Etiologia, criminalista.

A etiologia é a forma de explicar a motivação do crime, utilizando-se de conceitos da Antropologia Jurídica ao definir a “aparência” do criminoso. Ela busca as causas, motivação, e através dela haveria a possibilidade de melhoria aos meios preventivos.

Seguindo a linha positivista, determina causas, sendo também ferramenta auxiliar do Direito Penal. Traça parâmetros voltados para o estudo do comportamento criminoso, explicando a criminalidade por meio de características individuais determinados por conta do contexto social a que se está inserido, formação social econômica ou patologia.

Ao seguir essa linha de pensamento, obtém-se uma “penalização seletiva”, algo que de certa forma prepondera atualmente no nosso país. Consolida uma determinação causau, num consenso de que, por exemplo, o trafico de drogas aconteça com maior força numa favela levando as abordagens policiais nessa localidade com maior frequência.

Lombroso é o principal autor dessa linha de pensamento, aponta traços de fisionomia, em seu estudo analisou mais de 25 mil reclusos de prisões europeias. Além disso, seis mil delinquentes vivos e resultados de pelo menos quatrocentas autópsias (PABLOS DE MOLINA, 2013, p. 188).

Dessa forma o delinquente nato ao atavismo. Assim, características físicas e morais poderiam ser observadas nesse indivíduo. De acordo com essa atribuição, o delinquente nato possuía uma série de estigmas degenerativos comportamentais, psicológicos e sociais que o reportavam ao comportamento semelhante de certos animais, plantas e a tribos primitivas selvagens (LOMBROSO, 2010, p. 43-44).

Sua teoria da criminalidade nata, que no campo da política criminal segrega os indivíduos cujas características condizem, faz com que este indivíduo, seja observado mais vigorosamente, impedindo assim o acontecimento de crimes, funcionando como uma contenção e defesa social.

 

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

PABLOS DE MOLINA, Antonio Garcia; GOMES, Luiz Flávio. Criminologia. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

LOMBROSO, Cesare. O Homem Delinquente. Tradução: Sebastian José Roque. 1.  Reimpressão. São Paulo: Ícone, 2010.

VACHI, Fernando. Etapa cientifica: escola positiva e escolas intermediárias e teorias ambientais. A moderna criminologia cientifica e os diversos modelos teóricos. Modelo biológico, psicológico e sociológico.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso