Apresentação dos pontos principais da LGPD e explicação sobre as polêmicas acerca de sua vigência

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, que tanto tem gerado comentários, necessita de um olhar aprofundado de advogados. Isso porque ela é uma lei que vai alterar de forma profunda a relação entre empresas e consumidores. Você entende o que isso quer dizer?

MUDANÇAS

• Mais transparência: agora as instituições precisam fornecer informações sobre o modo como os dados dos titulares estão sendo tratados. Ainda, salienta-se a necessidade de permissão dos titulares para a utilização dos dados, a qual pode ser revogada e os dados, excluídos do armazenamento.

E se a instituição descumprir a lei? Nesse caso, incide multa de até 2% do faturamento, limitado a R$50mi.

• Você sabe o que é um DPO? Agora certas empresas precisam nomear um DPO, que significa Data Protection Officer, ou seja, um profissional especialmente encarregado do tratamento e da proteção de dados, com identificação e contatos públicos.

• Com a LGPD, surge a necessidade de elaboração de relatórios de impacto à proteção de dados. A lei também traz a obrigatoriedade de resposta imediata aos pedidos sobre confirmação e acesso de dados dos titulares, além de fornecer-lhes declaração em até 15 dias.

• Agora uma alteração mais ampla, que se trata da obrigatoriedade de estabelecimento de canais de comunicação transparentes entre empresas e consumidores/titulares. Essa prescrição se estende a sites, redes sociais e a todos os setores que coletem dados pessoais, como varejo e saúde.

• Com a LGPD, os titulares têm seu direito à proteção de dados protegidos por uma autoridade maior, isto é, o Governo atuará com a ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados), com recebimento de queixas e direcionamento adequado das demandas.

• Já pensou se seus dados forem transferidos para fora do Brasil? Agora você deverá ser informado sobre isso, pois, para a LGPD, a proteção não ocorre só em âmbito nacional, mas abrange o compartilhamento de dados também em outros países.

POLÊMICAS

A vigência da LGPD, desde 2018, estava definida para ocorrer em agosto de 2020. Contudo, em razão do cenário de pandemia, que agravou as dificuldades inerentes às adaptações à lei, cogitou-se adiar a vigência, inicialmente, para o próximo ano.

Assim, foi editada a MP 959/20, a determinar que somente em maio de 2021 a LGPD entraria em vigor.

O que causou surpresa (nem tanto) foi a decisão do Senado, que derrubou a MP supradita e, então, determinou a vigência da LGPD novamente para agosto deste ano.

Portanto, após sanção presidencial na última sexta, 18/09, a Lei 14.058/20 entrou em vigência, em detrimento das sanções administrativas, adiadas para agosto de 2021. conforme a Lei 14.010/20.

O que será que vai ocorrer na prática? Em resumo: bagunça! Isso porque, quando uma lei entra em vigor, surge a possibilidade de ajuizamento de ações. No entanto, neste caso, não haverá aplicação de sanções previstas na LGPD, certo? Vai sobrar para o bom e velho Código de Defesa do Consumidor (por meio do PROCON e cia.).

Em resumo, essa situação gera conflito de atribuições e insegurança jurídica. Para mais, afirmamos ainda que tudo isso é um enorme desrespeito ao empresariado brasileiro, que já luta contra a maior crise econômica de sua existência e, agora, precisa se adequar às pressas para que não enfrente ainda mais problemas.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso