Modelo de petição para ação de USUCAPIÃO ESPECIAL URBANA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE (CIDADE) – ESTADO DO (UF)

AÇÃO DE USUCAPIÃO ESPECIAL URBANA

(NOME DO AUTOR), brasileira, divorciada, do lar, portadora da cédula de identidade nº XXXXXXXX XXX/(UF) e inscrita no CPF sob o nº XXXXXX-XX, residente e domiciliada à (ENDEREÇO), XX, (BAIRRO), CEP XXXXX-XXX, na cidade de (CIDADE) - (UF), por meio de seu advogado que ao final subscreve, vem perante Vossa Excelência, propor a presente AÇÃO DE USUCAPIÃO ESPECIAL URBANA, nos termos do art. 183 da Constituição Federal, art. 1.240 do Código Civil, art. 12 §2º e art. 14 da Lei nº 10.257/01, pelos motivos fáticos e de direito aduzidos abaixo:

DOS FATOS

A autora, (NOME), é possuidora de um imóvel urbano, situado na (ENDEREÇO). Há mais de 05 (cinco) anos, a requerente detém a posse de forma mansa, pacífica, ininterrupta do bem acima citado.

Referido bem foi adquirido pela autora e seu então cônjuge, Sr. XXXXXXX, há mais de cinco, a título oneroso, do Sr. XXXXXXX, entretanto, somente formalizaram a aquisição da posse em (DATA) (escritura particular de compra e venda anexa). Vale ressaltar que, na presente data a autora encontra-se separada de fato do seu cônjuge, tendo este declarado (documento anexo), que o bem não faz parte do acervo patrimonial do casal, já que adquirido antes do casamento.

No ânimo de dona, a autora construiu no imóvel (terreno urbano, vago, próprio para edificações) sua residência, está construída de tijolos e coberto com telhas, uma sala, dois quartos-(sala e um dos dois quartos, o revestimento é de reboco e pintada com tinta látex), um banheiro social-(sem revestimento), e cozinha, todo o piso no interior da casa é de cerâmica, e a fachada pintada com tinta látex, ás divisões internas são de alvenaria de tijolo furado, totalizando uma área construída de XXXm² (oitenta e oito metros e trinta e dois centímetros quadrados), e área do terreno XXXm2(cento e metros e noventa e dois centímetros quadrados), utilizando o bem para sua moradia.

O imóvel usucapiendo tem as seguintes confrontações:

Ao Norte: onde mede Xm(NUMERO POR EXTENSO) e se limita com XXXX;

Ao Sul: onde mede Xm(NUMERO POR EXTENSO) e se limita com XXXX;

Ao Leste: onde mede Xm(NUMERO POR EXTENSO) e se limita com XXXX;

Ao Oeste: onde mede Xm(NUMERO POR EXTENSO) e se limita com XXXX;

Vale ressalvar que, conforme consta nas certidões emitidas pelos Cartórios de Registro de Imóveis desta Comarca, verificou-se que não existe nenhum registro anterior referente ao imóvel descriminado (documento anexo).

Sabe-se ainda, douto Julgador, que a autora não é proprietária de nenhum outro imóvel urbano ou rural, conforme certidão negativa expedida pelos Cartórios de Registro de Imóveis desta Comarca.

DOS FUNDAMENTOS JURÍDICOS

A autora pretende obter o reconhecimento do seu direito à propriedade, em virtude do direito fundamental, previsto constitucionalmente no art. 5º, XXII.

Assim sendo, conforme art. 183, Constituição Federal e 1.240 do Código Civil, adquirirá a propriedade do imóvel, mediante usucapião especial aquele que preencher os requisitos fundamentais de: extensão do imóvel em até 250m², utilizar-se para fim de moradia por um período de cinco anos ininterruptamente e não ser proprietário de nenhum outro imóvel, seja urbano ou rural.

Art. 183-CF/88 - Aquele que possuir como sua área urbana de até duzentos e cinquenta metros quadrados, por cinco anos, ininterruptamente e sem oposição, utilizando-a para sua moradia ou de sua família, adquirir-lhe-á o domínio, desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural.

Art. 1.240 – CC/02 - Aquele que possuir, como sua, área urbana de até duzentos e cinquenta metros quadrados, por cinco anos ininterruptamente e sem oposição, utilizando-a para sua moradia ou de sua família, adquirir-lhe-á o domínio, desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural.

A Lei nº 10.257/2001- Estatuto da Cidade em seu art. 12, § 2º aduz que o(a) autor(a) da ação de usucapião especial urbana terá os benefícios da justiça e da assistência judiciária gratuita, inclusive perante o cartório de registro de imóveis, bem como define no art. 14º que o rito processual a ser observado na ação judicial de usucapião especial de imóvel urbano, é o sumário, neste sentido fica evidente o direito da autora na concessão da justiça gratuita, assim como o rito processual a ser adotado é o sumario.   

Quanto à ausência de réu certo e determinado, será necessária a citação, por edital, de todos os eventuais interessados na causa, conforme consta no art. 942, do Código de Processo Civil, in fine:

Art. 942 do CPC – (...) por edital, dos réus em lugar incerto e dos eventuais interessados, observado quanto ao prazo o disposto no inciso IV do art. 232

Assim sendo, resta patente o direito da autora em haver julgado procedente o seu pedido de usucapião especial, concedendo, mediante sentença, à autora a propriedade do imóvel em questão;

A doutrina que trata de ações desta natureza orienta que os requisitos necessários à consecução de sua pretensão são: a) dimensão do imóvel urbano de, no máximo, 250m2 (duzentos e cinqüenta metros quadrados); b) lapso temporal de 05 (cinco) anos na posse do imóvel; c) posse mansa, pacífica e ininterrupta; d) utilização do imóvel para morada própria ou da família. O professor Luiz Eduardo Ribeiro Freyesleben preleciona, in verbis:

“SE NOS OUTROS TIPOS USUCAPIONAIS A CONSTRUÇÃO POUCA IMPORTÂNCIA TEM, NA USUCAPIÃO COMENTADA OCUPA LUGAR PROEMINENTE PELO QUE À ÁREA CONSTRUÍDA DEVE SER DADA ATENÇÃO ESPECIAL NA EXEGESE DO ART. 183, DE MODO A CONSIDERÁ-LA IGUALMENTE ABARCADA PELO LIMITE DE 250M2 TRAZIDO PELO DISPOSITIVO CONSTITUCIONAL.”;[1]

“O TEMPO NA USUCAPIÃO, RESSABIDO, É ELEMENTO FUNDAMENTAL, PELO QUE SE FAZ IMPRESCINDÍVEL O DECURSO DO LAPSO PREVISTO EM LEI, DE MODO CONTÍNUO.”;[2]

“A NÃO OPOSIÇÃO DEVE SER TIDA COMO SINONÍMIA DE MANSUETUDE E PACIFICIDADE DA POSSE, TRADUZIDA POR UM NON FACERE DO PROPRIETÁRIO OU DE TERCEIROS. DE FATO, A OMISSÃO DIANTE DA POSSE DO PRESCRIBENTE E A AÇÃO DESTE, POSSUINDO O IMÓVEL CONTINUAMENTE, SÃO FATORES QUE, CONJUGADOS, FORMAM A ESSÊNCIA DA USUCAPIÃO.”;[3]

“Mister, na usucapião urbana constitucional, haja casa sobre o terreno usucapiendo. ENTENDA-SE "CASA” EM SENTIDO AMPLÍSSIMO, ABRANGENDO TANTO A DE ALVENARIA, OU DE MADEIRA, QUANTO A ERGUIDA PRECARIAMENTE, COM TELHAS, BARRO, PALHA, ZINCO. MESMO A MORADA TOSCA E FRAGÍLIMA, FEITA COM CAIXOTES DE PAPELÃO ENQUADRA-SE NO CONCEITO DE “CASA” NA ACEPÇÃO QUE AQUI DAMOS. Não se há questionar da qualidade e da matéria-prima do habitáculo, nem se erigido desde o início da posse, ou no curso dela, BASTA, APENAS, QUE ELE EXISTA, POSTO QUE, NESSA PRESCRIÇÃO AQUISITIVA, INDISPENSÁVEL SEJA O IMÓVEL UTILIZADO PARA MORADIA PRÓRIA DO USUCAPIENTE OU DE SUA FAMÍLIA.” [4]

“Nesse contexto, HÁ DE CONSIDERAR-SE “FAMÍLIA” NÃO APENAS AQUELA ADVINDA DO CASAMENTO CIVIL, OU DO RELIGIOSO COM EFEITOS CIVIS, MAS, TAMBÉM, A PROVENIENTE DA UNIÃO ESTÁVEL ENTRE HOMEM E MULHER.” [5] (destaques inovados)

Mister faz-se salientar, Eminente Magistrado(a), que o posicionamento da doutrina, nas situações de usucapião especial, é o de que a prova da existência da boa-fé e de justo título não é exigida, haja vista que o texto constitucional não faz nenhuma menção a tais pontos. O retro-mencionado jurista corrobora tal pensamento, in verbis:

“... cabe-nos registrar a iniciativa louvável do legislador de NÃO TER INCLUÍDO COMO REQUISITOS DESSA MODALIDADE USUCAPIONAL O JUSTO TÍTULO E A BOA-FÉ.” [6] (negritos nossos)

A jurisprudência pátria atinente à matéria é uníssona na confirmação do pleito formulado pelos demandantes e do cabedal doutrinário aqui enumerado, conforme arestos ora transcritos, in verbis:

“USUCAPIÃO CONSTITUCIONAL. Possibilidade de usucapir área menor do que o terreno registrado. PROVADA A POSSE ININTERRUPTA E SEM OPOSIÇÃO COM ÂNIMO DE DONO POR CINCO ANOS SOBRE ÁREA URBANA DE ATÉ 250M2 POR AUQLE QUE NÃO SEJA PROPRIETÁRIO DE IMÓVEL URBANO OU RURAL E A UTILIZA PARA SUA MORADIA, A USUCAPIÃO É PROCEDENTE, independentemente de ser a área usucapienda um todo ou parte do terreno que se encontra originalmente registrado na escrivaninha imobiliária respectiva ou em loteamento aprovado pelo município, POR IMPOSIÇÃO DO ART. 183 DA CF/88.” (TARS – Ap. Cív. 194045415 – Rel.: Juiz João Adalberto Medeiros Fernandes – j. em 25/10/94);

“URBANO – ART. 183 DA CONSTITUIÇÃO DE 1988 – APLICAÇÃO IMEDIATA – DESNECESSIDADE DE REGULAMENTAÇÃO – Contagem do prazo anterior à promulgação da nova constituição. O USUCAPIÃO URBANO, PREVISTO NO ART. 183 D CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 É INSTITUTO DE APLICAÇÃO IMEDIATA QUE INDEPENDE DE REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA, DEVENDO SER DECLARADO ÀQUELES QUE PREENCHEREM OU VIEREM A PREENCHER OS REQUISITOS LEGAIS.” (Al 123.482-1, de São Paulo, 1ª C., rel. Luiz de Azevedo, TJSP, RT 649/58);

“USUCAPIÃO. ÁREA URBANA. POSSE POR CINCO ANOS ININTERRUPTAMENTE E SEM OPOSIÇÃO. PRAZO QUE FLUI DE IMEDIATO, contando-se este, antes da vigência da atual constituição. FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE. Agravo a que se nega provimento. INTELIGÊNCIA DOS ARTS. 183 e 191 DA CF/88. OS EFEITOS DA NOVA LEI MAIOR SOBRE A LEGISLAÇÃO ORDINÁRIA SÃO ABSOLUTOS. ISTO É, NÃO SUBSISTE SE ELA OFERTAR ATRITO. A INCOMPATIBILIDADE, NO CASO, DIZ RESPEITO AO TEMPO PARA SE ESTABILIZAR A SITUAÇÃO, EM TERMOS DE AQUISIÇÃO DE DOMÍNIO DO POSSEIRO. SE ANTES, PARA AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO, NECESSÁRIOS ERAM 20 ANOS. A LEI TETO O REDUZIU PARA 5 ANOS.” (TJSC – Ag. De Inst. 165.523-1/5 – 8ª Câm. – j. 11/03/92 – rel.: Des. Jorge Almeida);

DO PEDIDO

Ante o exposto requer:

a) Que sejam citados, por edital, todos os possíveis interessados na presente ação, para, querendo, apresentem resposta no prazo legal;

b) Que sejam intimados, por via postal, os representantes da Fazenda Pública da União, do Estado do Ceará e do Município de Juazeiro do Norte/CE para que manifestem eventuais interesses na causa;

c) Intimação do Ministério Público, cuja manifestação se faz obrigatória no presente feito;

d) Citação pessoal dos confinantes:

1. xxxxxxxxxxxx, brasileiro e seu cônjuge, ambos residentes e domiciliados na (ENDEREÇO);

2. XXXXXXXXX, brasileiro e seu cônjuge, ambos residentes e domiciliados (ENDEREÇO);

3. representante legal da XXXXX em (CIDADE), com endereço na (ENDEREÇO).

f) ao final, julgar, por sentença, pela PROCEDÊNCIA do feito, em todos os seus precisos termos, com a DECLARAÇÃO em favor da postulante, do DOMÍNIO do imóvel objeto desta demanda;

 g) Que a sentença seja transcrita no registro de imóveis, mediante mandado, por constituir esta, título hábil para o respectivo registro junto ao Cartório de Registro de Imóveis;

Pretende a autora provar suas argumentações fáticas, por meio de prova testemunhal e documental, apresentando desde já os documentos acostados à peça exordial, protestando pela produção das demais provas que eventualmente se fizerem necessárias no curso da lide. 

Dá à causa o valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais).

Nestes Termos,

Pede e espera deferimento.

(CIDADE) - (UF), (DATA).

XXXXXXXXXXXXXXX

Advogado

OAB XXXXX/XX

Rol de Testemunhas:

1.

....segue-se os demais


[1] FREYESLEBEM, Luiz Eduardo Ribeiro. A Usucapião Especial Urbana – Aspectos doutrinários e jurisprudenciais, Ed. Obra Jurídica Ltda., 1997, pág. 38.

[2] FREYESLEBEM, Luiz Eduardo Ribeiro. Ob. Cit.,1997, pág. 42.

[3] FREYESLEBEM, Luiz Eduardo Ribeiro. Ob. Cit.,1997, pág. 44.

[4] FREYESLEBEM, Luiz Eduardo Ribeiro. Ob. Cit.,1997, pág. 53.

[5]  FREYESLEBEM, Luiz Eduardo Ribeiro. Ob. Cit.,1997, pág. 55.

[6]  FREYESLEBEM, Luiz Eduardo Ribeiro. Ob. Cit.,1997, pág. 56.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso