Medida de proteção extrajudicial conferida pelo Ministério Público de Pernambuco em favor de idosa com síndrome de Diógenes (COLECIONADORA DE LIXO).

O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, por sua Representante infra-assinada, titular da 30ª Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital, com atuação na Promoção e Defesa dos Direitos Humanos da Pessoa Idosa, no uso de suas atribuições constitucionais e legais – especialmente com fulcro nos arts. 129, VI, e 230 da Constituição Federal e artigo 45 do Estatuto do Idoso;

CONSIDERANDO que tramita na 30ª Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital o Inquérito Civil de nº. -30, o qual trata da situação de vulnerabilidade social e deficiência no auto cuidado em que se encontra a idosa D, de 76 (setenta e seis) anos de idade, residente na Rua , S/N, Beco da , Afogados, Recife/PE;

CONSIDERANDO o Parecer Social /2012, elaborado pela assistente social lotada nesta Promotoria de Justiça, Karla Bandeira, que, em visita domiciliar à idosa, foi informada do falecimento do Sr. J, pessoa que auxiliava a idosa em seus cuidados;

CONSIDERANDO que, em referido Parecer Social, consta que a Srª. D demonstrou confusão mental, além disso estava com aspecto sujo, aparentando estar sem tomar banho há muito tempo, porém, quanto ao ponto de vista físico, aparentemente estava independente. Em relação à residência, esta exalava um mau cheiro forte, que segundo as vizinhas, provavelmente vem de ratos mortos;

CONSIDERANDO que ainda de acordo com o mencionado Parecer, a Srª. D se encontra vivendo no lixo, sem renda, sem receber visita do serviço de saúde, e dependendo dos vizinhos para se alimentar;

CONSIDERANDO que ainda não foi cumprida a Medida de Proteção expedida por esta Promotora de Justiça em 13 de agosto de 2012, bem como em face de, nesta data, haver sido realizada audiência com a Sra. A, Gerente de Atenção à Saúde do Idoso, esclarecendo todos os trâmites do inquérito civil relativo à Sra. D;                                                         

RESOLVE aplicar a presente MEDIDA DE PROTEÇÃO em favor da idosa D, REQUISITANDO-SE:

1) Seja oficiada à Gerência de Saúde da Pessoa Idosa e ao Distrito Sanitário V, a fim de que retirem a idosa de sua residência e efetuem sua internação hospitalar para que realize todos os atendimentos de saúde convenientes, no prazo de 15(quinze) dias, salientando-se da necessidade de que seja assegurada a integridade física e psicológica da idosa, sendo que, para tanto, a equipe de saúde poderá utilizar-se de procedimento do campo da medicina que considere seguro para efetuar a medida, como, por exemplo, a utilização de sedativos;

2)  Seja oficiada à Secretaria Municipal de Assistência Social do Recife a fim de que a Equipe do CRAS V acompanhe a retirada e a internação da idosa;

3) Seja oficiada à Vigilância Ambiental, para que realize dedetização do imóvel e providências que entender cabíveis no âmbito de suas atribuições, no prazo de 15(quinze) dias;

4) Seja oficiada à EMLURB, a fim de que seja realizada limpeza e remoção do lixo da residência da idosa, no prazo de 15 (quinze) dias;

5) Seja oficiado ao CRAS para que, após a intervenção da saúde, assessorar a idosa, no intuito de ser assegurado o recebimento do Benefício de Prestação Continuada, compatível com seu perfil;

6) Seja oficiado, após recebimento de informação da realização da dedetização, limpeza e remoção do lixo do imóvel, à CODECIR com a finalidade de ser efetuada uma vistoria no imóvel da idosa, tendo em vista um possível retorno à sua residência;

7)Com as respostas, seja concluso para análise.

Cumpra-se.

Recife, 24 de setembro de 2012.

Luciana Maciel Dantas Figueiredo    Promotora de Justiça


Autor

  • Luciana Maciel Dantas Figueiredo

    Membro do Ministério Público de Pernambuco com a atuação na Promotoria de Justiça de Cidadania da Pessoa Idosa, especialista em Gestão do Ministério Público. Professora Visitante da Escola do Estatuto da Pessoa Idosa - NAISCI - HOOC - Universidade de Pernambuco. Foi, em 2013, Professora Visitante (Docente Externa) da Pós-Graduação em Gerontologia Social da UFPE.

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria