Do exame da legislação pertinente à espécie constata-se que aquela atividade mesmo que constante de códigos da Tabela não sofre a incidência da aludida taxa de TFS, por não ser pertinente à saúde pública.

                 COBRANÇA DA TAXA DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA – TFS                        

                                               Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas

                                      A Gerência de Tributos Mobiliários – GETM do Município de Belo Horizonte noticiou que enviaria aos contribuintes notificações de cobrança das taxas mobiliárias, notadamente a TFS – TAXA DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA. Veja-se a nota divulgada:                                    

Regularidade de Recolhimento das taxas mobiliárias

A Secretaria Municipal de Finanças – SMF, por meio da Gerência de Tributos Mobiliários – GETM, esclarece que na semana de 13 a 17 de julho de 2015 iniciará o envio de notificações de cobrança aos contribuintes que não efetuaram, ou efetuaram a menor, o recolhimento das taxas (TFLF, TFS e TFEP) e dos valores devidos pelos profissionais autônomos referentes ao exercício de 2015.

No entanto, mesmo antes do recebimento da notificação de cobrança a regularização poderá ser providenciada, emitindo-se as guias no endereço eletrônico

http://issqnonline.siatu.pbh.gov.br/IssqnOnline/indexGuia.xhtml​ O recebimento da notificação não obrigará a apresentação de nenhum documento ao Fisco Municipal, tendo como objetivo somente alertar e cobrar o recolhimento dos valores devidos e ainda não quitados, evitando assim um acréscimo ainda maior nos juros e multas já devidos. Uma vez efetuado o recolhimento, o Sistema Eletrônico providenciará a quitação do débito. 

Fonte: SMF – Secretaria Municipal de Finanças, SMAAR – Secretaria Municipal Adjunta de Arrecadação, GETM – Gerência de Tributos Mobiliários.                    

                                     As cobranças tomam por base, no caso de atividades, os códigos quem constam da Tabela de atividades CNAE-FISCAL com incidência da TFS, no site aqui transcrito:

Fonte: http://www.fazenda.pbh.gov.br/taxas/tabelaTFSCNAE.asp

                                     Acontece que nem todas as atividades constantes dessa lista são passíveis de incidência da TFS, porque são atividades que não estão ligadas a atividades pertinentes à saúde pública, objeto do fato gerador dessa taxa, como por exemplo, treinamento em informática, curso de pilotagem e outras atividades constantes dessa exaustiva lista e que não estão, como as aqui citadas, ligadas à saúde pública e não passíveis, portanto, da incidência da TFS.

                                     Assim, a atividade de per si não implica na incidência da TFS, desde que inexista o fato gerador que dá origem à aludida taxa, caso idêntico ao da presente cobrança.

                                     As atividades comerciais que colocam em risco a saúde da população requerem a atuação do poder de público, que atua através da Vigilância Sanitária, cujas atividades de controle são possibilitadas pelos recursos gerados pela Taxa de Fiscalização Sanitária (TFS).

                                      A TFS é cobrada para que o município exerça o poder de polícia sobre locais e instalações onde são fabricados, produzidos, manipulados, acondicionados, conservados, depositados, armazenados, transportados, distribuídos, vendidos ou consumidos alimentos, bem como o exercício de outras atividades pertinentes à saúde pública. 

                                      O contribuinte dessa taxa é a pessoa física ou jurídica, titular de produto, de embalagem, de utensílio, de equipamento, de atividade, de unidade ou de estabelecimento sujeito à fiscalização sanitária prevista no art. 26, Lei 5.641/1989.

                                      Reza o citado art. 26, da Lei 5.641/1989, com nova redação dada pelo art. 10 da Lei nº 7.774, de 16/07/99:

Art. 26 – A Taxa de Fiscalização Sanitária, fundada no poder de polícia do Município, concernente ao controle da saúde pública e bem-estar da população, tem como fato gerador a fiscalização por ele exercida sobre produto, embalagem, utensílio, equipamento, serviço, atividade, unidade e estabelecimento pertinentes à saúde pública municipal, em observância às normas sanitárias vigentes.

O Art. 28 da referida norma diz:

Art. 28 – Contribuinte da Taxa de Fiscalização Sanitária é a pessoa física ou jurídica, titular de produto, de embalagem, de utensílio, de equipamento, de atividade, de unidade ou de estabelecimento sujeito à fiscalização sanitária prevista no art. 26.

                 Do exame da legislação pertinente à espécie constata-se que a aquela atividade mesmo que constante de códigos mencionados na dita Tabela não sofre a incidência da aludida taxa de TFS, por não ser pertinente à saúde pública, inexistindo, por conseguinte o fato gerador da malfadada exação.

                                     De modo que, sendo indevida a aludida cobrança pela Gerência de Tributos Mobiliários da Secretaria Municipal de Finanças, cabe à Pessoa Jurídica/Contribuinte impugnar a irregular cobrança, via requerimento àquela Gerência, posto que em se tratando de taxa integrante do Sistema Tributário Nacional admite-se como notificação a própria remessa do carnê de pagamento do tributo, nesse caso específico.

                                  Assim, a nossa orientação é no sentido de que seja remetido um requerimento àquela Gerência impugnando a referida cobrança da TFS, por indevida, com pedido de cancelamento.

                              Segue, por conseguinte, a minuta de tal Requerimento                 

À

GERÊNCIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS

DA SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS

DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE – MG.

Rua Espírito Santo, 605 – Centro

30160-030 – BELO HORIZONTE – MG.

                                   REQUERIMENTO DE CANCELAMENTO DA TFS

Ref.: COBRANÇA INDEVIDA DA TAXA DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA – TFS

                                        REQUERENTE X, com sede na Av. ...................., nº 372, em Belo Horizonte - MG, inscrita no C.N.P.J sob o nº .............., vem apresentar a presente IMPUGNAÇÃO à cobrança indevida da TAXA DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA – TFS, recebida via boletos de cobrança pertinentes aos exercícios de ........... a ........, pelos motivos fáticos e de direito que passa a expor:

I – DOS FATOS E DO DIREITO:

  Essa atividade código nº ...................... constante do boleto/guia de cobrança da TFS está prevista na Tabela de atividades CNAE-FISCAL com incidência da TFS.

Fonte: http://www.fazenda.pbh.gov.br/taxas/tabelaTFSCNAE.asp

                                     Acontece que nem todas as atividades constantes dessa lista são passíveis de incidência da TFS, porque são atividades que não estão ligadas a atividades pertinentes à saúde pública, objeto do fato gerador dessa taxa, como por exemplo, treinamento em informática, curso de pilotagem e outras atividades constantes dessa exaustiva lista e que não estão, como as aqui citadas, ligadas à saúde pública e não são passíveis, portanto, da incidência da TFS.

                                     Assim, a atividade de per si não implica na incidência da TFS, desde que inexista o fato gerador que dá origem à aludida taxa, caso idêntico ao da presente cobrança.

                                     As atividades comerciais que colocam em risco a saúde da população requerem a atuação do poder de público, que atua através da Vigilância Sanitária, cujas atividades de controle são possibilitadas pelos recursos gerados pela Taxa de Fiscalização Sanitária (TFS).

                                      A TFS é cobrada para que o município exerça o poder de polícia sobre locais e instalações onde são fabricados, produzidos, manipulados, acondicionados, conservados, depositados, armazenados, transportados, distribuídos, vendidos ou consumidos alimentos, bem como o exercício de outras atividades pertinentes à saúde pública. 

                                      O contribuinte dessa taxa é a pessoa física ou jurídica, titular de produto, de embalagem, de utensílio, de equipamento, de atividade, de unidade ou de estabelecimento sujeito à fiscalização sanitária prevista no art. 26, Lei 5.641/1989.

                                      Reza o citado art. 26, da Lei 5.641/1989, com nova redação dada pelo art. 10 da Lei nº 7.774, de 16/07/99:

Art. 26 – A Taxa de Fiscalização Sanitária, fundada no poder de polícia do Município, concernente ao controle da saúde pública e bem-estar da população, tem como fato gerador a fiscalização por ele exercida sobre produto, embalagem, utensílio, equipamento, serviço, atividade, unidade e estabelecimento pertinentes à saúde pública municipal, em observância às normas sanitárias vigentes.

O Art. 28 da referida norma diz:

Art. 28 – Contribuinte da Taxa de Fiscalização Sanitária é a pessoa física ou jurídica, titular de produto, de embalagem, de utensílio, de equipamento, de atividade, de unidade ou de estabelecimento sujeito à fiscalização sanitária prevista no art. 26.

                                     Do exame da legislação pertinente à espécie constata-se que a Empresa não é contribuinte dessa taxa, porque a atividade que desenvolve, constante do código mencionado na Guia de cobrança enviada pela PBH não sofre a incidência da aludida taxa de TFS, por não ser pertinente à saúde pública, inexistindo, por conseguinte o fato gerador da malfadada exação.

                                     De modo que, sendo indevida a aludida cobrança pela Gerência de Tributos Mobiliários da Secretaria Municipal de Finanças, cabe à Entidade-Requerente impugnar a irregular cobrança, posto que em se tratando de taxa integrante do Sistema Tributário Nacional admite-se como notificação a própria remessa do carnê de pagamento do tributo, nesse caso específico.

II – DO PEDIDO

                                     Face ao exposto, requer o cancelamento da referida cobrança, por indevida, visto que inexiste o fato gerador de tal taxa TFS, uma vez que a atividade enquadrada não é como visto pertinente à saúde pública e a Empresa-Requerente, por natureza não se sujeita às normas de vigilância sanitária, para o desenvolvimento de suas atividades.

                                            Nestes Termos,

                                            Pede e Espera Deferimento,

                                            Belo Horizonte,

                                            EMPRESA - REQUERENTE


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso