Trata-se de um modelo simples, mas atualizado com o novo Código de Processo Civil.

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(ÍZA) DE DIREITO DA COMARCA DE ESMERALDAS/MG

JOANA D’ARC, brasileira, viúva, portadora da Carteira de Identidade nº RG /MG-111111, inscrita no CPF sob o nº 555.666.777-99, residente e domiciliado Rua xxxxx, Nº 55, Bairro Novo, Belo Horizonte/MG, por seu procurador infra-assinado, mandato anexo, vem à presença de V. Exa., nos termos da Lei nº 6.858 de 24 de novembro de 1980 e art. 666 do Novo Código de Processo Civil, apresentar o presente pedido de ALVARÁ JUDICIAL, em razão das justificativas de ordem fática e de direito abaixo delineadas:

GRATUIDADE DA JUSTIÇA

 

INICIALMENTE, a requerente afirma sob as penas da Lei e de acordo com a Lei nº 1.060/50, ser juridicamente necessitada, não tendo condições financeiras para arcar com as despesas de custas processuais e honorários advocatícios, sem prejuízo do próprio sustento ou de sua família, sendo, portanto, beneficiária da gratuidade de justiça.

 

DOS FATOS E FUNDAMENTOS


            A Requerente casou-se civilmente com João de Barros (CPF 444.555.888-10 / PIS 122.2222.02.2), falecido em 04/01/2017 (certidões anexas).

Ocorre que o de cujus deixou uma pequena quantia em dinheiro, proveniente do PIS e do FGTS depositados na Caixa Econômica Federal.


             Com efeito, a Lei nº 6.858/80 dispõe sobre o pagamento aos dependentes ou sucessores de valores não recebidos em vida pelos respectivos titulares, conforme exposto no artigo 1º:

 

 Art. 1º. Os valores devidos pelos empregadores aos empregados e os montantes das contas individuais do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e do Fundo de Participação PIS-PASEP, não recebidos em vida pelos respectivos titulares, serão pagos, em quotas iguais, aos dependentes habilitados perante a Previdência Social ou na forma da legislação específica dos servidores civis e militares, e, na sua falta, aos sucessores previstos na lei civil, indicados em alvará judicial, independentemente de inventário ou arrolamento.

 

Cumpre-nos salientar ainda, que não há necessidade de abertura de inventário para que a Requerente seja autorizada a levantar a quantia ora depositada, consoante dispõe o artigo 666 do Novo Código de Processo Civilin verbis:

 

Art. 666. Independerá de inventário ou de arrolamento o pagamento dos valores previstos na Lei nº 6.858, de 24 de novembro de 1980.


              Destarte, a Requerente, sendo única herdeira do de cujus e não havendo dependentes habilitados perante a Previdência Social, conforme certidão de inexistência de dependentes fornecida pelo INSS (doc. anexo), faz jus ao recebimento da modesta quantia, mediante alvará judicial. 

 

DOS PEDIDOS E REQUERIMENTOS

 

Diante do exposto, pede a Vossa Excelência que seja concedido o ALVARÁ JUDICIAL, autorizando a liberação dos valores do PIS e do FGTS depositados na Caixa Econômica Federal, em nome de JOÃO DE BARROS, permitindo à Requerente o saque tais valores.

Para tanto, requer:

a)     a produção de todas as provas a admitidas em Direito, notadamente, depoimento pessoal da requerente, juntada ulterior de documentos, bem como, quaisquer outras providências necessárias à perfeita resolução do pleito.

b)     o benefício da justiça gratuita por se tratar de pessoa pobre na acepção do termo, conforme cópia anexa da CTPS da Requerente.

Dá-se à causa o valor de (valor do FGTS depositado)


Nestes termos, pede deferimento.
       
Esmeraldas, 20 de janeiro de 2017.

Wanderson Lima Vieira

OAB/MG-170.381


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria