Conceitos do crime de Genocídio.

-Primeiramente preciso é conhecer o conceito de genocídio que segundo Lemkin
(2005) é dirigido contra o grupo nacional como uma entidade, e as ações envolvidas são
dirigidas contra indivíduos, não em sua capacidade individual, mas como membros do
grupo nacional.
O Genocídio tem duas fases: uma de destruição do padrão nacional do grupo
oprimido; outra, da imposição do padrão nacional do opressor. Esta imposição, por sua
vez, pode ser feita sobre a população oprimida que é autorizada a permanecer, ou
somente sobre o território, após a remoção da população e a colonização da área por
nacionais do opressor (LEMKIN, 2005)
O Decreto n° 30.822/1952, positivou que entende-se por genocídio qualquer dos
seguintes atos, cometidos com a intenção de destruir no todo ou em parte, um grupo
nacional. étnico, racial ou religioso, como tal:


a) matar membros do grupo;


b) causar lesão grave à integridade física ou mental de membros do grupo;


c) submeter intencionalmente o grupo a condição de existência capazes de
ocasionar-lhe a destruição física total ou parcial;


d) adotar medidas destinadas a impedir os nascimentos no seio de grupo;


e) efetuar a transferência forçada de crianças do grupo para outro grupo.

Segundo a Lei nº 7.960/1989, em seu art. 1° ( Grifo Nosso):


I - quando imprescindível para as investigações do inquérito policial;
II - quando o indicado não tiver residência fixa ou não fornecer elementos
necessários ao esclarecimento de sua identidade;
III - quando houver fundadas razões, de acordo com qualquer prova
admitida na legislação penal, de autoria ou participação do indiciado nos
seguintes crimes:


a) homicídio doloso (art. 121, caput, e seu § 2°);


b) seqüestro ou cárcere privado (art. 148, caput, e seus §§ 1° e 2°);
c) roubo (art. 157, caput, e seus §§ 1°, 2° e 3°);


d) extorsão (art. 158, caput, e seus §§ 1° e 2°);


e) extorsão mediante seqüestro (art. 159, caput, e seus §§ 1°, 2° e 3°);


f) estupro (art. 213, caput, e sua combinação com o art. 223, caput, e parágrafo
único); (Vide Decreto-Lei nº 2.848, de 1940)


g) atentado violento ao pudor (art. 214, caput, e sua combinação com o art. 223,
caput, e parágrafo único); (Vide Decreto-Lei nº 2.848, de 1940)


h) rapto violento (art. 219, e sua combinação com o art. 223 caput, e parágrafo
único); (Vide Decreto-Lei nº 2.848, de 1940)


i) epidemia com resultado de morte (art. 267, § 1°);


j) envenenamento de água potável ou substância alimentícia ou medicinal
qualificado pela morte (art. 270, caput, combinado com art. 285);


l) quadrilha ou bando (art. 288), todos do Código Penal;


m) genocídio (arts. 1°, 2° e 3° da Lei n° 2.889, de 1° de outubro de 1956), em
qualquer de suas formas típicas;


n) tráfico de drogas (art. 12 da Lei n° 6.368, de 21 de outubro de 1976);


o) crimes contra o sistema financeiro (Lei n° 7.492, de 16 de junho de 1986).


p) crimes previstos na Lei de Terrorismo. (Incluído pela Lei nº 13.260, de 2016)

Os crimes tipificados dentro da prática do genocídio, os quais são positivados no art. 1º ( Grifo Nosso) :
a) matar membros do grupo;


b) causar lesão grave à integridade física ou mental de membros do grupo;


c) submeter intencionalmente o grupo a condições de existência capazes de
ocasionar-lhe a destruição física total ou parcial;


d) adotar medidas destinadas a impedir os nascimentos no seio do grupo;


e) efetuar a transferência forçada de crianças do grupo para outro grupo.


São as praticas relacionadas á um grupo de pessoas, por conta da sua raça, sua crença, sua etnia, como por exemplo, o crime que foi praticado por Adolf Hitler contra os judeus.Induzindo a visão de “inferioridade” do grupo que é alvo.

Nos crimes de genocídio temos:

-Sujeito Ativo: Quem praticou a figura típica;


- Sujeito Passivo: Quem teve seu direito ameaçado ( neste caso, o grupo que foi lesado
por conta de sua etnia, raça, e ou religião);

- Elemento Subjetivo: Temos que na prática de genocídio seja necessário o dolo, que é
caracterizado quando o agente possui a intenção de causar lesão ou prejuízo a outrem:

Ação Penal: De acordo com a Lei n° 2.899/1956 Será punido:
Com as penas do art. 121, § 2º, do Código Penal, no caso da letra a;
Com as penas do art. 129, § 2º, no caso da letra b;
Com as penas do art. 270, no caso da letra c;
Com as penas do art. 125, no caso da letra d;
Com as penas do art. 148, no caso da letra e;


Diante disso temos, de acordo com o Código Penal, que na prática do que descreve a letra “a”, a Pena seja: reclusão, de doze a trinta anos; na prática que descreve a letra “b”, a Pena seja: reclusão, de dois a oito anos; na prática que descreve a letra “c”, a Pena seja: detenção, de seis meses a dois anos; na prática do que descreve a letra “d”, a Pena seja: reclusão, de três a dez anos; em relação á pratica do que descreve a letra “e”, a Pena seja: reclusão, de um a três anos e reclusão, ou Pena: de dois a oito anos, que se remete aos incisos I a V, art.148.

Salienta-se também que cabe a expedição de Prisão Temporária:


Art. 2º Associarem-se mais de 3 (três) pessoas para prática dos crimes
mencionados no artigo anterior: (Vide Lei nº 7.960, de 1989)
Pena: Metade da cominada aos crimes ali previstos.


Art. 3º Incitar, direta e publicamente alguém a cometer qualquer dos crimes de
que trata o art. 1º: (Vide Lei nº 7.960, de 1989)
Pena: Metade das penas ali cominadas.


§ 1º A pena pelo crime de incitação será a mesma de crime incitado, se este se
consumar.
§ 2º A pena será aumentada de 1/3 (um terço), quando a incitação for cometida
pela imprensa.


Art. 4º A pena será agravada de 1/3 (um terço), no caso dos arts. 1º, 2º e 3º,
quando cometido o crime por governante ou funcionário público.


Art. 5º Será punida com 2/3 (dois terços) das respectivas penas a tentativa dos
crimes definidos nesta lei.

Em relação aos Crimes da Competência do Tribunal, expressa o art.5°:


1. A competência do Tribunal restringir-se-á aos crimes
mais graves, que afetam a comunidade internacional no seu
conjunto. Nos termos do presente Estatuto, o Tribunal terá
competência para julgar os seguintes crimes:


a) O crime de genocídio;


b) Crimes contra a humanidade;


c) Crimes de guerra;


d) O crime de agressão.


Temo que o crime de Genocídio, segundo Medeiros (2010) seja tipificado por
meio do art. 6° do Estatuto de Roma, assim positivado:


Para os efeitos do presente Estatuto, entende-se por "genocídio",
qualquer um dos atos que a seguir se enumeram, praticado com intenção de
destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso,
enquanto tal:


a) Homicídio de membros do grupo;


b) Ofensas graves à integridade física ou mental de membros do
grupo;


c) Sujeição intencional do grupo a condições de vida com vista a
provocar a sua destruição física, total ou parcial;


d) Imposição de medidas destinadas a impedir nascimentos no seio
do grupo;


e) Transferência, à força, de crianças do grupo para outro grupo.


Válido é ressaltar ainda que para tipificar o crime de genocídio seja necessária a
existência de 3 (três) elementos: grupo étnico, nacional, religioso ou racial, bem como a
conduta descrita e o desejo ( intenção) de lesionar e destruir um grupo, independente de
ser parcial ou total.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


BRASIL, CÓDIGO PENAL. 1940.


______, Decreto n. 30.822. Promulga a convenção para a prevenção e a repressão
do crime de Genocídio, concluída em Paris, a 11 de dezembro de 1948, por ocasião da
III Sessão da Assembléia Geral das Nações Unidas. 6 de Maio de 1952.


_______, Decreto n. 4.388. Promulga o Estatuto de Roma do Tribunal Penal
Internacional. Brasília, DF: Planalto, 25 set. 2002. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4388.htm> Acesso em: 28 de
setembro de 2021.


______, Lei n° 7.960/1989. Dispõe sobre a Prisão Temporária.
MASSON, Cleber. Direito penal esquematizado – Parte geral. v1. 8. Ed. Rio de
Janeiro: Forense; São Paulo: MÉTODO, 2014, p.307.


MEDEIROS, Ana Rosa de Brito. Análise sobre os crimes tipificados no Estatuto de
Roma e estudo sobre a ampliação da competência do Tribunal Penal Internacional

com relação ao crime organizado transnacional. 2010. Disponível em:
<http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=9882> Acesso em 28 de setembro de 2021.


NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Direito Penal - Parte geral/Parte
especial. 2° Edição, Editora RT, 2006.


___________, Manual de direito penal. 10. Ed. Rio de Janeiro: Forense, 2014.
P.209.




 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso