Trata de ação de indenização por danos morais, causado por cobrança vexatória

EXECLENTISSIMO SENHOR DOUTOR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DO __ JUIZADO ESPECIAL CIVEL DA COMARCA DE XXXXX.

XXXXXX, nacionalidade, estado civil, fiscal profissão portador(a) do RG: xxxxxxx e CPF: xxxxxxxxxxxxxxx, residente e domiciliado(a) xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, CEP xxxxxxx, e endereço eletrônico email, neste ato representado, por seu advogado(a) e bastante procurador(a) conforme instrumento de mandato anexo, nos termos do artigos 103 e 104 do Código de Processo Civil. Residente e domiciliado a xxxxxxxxx, e endereço eletrônico xxxxxxxxx onde recebe intimações de estilo, vem com o devido respeito a presença de Vossa Excelência com fundamento no artigo 186, 187 e 927 do Código de Civil, propor a presente:

AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR COBRANÇA INDEVIDA, C/C INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS

Em face de. xxxxxxxx, residente e domiciliado a xxxxxxxx CEP xxxx, pelos fatos e motivos que passa a expor.

I – DOS FATOS

O requerente comprou do requerido algumas roupas, que o mesmo traz dos Estados Unidos para vender no Brasil, sendo o total da compra no valor de R$ xxxx (xxxxx).

A compra fora feita por meio de uma promissória a qual o requerente assinou.

Após esta compra o requerente passou algumas quantias ao requerido sem no entanto, pegar recibos devido a sua crença na boa fé e organização do requerido que utiliza da pratica de forma comercial.

Ocorre que o requerido encontrou o requerente na academia XXXX, onde o requerente praticava atividades físicas, ocasião em que o requerido passou a cobrar o valor do requerente, ainda em local inapropriado, e em meio aos demais freqüentadores do local, do que fora advertido pelo requerente que afirmou ter conhecimento da divida, no entanto o questionou quanto ao valor, pois já havia passado alguns valores ao requerente.

Ademais o requerido alertou o requerente que o local não era apropriado para tal assunto, mas que o requerido poderia procurá-lo em sua residência, ou local apropriado.

Todavia não obstante as advertências feita pelo requerente, o requerido voltou a procurar o requerente dias depois, na data XXXX de forma exaltada, na mesma academia, ameaçando levá-lo as barras da justiça, e assim executar a divida, o requerido de forma áspera insultou o requerente em público na frente dos demais freqüentadores do local, o acusando de não honrar seus compromissos, e não pagar a referida divida, dizendo que por tal motivo o levaria a justiça.

Tal atitude muito constrangeu o requerente, que desistiu de freqüentar o lugar, devido ao constrangimento experimentado pelo ato realizado pelo requerido.

II DO DIREITO

A pretensão da requerente é fundamentada no art. 186, 187 e 927, do código civil e art. 42 do Código de defesa do Consumidor que trazem o seguinte texto.

Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. (grifo nosso)

Observe Excelência que o dano não necessita ser exclusivamente material para gerar indenização, podendo ser esta gerado pelo dano causado na moral, isto é aquele dano que fere a dignidade e honra da pessoa ofendida, o que fora demonstrado no caso narrado, haja vista que ao cobrar de forma vexatória o requerido expôs o requerente ao ridículo, o que fere inclusive o artigo 42 do Código de Defesa do Consumidor.

Art. 42(CDC). Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto ao ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça.(grifo nosso)

Ademais a atitude do requerido extrapola seus direitos pois muito embora possuísse direito de cobrar o requerente, tal atitude deveria observar os princípios da boa-fé e dos bons costumes, conforme norteia o artigo 187 do Código Civil, transcrito abaixo:

Art. 187. Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes.

Diante disso é notório o dever de indenizar, uma vez que o requerido, agiu de forma ilícita, ao cobrar em público e de forma vexatória o requerente.

Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a reparálo.

Neste diapasão resta claro o direito pretendido pelo requerente uma vez que este fora cobrado de forma injusta e vexatória.

Sendo assim por força de lei fica o requerido obrigado a deve indenizar o dano sofrido pelo requerente.

III DO PEDIDO

Isto posto requer:

1º O cancelamento da divida, haja vista que o requerido cobrou de forma indevida o requerente causando dano a sua imagem.

2º A aplicação da penalidade prevista no artigo 42 parágrafo único do Código de defesa do consumidor que prevê o dobro do valor pago como indenização ao consumidor, totalizando portanto R$ xxxx (xxxxx), acrescido de honorários advocatícios no valor de 20% (R$ xxxxx).

3º A condenação do requerido em danos morais no valor de R$ xxxxx.

4º Protesta por todos os meios de provas em direito admitidas.

Da se a causa o valor de R$ xxxxx, para efeitos fiscais

Isto posto pede e espera deferimento.

Local e data

______________________________________________

advogado

OAB



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0