AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS POR FURTO DE MOTOCICLETA EM ESTACIONAMENTOS DE LOJAS, SUPERMERCADOS, SHOPPING, ETC.

EXMO(A) SR(A) DR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DA ___ª UNIDADE DO JUIZADO ESPECIAL CIVEL E CRIMINAL DE ...

 

Ação de indenização por danos materiais e morais. Furto de motocicleta em estacionamento de supermercado. Se a pessoa é furtada em locais como esse, verifica-se a violação de uma legítima expectativa do consumidor, que imagina que estará seguro freqüentando o ambiente. Aplicação da teoria do risco (risco-proveito). Responsabilidade civil objetiva. Súmula 130 do STJ.

 

Fulano de TAl, nacionalidade, estado civil, profissão, portador do RG nº, órgão expedidor, CPF nº , residente e domiciliado na Rua , nº , bairro, CEP. , Cidade-UF, por sua advogada que a esta subscreve, vem à elevada presença de Vossa Excelência, propor a presente

 

AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS

em face de SUPERMERCADO TAL, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob o nº , com endereço na Av. , nº , Bairro , Cidade-UF, CEP , pelas razões de fato e de direito adiante aduzidos:

1. DA JUSTIÇA GRATUITA

Declara o Autor que não dispõe de meios para pagar despesas processuais sem prejuízo do sustento próprio e de sua família, pelo que roga a Vossa Excelência a concessão dos benefícios da Gratuidade da Justiça, nos termos do art. 98 e seguintes, do Código de Processo Civil. 

 

2. DA AUDIENCIA DE CONCILIAÇÃO

Em razão da natureza do direito e demonstrando espírito conciliador, a par das inúmeras tentativas de resolver amigavelmente a questão, o Autor desde já, nos termos do art. 319, Inciso VII, do Código de Processo Civil, manifesta interesse em autocomposição, aguardando a designação de audiência de conciliação.

 

3. DOS FATOS

No dia 01/11/2017 o Autor foi vítima de furto de sua motocicleta no estacionamento do (nome do estabelecimento), quando realizava compras no interior da loja.

Após finalizar suas compras (comprovante anexado) retornou ao estacionamento e teve a infeliz surpresa de que sua moto Honda CG 125 FAN, ANO 2006, de placa XXXXX não se encontrava no local.

No mesmo instante contatou ao funcionário do supermercado Sr. Fernando e o mesmo providenciou o preenchimento de um formulário e cópias de documentos pessoais do Autor para segundo ele, enviar ao setor responsável por apurar o ocorrido (cópias anexadas).

O Autor ao se retirar do local foi direto à Delegacia do XXº Distrito Policial para fazer o Boletim de Ocorrências Nº XXXXXXX/XXXX (B.O. anexado).

Além do abalo emocional por ter sido furtado, o aludido crime gerou ao Autor um prejuízo material de R$ 4.950,00 (quatro mil novecentos e cinquenta reais), valor que pagou pelo veículo.

Importante mencionar que o estacionamento do Promovido possui câmeras de segurança dispostas em locais estratégicos, de modo que, certamente, a ação delituosa foi filmada por esses equipamentos, no entanto, o Promovido se negou a fornecer tais gravações. 

Posteriormente, o Autor recebeu algumas ligações de prepostos do Promovido e na oportunidade requereu o ressarcimento do prejuízo. Porém, até hoje nada foi resolvido.

Ressalte-se que o acesso de motocicletas ao estacionamento do Promovido é livre, ou seja, há acesso ao estacionamento do supermercado sem a exigência de controle de entrada e saída de motos por meio de tickets de estacionamento, o que as torna mais vulneráveis à ação de bandidos.

Acrescente-se que no estacionamento da loja, o local reservado às motocicletas é um lugar com pouca iluminação e isolado dos demais veículos, longe da movimentação de pessoas e ao que parece, monitorado por câmaras.

De fato Excelência resta evidente que o Promovido não pretende ressarcir espontaneamente os prejuízos causados ao cliente ora Autor.

Assim, pretende-se com a presente senda a reparação dos prejuízos sofridos por conta da insegurança presente no estacionamento do Réu, que resultou no furto de sua motocicleta e pelos danos morais decorrentes do abalo emocional sofrido pelo Autor.

4. DO DIREITO

 

4.1. DO RECONHECIMENTO DA FRAGILIDADE DO CONSUMIDOR

Primeiramente, além do princípio fundamental da dignidade da pessoa humana e do direito fundamental previsto no art. 5º, inciso X, da CRFB, consigna-se que, por se tratar de relação de consumo, incidem no caso as normas do Código de Defesa do Consumidor, vez que presentes os requisitos subjetivos (artigos 2º e da Lei 8078/90) e objetivos (artigo 3º, §§ 1º e 2º, do mesmo diploma legal) exigidos na lei consumerista para incidência de suas normas protetivas.

O legislador pátrio postou à mão do consumidor, reconhecidamente a parte frágil nas relações de consumo, os instrumentos necessários ao exercício de sua cidadania; e nas mãos dos julgadores o poder necessário à sua efetivação, ao editar a Lei 8.078/90.

Assim, vem requer, ab initio, o reconhecimento da vulnerabilidade do Autor, com a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, nos moldes do artigo 4º, inciso I e artigo 6º, inciso VIII, todos do CDC.

 

4.2. DO DIREITO À REPARAÇÃO POR DANOS MATERIAS E MORAIS

Quanto ao dano material, houve subtração em seu patrimônio, estando o direito do Autor amplamente protegido.  Tanto o Código Civil (art. 186 c/c art. 927) quanto o Código de Defesa do Consumidor (art. 6º, VI) prevêem a obrigação de indenizar.

A responsabilidade do Promovido pelo evento danoso é matéria pacificada em sede jurisprudencial ao ponto da edição da Súmula nº 130 do STJ. 

SÚMULA 130 - A EMPRESA RESPONDE, PERANTE O CLIENTE, PELA REPARAÇÃO DE DANO OU FURTO DE VEICULO OCORRIDOS EM SEU ESTACIONAMENTO.

É DEVER do fornecedor do local do estacionamento proteger o consumidor e seus bens. A respeito do tema, importante mencionar o trecho da decisão proferida no julgamento do REsp 1.269.691-PB, in verbis:

Tratando-se de relação de consumo, incumbe ao fornecedor do serviço e do local do estacionamento o dever de proteger a pessoa e os bens do consumidor. A sociedade empresária que forneça serviço de estacionamento aos seus clientes deve responder por furtos, roubos ou latrocínios ocorridos no interior do seu estabelecimento; pois, em troca dos benefícios financeiros indiretos decorrentes desse acréscimo de conforto aos consumidores, assume-se o dever – implícito na relação contratual – de lealdade e segurança, como aplicação concreta do princípio da confiança (REsp 1.269.691-PB, Rel. originária Min. Isabel Gallotti, Rel. para acórdão Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 21/11/2013; Informativo STJ nº: 0534). (Grifei)

Quando causado um prejuízo em razão do descumprimento de um dever jurídico, surge a obrigação de indenizar que tem por finalidade tornar indene o lesado, isto é, colocar a vítima na situação em que estaria sem a ocorrência do fato danoso.

Já o dano moral é inquestionável, haja vista o abalo sofrido em decorrência da insegurança do estacionamento.

Por se tratar de fenômenos intrínsecos à alma humana, que decorrem naturalmente de certas situações, a dor, o constrangimento e a angústia dispensam demonstração. De fato, revela-se desnecessário comprovar o que ordinariamente abala o equilíbrio psicológico e avilta a dignidade dos indivíduos.

Destarte, in casu o DANO MORAL existe in repisa, portanto, independe de prova, bastando, apenas, a comprovação do fato. Nesse sentido é a jurisprudência do STJ: Estando comprovado o fato não é preciso a prova do dano moral. (STJ, AGA 250722/SP, j. 19/11/1999, 3ª Turma, r. Carlos Alberto Menezes Direito, DJ 07/02/2000, p. 163).

Outra questão de suma importância é a fixação do quantum indenizatório a título de danos morais. O mestre e professor Caio Mario da Silva Pereira in “Responsabilidade Civil” p. 315, estabelece os requisitos do arbitramento do dano moral, provado o fato abusivo:

“(...) na reparação por dano moral estão conjugados dois motivos, ou duas concausas:  I – punição ao infrator pelo fato de haver ofendido um bem jurídico da vítima, posto que imaterial;  II – pôr nas mãos do ofendido uma soma que não é o pretium doloris, porém o meio de lhe oferecer oportunidade de conseguir uma satisfação de qualquer espécie, seja de ordem intelectual ou moral, seja mesmo de cunho material, (...)”

A indenização por danos morais é destinada à proteção dos direitos e garantias fundamentais dos cidadãos, e encontra na valoração da indenização o reflexo da eficácia da proteção que o Poder Judiciário oferece àqueles que têm seus espíritos violados por ato ilícito de terceiros.

Assim, o Autor entende como justa uma indenização no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais) pelos danos morais sofridos.

 

5. DOS PEDIDOS

Diante do exposto, se digne Vossa Excelência em:

a) conceder os benefícios da JUSTIÇA GRATUITA ao Autor, pelos motivos já exposto;

b) conceder a INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA, nos moldes entabulados pelo Código de Defesa do Consumidor;

c) Condenar o Réu ao pagamento de DANOS MATERIAIS no valor de R$ 4.950,00 (quatro mil novecentos e cinquenta reais);

d) Condenar o Réu ao pagamento de DANOS MORAIS no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais);

e) mandar citar o Réu para, querendo, responder a presente demanda, sob pena de revelia;

f) Condenar o Réu ao pagamento de custas e honorários advocatícios;

g) julgar a presente ação totalmente procedente.

Protesta provar o alegado por todos os meios de prova admitidos em direito, em especial prova documental e depoimento pessoal das partes.

Dá-se à causa o valor de R$ 14.950,00 (quatorze mil novecentos e cinquenta reais).

Nestes termos,

Pede e espera deferimento.

Cidade, data.

Advogado

OAB



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0