portador de deficiência física, consoante se demonstra, cabalmente, pela documentação em anexos que reúne em seu tempo de serviço público espaço mais do que suficiente à contagem especial.

Excelentíssimo Senhor Ministro Presidente do Supremo Tribunal Federal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

         PAULO ROBERTO DA COSTA MACIEL, brasileiro, casado, RG nº 1.129.909-SSP/GO e CPF NR 415233177-78, medico, residente à Rua Venerando de Bastos nº 133- Jardim da Luz- Goiania-GO, vem por esta forma e através de seus advogados, constituídos de acordo com a procuração em anexo (doc. 1), e com fulcro nos Artigos 5º, inc. LXXI, 40, §4º, inc. I, e 102, inc. I, al. “q”, da Constituição Federal, bem como nas demais disposições de regência, sobretudo a Norma Regimental dessa Suprema Corte, impetrar, contra as autoridades dos Excelentíssimos Senhores Presidentes da República, do Senado Federal e da Câmara dos Deputados, respectivamente com sedes na Praça dos Três Poderes, Capital Federal, o presente

 

MANDADO DE INJUNÇÃO

 

         Em razão de cuja propositura passa a expor e, afinal, requerer, o que segue:

 

1)      As autoridades impetradas estão, solidariamente, em mora, no que se refere à consolidação de Lei Complementar conducente à efetivação do direito subjetivo à aposentação especial de servidor público portador de deficiência física, consoante os termos do art. 40, §4º, inc. I, da Constituição Federal, redação determinada pela Emenda Constitucional nº 47/05;

 

2)      Sem embargo, o preclaro autor da denominada “PEC Paralela” do setor previdenciário, Senador Paulo Paim (RS), não descurou em se manifestar proativo em relação à iniciativa da Lei Complementar ansiosamente esperada pela Nação, de acordo com o que está estimado no Projeto de Lei do Senado SF/PLS 250/2005 (doc. 2), cuja tramitação legislativa, no presente momento, resulta em estar pautada para a Comissão de Constituição e Justiça daquela Câmara Alta[1];

 

3)      Dentre as insofismáveis justificações de trato inclusivo da matéria, obediente ao caráter programático e principiológico do assunto em pauta, inteiramente constitucionalizado, observa-se também a preocupação de ordem formal do mencionado Projeto de Lei Complementar do Senado, a saber:

 

Assim, o art. 40, § 40, da Constituição da União exige lei complementar, editada pela União Federal, para a sua eficácia. A esta lei complementar não se aplica o disposto no art. 61, § 1º, II, c, por tratar-se de norma que regulamenta os regimes próprios de previdência de todos os servidores públicos e não apenas dos da União e dos Territórios, o que permite a sua apresentação por parlamentar.

O presente projeto de lei tem por objetivo conceder direito à aposentadoria especial aos servidores portadores de deficiência, após 25 (vinte e cinco) anos de contribuição.

 

4)      Cumprindo constatar que o referido Projeto se acha em tramitação desde 2005 sem solução de continuidade, é o caso da presente propositura injuncional, tendo em vista a competência da Suprema Corte em garantir a concretização dos direitos estabelecidos na Carta, mas que, por algum defeito operacional da máquina do próprio Estado, deixou de repercutir favoravelmente em relação ao patrimônio jurídico dos seus titulares;

 

5)      É o caso do ora impetrante que, portador de deficiência física, consoante se demonstra, cabalmente, pela documentação em anexo (docs. 3 e 4), reúne em seu tempo de serviço público espaço mais do que suficiente à contagem especial (doc. 5) de que trata o comando do art. 40, §4º, inc. I, da Constituição, que haverá de ser conjuminado às já tardinheiras disposições do atual SF/PLS 250/05, materializadas em dois únicos artigos, consoante convém à simplicidade da matéria em comentário;

 

6)      Desse modo, estando presentes a demonstração do direito de eficácia semi-limitada[2] e a inviabilidade do seu exercício em concreto, eis que a Administração Pública somente atua sob o império estrito da legalidade[3], sucede que comporta ao Supremo Tribunal Federal, segundo a competência que lhe confere o disposto no art. 102, inc. I, al. “q”, da Constituição Federal, decretar as condições pelas quais possa o impetrante, no caso, exercer plenamente o seu direito à contagem especial do seu tempo de serviço público, divisando os fins previdenciários próprios, ou seja, abono de permanência no serviço ativo ou eventual aposentação com proventos integrais[4];

 

7)      Sobre isto, em 15 de abril deste ano, o Plenário dessa Colenda Corte, em Questão de Ordem, teve oportunidade de julgar, com lapidar acerto e exata Justiça, diversos Mandados de Injunção[5] versando matérias análogas ao presente caso concreto, tendo chegado à sábia conclusão, haja vista o princípio constante do art. 5º, inc. LXXVIII, da Carta, de remeter ao juízo monocrático dos respectivos Relatores a decisão sobre casos que tais, independentemente do crivo do Plenário, garantindo-se a plenitude do acesso à Justiça por parte de quantos, tendo, não possam, pela mora legislativa, executar os seus direitos, conforme constitucionalmente realçados à Ordem Jurídica (doc. 6);

 

8)      Convém observar que as hipóteses dos enunciados constantes dos incisos I (deficiência física), II (atividades de risco) e III (condições especiais de agravo à saúde ou à integridade física), do art. 40, §4º, da Constituição, dizem respeito a um só benefício jurídico: contagem especial do tempo de serviço público para fins de aposentadoria e, consequência disso, de abono de permanência;

 

9)      De mais a mais, a aposentadoria especial é uma herança histórica que compõe o espectro das tradições jurídicas do Brasil e que se justifica plenamente como um direito à antecipação do recesso laboral permanente, haja vista condições próprias e especiais que são capazes de determinar, de lege lata, repercussões nefastas e de algum modo agravos à saúde e à integridade física das pessoas beneficiárias;

 

10)    Nesse contexto, a inclusão das pessoas que, embora habilitadas ao trabalho, sejam portadoras de deficiência física, no espectro dos benefícios legais previstos ordinariamente a diversos segmentos excluídos ou tratados desigualmente pela sociedade, vem sendo objeto de ostensiva exigência e fiscalização de parte do Estado brasileiro, razão mesma do novo benefício previdenciário, em comento, que a Constituição Federal proclamou em 2005, e ainda pende de efetivação;

 

11)    Sobre isto, cabe ressaltar o caráter compensatório do benefício constitucional em comento findo, inclusive para fins de Medida Liminar, consistente na imediata interrupção do desconto em folha de pagamento do ora impetrante, relativo à sua contribuição previdenciária, a partir de 05 de julho de 2005, data da promulgação da Emenda Constitucional nº 47/05, tendo em vista que o impetrante já dispunha, naquela data, de tempo qualificado à contagem especial referenciada, ou seja, 25 (vinte cinco) anos de serviço público ativo;

 

12)    Isto posto, requer o impetrante o processamento do presente Mandado de Injunção para, notificadas as respectivas Autoridades impetradas a que prestem as informações cabíveis, e ouvindo-se o Procurador-geral da República, seja-lhe deferida Medida Liminar, nos termos do item 11, desta petição inicial, a fim de que a Administração Pública se abstenha, desde já, do desconto previdenciário respectivo, e, no mérito, seja declarada a mora legislativa para, suprindo-lhe a falta da norma garantidora do direito, determinar, subsidiariamente, de lege ferenda, que as cláusulas prescritas no Projeto de Lei Complementar do Senado Federal SF/PLS 250/2005 sejam imediatamente aplicadas ao caso do impetrante, assegurando-lhe a contagem especial do seu tempo de serviço para fins de abono de permanência ou eventual aposentadoria integral.

 

Alternativamente, pede-se a aplicação, nos mesmos termos acima, do art. 57, da Lei 8.213/91.

 

Dá-se à causa o valor fiscal de R$ 1.000,00 (hum mil reais).

 

                            Termos em que,

                            Pede deferimento.

                            De Goiânia para Brasília, 06 de outubro de 2019.

 

 

 

 

NILZETE APARECIDA DOS SANTOS

ADVOGADA

 


[1]              .

[2]              Para a maioria dos autores, as disposições constitucionais que traduzem direitos subjetivos bem delineados, embora reclamem tratamento complementar posterior, tem uma carga vinculante mínima e imediata, pois elas geram efeitos jurídicos como que imediatos, haja vista desde logo impedirem a edição de leis em sentido contrário àquele constante das disposições constitucionais de regência. Com efeito, sua teleologia não poderá ser, sob o regime da Constituição, de modo algum alterada.

[3]              A gestão pública sob a responsabilidade da Administração deve ser rigorosamente orientada pela legalidade primária, razão pela qual pode suceder que direitos deixem de ser reconhecidos aos seus titulares, à falta de disposição infra-constitucional expressa que os definam como suporte legítimo dessa atividade de Estado.

[4]              Referência analógica ao disposto no art. 57, §1º, da Lei nº 8213/91.

[5]              Por exemplo: MI 877, MI 880, MI 918, MI 721, MI 758, MI 914, MI 795, MI 797, MI, 809, MI 828, MI 841, MI 850, MI 857, MI 879, MI 905, MI 927.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso