Trata-se de modelo de Recurso Ordinário Adesivo da reclamada, em face de Recurso Ordinário interposto pelo reclamante.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DO TRABALHO DA PRIMEIRA VARA DE FLORIANÓPOLIS/SC

 Processo n. ________________

LOJAS ... Ltda, doravante reclamada, aqui representada por seu advogado, já qualificado nos autos, em que discute com JONAS..., doravante reclamante, a sentença às fls..., vem, pelas razões abaixo expostas, no prazo legal, conforme autoriza o art. 769 da CLT e o art. 997 do CPC, apresentar este RECURSO ORDINÁRIO ADESIVO, solicitando que Vossa Excelência o admita e encaminhe ao Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região.

Nesses termos, pede deferimento. 

Florianópolis, 25 abril de 2017.

................AdvogadoOAB/...nº ...

EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO

Processo nº 0010101-20.2017.512.0001

Recorrente: Lojas ... Ltda

Recorrido: Primeira Vara da Justiça do Trabalho em Florianópolis/SC

Razões de Recurso Adesivo

 Da tempestividade e cabimento do recurso

De acordo com os autos, em 18/4/2017 a reclamada foi intimada a se manifestar  sobre a interposição de recurso ordinário do reclamante, e protocolou este recurso adesivo em 25/4/2017, portanto dentro do prazo de 8 (oito) dias previstos no art. 997 do CPC. Tratando-se de sentença na qual houve sucumbência recíproca, cabível o recurso adesivo autorizado pelo art. 997 do CPC e pela Súmula nº 293 do TST.

Dos fatos

Avaliando o litígio, o Juízo singular reconheceu o vínculo empregatício entre reclamada e reclamante e condenou a reclamada ao pagamento das verbas rescisórias: 30 dias de aviso prévio; 7/12 de férias proporcionais acrescidas do 1/3 constitucional; 2/12 de 13º salário proporcional e da multa de 40% sobre o FGTS; multa prevista no art. 477, §8º, da CLT; e reflexos do valor pago a título de aluguel da motocicleta em aviso prévio, férias proporcionais acrescidas do 1/3 constitucional, 13º proporcional e multa de 40% sobre o FGTS.

Embora a reclamada tenha optado por não contestar a sentença, em 18/4/2017 foi intimada a se manifestar acerca de Recurso Ordinário interposto pelo reclamante, pleiteando a revisão da decisão no tocante ao pagamento de horas extras e adicional de periculosidade, que o Juízo singular considerou improcedentes. Por isso, considerando que o julgamento do Tribunal Regional do Trabalho na 12ª Região pode ampliar a condenação, presta-se este Recurso à tentativa de rever a decisão singular, escorado nas razões de direito a seguir expostas.


Do direito 

Das preliminares

Do cerceamento de defesa

Durante a audiência de instrução, a reclamada requereu a oitiva de segunda testemunha, mas o magistrado indeferiu. Naquela ocasião, a reclamada protestava em face da decisão, evitando, assim, a preclusão temporal. A figura do protesto no Direito Processual do Trabalho tem justamente a finalidade de evitar a preclusão, sobretudo diante de decisões interlocutórias, vez que estas não são passíveis de recurso imediato no Direito Processual do Trabalho.

Sendo assim, a ausência da oitiva da testemunha  cerceou o direito de defesa da reclamada, pois ela esclareceria os fatos indevidamente apresentados pelo reclamante. Nesse passo, violou-se o princípio de ampla defesa, com a envergadura constitucional que lhe deu o art. 5º, LV, da CF/88, devendo-se declarar nula a sentença e reabrir a instrução para que se produza a prova cerceada.

Do mérito

Do reconhecimento do vínculo empregatício

A sentença julgou procedente o pedido de reconhecimento do vínculo empregatício, deferindo ao reclamante todos os direitos trabalhistas inerentes à relação de emprego. Ela aduziu que no caso concreto estão presentes os requisitos necessários para a configuração deste vínculo, ou seja, a pessoalidade, a subordinação, a onerosidade e a não eventualidade.

Todavia, o art. 2º da CLT considera empregador a empresa que assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviço, enquanto o art. 3º da CLT define como empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário.

No presente caso, inexistem os vínculos previstos nos referidos dispositivos legais entre as partes, senão vejamos:

a. O reclamante não precisava comparecer na reclamada todos os dias, podendo enviar um colega para a montagem dos móveis na casa dos clientes;

b. O valor de R$ 20,00 (vinte reais) por cliente visitado foi fixado pelo reclamante;

c. O reclamante poderia recusar visitar um cliente, o que ocorria sobretudo quando ele estava em local distante;

d. Nenhum funcionário da reclamada fiscalizava o trabalho do reclamante;

e. No período em que pleiteia o vínculo empregatício, o reclamante também realizava os mesmos serviços para uma loja concorrente.

Portanto, resta demonstrado que as condições previstas nos arts. 2 e 3 da CLT para configuração do vínculo empregatício entre as partes não estão presentes, razão pela qual há que se reconhecer sua inexistência.

Da multa do art. 477, §8º, da CLT

A sentença também reconheceu o direito do reclamante à multa do art. 477, § 8º, da CLT, ao fundamento de que o reconhecimento judicial do vínculo empregatício acarreta o seu pagamento. Entretanto, considerando a demonstrada inexistência de vínculo empregatício entre as partes, a multa em questão queda-se improcedente, até porque, a previsão legal diz respeito à mora no pagamento das verbas rescisórias, atraso este inexistente no caso em análise, haja vista que não há vínculo de emprego.

Da natureza jurídica dos valores pagos a título de aluguel da motocicleta

A decisão de primeiro grau foi no sentido de que o valor de R$ 1.500,00 mensais pagos pelo aluguel da motocicleta e para cobrir os gastos com combustível, manutenção e seguro da motocicleta, ultrapassa o limite estabelecido no art. 457, § 2º, da CLT, razão pela qual a referida quantia é salário para todos os fins de direito.

A reclamada discorda que seja possível aplicar analogicamente a este caso o disposto no art. 457, § 2º, da CLT, no sentido de que se presume como salário a parcela paga que ultrapassar 50% do salário recebido pelo trabalhador. Isso porque, os R$ 1.500,00 mensais serviam para custear o aluguel da motocicleta, assim como os gastos com combustível, manutenção e seguro, além de cobrir a depreciação do veículo, tendo, assim, natureza indenizatória, ou seja, para ressarcir o patrimônio do reclamante, e não como contraprestação pelos serviços prestados.

Essa linha de entendimento foi adotada pelo TRT/MG, no julgamento do processo nº 0000060-48.2012.5.03.0129 RO, em 18/02/2004, no qual o relator compreendeu que o critério objetivo expresso no § 2º do artigo 457 da CLT (acima de 50%) não é absoluto quando se considera que a Instrução Normativa nº 8/1991 do MTE, prevê que "não serão consideradas de natureza salarial as diárias de viagem quando sujeitas à prestação de contas, mesmo se o total dos gastos efetivamente incorridos excederem a 50% do salário do empregado, no mês respectivo".


Dos pedidos

Diante do exposto, requer que:

a. Este Recurso Adesivo seja admitido;

b. Seja revista na íntegra a respeitável decisão do Juízo singular, para reconhecer procedentes os direitos e argumentos da reclamada acima apresentados.

Termos em que pede provimento.

Florianópolis, 25 de abril de 2017.

Advogado

OAB/... n° ...


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria