso o consulente não venha a ser absolvido, mas seja reformada a sua sentença para condenação no regime semiaberto, deverá cumprir apenas uma única fração de 1/6 da pena, descontado o período que permaneceu preso preventivamente durante o processo, totalizando-se, assim, a quantia aproximada de 09 (nove) meses preso para a progressão ao regime aberto.

 

6. DOS RECURSOS CABÍVEIS

 

Ao consulente no presente momento é cabível, mediante a contratação de advogado particular, a apresentação de memoriais de julgamento aos Desembargadores que integrarão o julgamento do seu recurso de apelação perante o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

 

É cabível também a contratação de advogado particular para a sua defesa no dia do julgamento de sua apelação, mediante sustentação oral.

 

Após, caso mantida a condenação, de forma a postergar o trânsito em julgado do processo e a consequente expedição do mandado de prisão do paciente é cabível a interposição de Recurso Especial e, caso não admitido, ainda é cabível a interposição de agravo de instrumento de despacho denegatório de recurso especial.

 

O referido recurso especial só poderá ser utilizado para reformar a sentença do consulente no tocante à determinação do regime inicial fechado de cumprimento de pena, de acordo com a súmula 07 do Superior Tribunal de Justiça – STJ, podendo, assim, ser determinado o regime inicial semiaberto.

 

Por fim, caso denegados os recursos, haverá o trânsito em julgado do processo de condenação e será expedido o mandado de prisão ao consulente. Nesse último caso o único recurso cabível será o recurso de Habeas Corpus interposto diretamente ao Superior Tribunal de Justiça – STJ, que poderá tão somente decidir acerca da determinação do regime inicial semiaberto.

 

Inexistem causas de nulidade visíveis de plano no processo do consulente.

 

7. CONCLUSÃO

 

A situação processual do consulente é grave, de forma que o mesmo possa amargurar durante mais de 01 ano na prisão, todavia a recomendação é que utilize de todos os recursos cabíveis com vistas a postergar a sua prisão, bem como, com a real chance que possui de ser absolvido ou de ter o tempo de prisão reduzido em virtude da reforma em relação ao regime inicial de cumprimento de pena.

 

É o meu parecer smj.

 

 

São Paulo, 09 de setembro de 2020.

 

Guilherme Oliveira Atencio - OAB/SP 369.295

 


Autor

  • Guilherme Oliveira Atencio

    Advogado Criminalista. Foi defensor dativo do Tribunal de Ética e Disciplina e membro efetivo da Comissão de Direito Penal e Processo Penal e da Comissão de Direitos e Prerrogativas da OAB/SP. No meio acadêmico é Bacharel em Direito tendo sido monitor acadêmico – assistente do Professor Dr. Jorge Shiguemitsu Fujita e Pós-graduado – título de especialista em Direito Empresarial Aplicado pelas Faculdades Metropolitanas Unidas – FMU/SP, tendo apresentado o artigo: “Dos Crimes contra o mercado de capitais: o insider trading”.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso