Breve apontamento sobre o incidente de descondideração da personalidad jurídica.

A desconsideração da personalidade jurídica, tendo sido excessivamente debatida no meio jurídico, como meio de estender os efeitos das obrigações da sociedade empresária aos seus sócios e administradores.

A legislação brasileira, confere as pessoas jurídicas, existência distinta a de seus membros, individualizando seu patrimônio, conforme delimitação prevista no art. 49 do Código Civil. Desta forma, a sociedade mercantil é dotada de autonomia jurídica e patrimonial, e, portanto, não se confunde com seus sócios, associados, instituidores ou administradores. Tem-se, desta forma, a limitação da responsabilidade dos sócios e administradores visando a proteção patrimonial limitada aos recursos investidos na sociedade empresaria.

A autonomia conferida a pessoa jurídica, acaba por afastar a responsabilidade dos sócios, pelas obrigações contraídas em decorrente da atividade comercial, salvo quando configurado o abuso da personalidade jurídica, assim descrito no art. 50 do Código Civil.

A tipificação de hipóteses em que se autorizam a desconsideração da personalidade jurídica para atingir o patrimônio de sócios que dela dolosamente se prevaleceram para finalidades ilícitas, encontram-se disciplinadas pelo art. 50 do Código Civil.

Percebe-se que a redação do dispositivo, confere a extensão aos sócios a obrigação de responder pela pessoa jurídica quando configurado o dolo ou confusão patrimonial, uma vez comprovado o benefício do sócio ou administrador na utilização irregular do patrimônio da pessoa jurídica, com o intuito de lesar credores, permite-se a desconsideração da personalidade jurídica.

Embora o incidente de desconsideração da personalidade jurídica tenha previsão no Código Civil, o uso banalizado do instituto, trouxe a necessidade de adequação dos atos, passando a ser disciplinados pelo Código de Processo Civil, em capitulo especial que trata a desconsideração da personalidade jurídica como incidente que pode ser instaurado em qualquer fase do processo e deverá, obrigatoriamente, respeitar o contraditório e a ampla defesa.

Sendo a desconsideração da personalidade jurídica, é medida que se aplica visando coibir a fraude ou o abuso de poder, quando comprovado ato fraudulento dos sócios ou administradores, ressalte-se que tal instituto não deve ser utilizado tão somente porque a pessoa jurídica não tenha mais bens para satisfazer aos seus credores, visto que a desconsideração da personalidade jurídica, não dissolve a sociedade empresarial e, sim, permite que os sócios e administradores, mediante a comprovação de ato fraudulento, respondam pelo abuso de direito, onde o instituto da desconsideração da personalidade jurídica pode ser utilizado quando harmonizado com a lei.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso