modelo Alvará Judicial saque de contas bancarias do falecido(a).

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA ____ VARA DE FAMÍLIA E SUCESSÕES DA COMARCA DE JUAZEIRO DO NORTE – CEARÁ

ALVARÁ JUDICIAL

Nome completo, brasileira, solteira, do lar, portadora do RG nº xxxxxxxxxxxxxxx SSPDS/CE, inscrita no CPF sob o nº xxxxxxxxx, residente e domiciliada à Rua xxxxxxx , nº 3, Bairro Pedrinhas, Juazeiro do Norte/CE, CEP: 63018-060, sem endereço eletrônico, telefone para contato: xxxxxxxxx e nome completo, brasileira, viúva, professora, portadora do RG n° xxxxxxxxxx SSPDS/CE, inscrita no CPF sob o n° xxxxxxxxxxxx, sem endereço eletrônico, telefone para contato: xxxxxxxxxxx residente e domiciliada à Rua xxxxxxxxxxxxxxxxxx, n° xx, Bairro São José, CEP: 63180-000, Juazeiro do Norte, CE, vêm, respeitosamente, por intermédio da Defensora Pública infra-assinada, perante Vossa Excelência, promover o seguinte ALVARÁ JUDICIAL, face às razões de fato e de direito a seguir articuladas e mediante as seguintes cláusulas e condições:

DA GRATUIDADE DA JUSTIÇA

O(s) autor(es) requer(em), inicialmente, os benefícios da Justiça Gratuita por ser(em) pobre(s) na forma da Lei, conforme declaração de hipossuficiência anexa, nos termos do art. 98 e seguintes do CPC/15. Não dispondo de numerário suficiente para arcar com taxas, emolumentos, depósitos judiciais, custas, honorários ou quaisquer outras cobranças dessa natureza sem prejuízo de sua própria subsistência e/ou de sua família, requer(em) a assistência da Defensoria Pública com fulcro no art. 185 do CPC/15, tudo consoante com o art. 5°, LXXIV, da Constituição Federal.

DA QUALIFICAÇÃO DAS PARTES

Tratando-se de assistida desta Defensoria Pública e, consequentemente, indivíduo econômica e juridicamente hipossuficiente e vulnerável, não possui endereço eletrônico, por essa razão, não informado esse dado, nos termos do que preconiza o art. 319, do CPC. Não obstante, de acordo com o disposto §2º e 3º do art. 319CPC, tais informações não podem ensejar a emenda, tampouco o indeferimento da inicial, sob pena de se restar configurado intransponível óbice ao acesso à justiça.

DAS PRERROGATIVAS DA DEFENSORIA PÚBLICA

Por oportuno, é válido esclarecer que, por se tratar de parte representada judicialmente pela Defensoria Pública Geral do Estado, possui as prerrogativas do prazo em dobro e da intimação pessoal do Defensor Público afeto à presente Vara, consoante inteligência do art. 5º, caput, da Lei Complementar Estadual nº 06, de 28 de maio de 1997.

O parágrafo único do supramencionado dispositivo legal, completa o mandamento acima esposado, ao dispor que “a Defensoria Pública, por seus Defensores, representará as partes em juízo e no exercício das funções institucionais independentemente de procuração, praticando todos os atos do procedimento e do processo, inclusive os recursais, ressalvados os casos para os quais a lei exija poderes especiais”. (grifos e aditados nossos).

 

DOS FATOS

As requerentes são filhas da falecida,  Nome completo, RG nº xxxxxxxxxxxxxx e CPF nº xxxxxxxxxxxxxque veio a óbito em 24/01/2014 conforme certidão de óbito anexa.

A falecida não deixou testamento, era solteira e deixou como herdeiras apenas as requerentes. E apesar de haver a observação “deixou bens” na Certidão de Óbito, a Sra. xxxxxxxxxxxxxx não deixou bens a inventariar conforme atestam as certidões dos Cartórios de Registro de imóveis anexas, cuja observação foi inserida por equívoco, pois o bem supracitado, foi comprado em vida, pela falecida, para a filha _________________, contudo, trata-se apenas de posse conforme escritura particular anexa.

A falecida deixou apenas valores no montante de R$ 2.021,88 (dois mil e vinte e um reais e oitenta e oito centavos), que se encontram depositados no Banco ____________, agência Nº xxxxx, conta Nº xxxxxxx, conforme demonstrativo anexo.

Ocorre, Excelência, que o autor, ao dirigir-se á agência Banco_______________, na tentativa de sacar tais valores, foi informado de que somente poderia fazê-lo mediante apresentação do competente ALVARÁ JUDICIAL, autorizando tal procedimento, razão pela qual vem perante este juízo requerer tal provimento. 

Assim, requer neste presente Alvará Judicial, a liberação dos valores em favor das requerentes.

DO DIREITO

A pretensão das autoras encontra respaldo no art. 1º, parágrafo único, inciso V do Decreto 85.845/81, que estabelece:

Art. 1º Os valores discriminados no parágrafo único deste artigo, não recebidos em vida pelos respectivos titulares, serão pagos, em quotas iguais, aos seus dependentes habilitados na forma do artigo 2º.

Parágrafo Único. O disposto neste Decreto aplica-se aos seguintes valores: (...)

V - saldos de contas bancárias, saldos de cadernetas de poupança e saldos de contas de fundos de investimento, desde que não ultrapassem o valor de 500 (quinhentas) Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional e não existam, na sucessão, outros bens sujeitos a inventário.[1]

O artigo 1.829 do Código Civil estabelece:

Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte:

I - aos descendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente, salvo se casado este com o falecido no regime da comunhão universal, ou no da separação obrigatória de bens (art. 1.640, parágrafo único); ou se, no regime da comunhão parcial, o autor da herança não houver deixado bens particulares;

II - aos ascendentes, em concorrência com o cônjuge;

III – ao cônjuge sobrevivente;

IV – aos colaterais.

O STJ-Superior Tribunal de Justiça entende que:

(…) em se tratando de pedido de expedição de alvará judicial requerido nos termos da Lei 6.858/80, ou seja, em decorrência do falecimento do titular da conta, inexiste lide a ser solucionada. Cuida-se, na verdade, de medida de jurisdição voluntária com vistas à mera autorização judicial para o levantamento, pelos sucessores do de cujus, de valores incontestes depositados em conta de titularidade de pessoa falecida "independente de inventário ou arrolamento”. (STJ. Processo: CC102854/SP. Relator (a): Ministro BENEDITO GONÇALVES (1142). Órgão Julgador: S1 - PRIMEIRA SEÇÃO. Data do Julgamento: 11/03/2009. Data da Publicação/Fonte: DJe 23/03/2009.)

DO RITO PROCESSUAL

Os artigos 720 e seguintes do Novo Código de Processo Civil (CPC/15) estabelecem:

Art. 720.  O procedimento terá início por provocação do interessado, do Ministério Público ou da Defensoria Pública, cabendo-lhes formular o pedido devidamente instruído com os documentos necessários e com a indicação da providência judicial.

Art. 721.  Serão citados todos os interessados, bem como intimado o Ministério Público, nos casos do art. 178, para que se manifestem, querendo, no prazo de 15 (quinze) dias.

Art. 722.  A Fazenda Pública será sempre ouvida nos casos em que tiver interesse.

Art. 723.  O juiz decidirá o pedido no prazo de 10 (dez) dias.

Parágrafo único.  O juiz não é obrigado a observar critério de legalidade estrita, podendo adotar em cada caso a solução que considerar mais conveniente ou oportuna.

Art. 724.  Da sentença caberá apelação.                                                     

Art. 725.  Processar-se-á na forma estabelecida nesta Seção o pedido de:

(…)

VII - expedição de alvará judicial;

Outrossim, deixa de requerer a intimação do Ministério Público, haja vista que o presente caso não alberga nenhuma das hipóteses previstas no art. 178 do CPC/2015. Igualmente, a parte autora não vislumbra qualquer interesse das Fazendas Públicas Federal, Estadual e Municipal, razão pela qual deixa de requerer a intimação dos referidos entes, no presente feito.

DO PEDIDO:

EX POSITIS, requerem a Vossa Excelência:

{C}1.  O recebimento da inicial com a qualificação apresentada, consoante o art. 319, inciso II, e §§2º e 3º do CPC/15;

{C}2.  O deferimento do pedido de justiça gratuita integral, conforme o caput do art. 98 e seus §§1º e 5º do CPC/15;

{C}3.  Ao final, o acolhimento do presente pedido, determinando-se a expedição de Alvará Judicial, autorizando as requerentes, _________________________e _________________ a sacarem junto ao BANCO COOPERATIVO SICRE o valor integral disponível na conta nº xxxxxx, agência nºxxxx, de titularidade de ________________________.

Protestam provar o alegado por todos os meios de provas admitidas em direito, especialmente juntada de documentos.

Dão à causa o valor de R$ 2.021,88 (dois mil e vinte e um reais e oitenta e oito centavos).

Nestes termos,

Pedem Deferimento.

Juazeiro do Norte/CE, 17 de junho de 2019.

 

Rennan Figueiredo T. Barreto                           Jose Mayke Gomes Martins

Estagiário NPJ – FAP                                            Estagiário NPJ – FAP



Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0