HORAS COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO EM DIREITO.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA ... VARA DO TRABALHO DA REGIÃO DO CARIRI - CE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EMANUEL DA SILVA, brasileiro, casado, motorista, inscrito ao CPF sob nº. XXX.XXX.XXX-XX, e no RG nº. XXXXXXXXXX, domiciliado e residente à Rua XXXXXXXXXXXXXXX, nº. XXX, Bairro XXXXXXX, na cidade de Barbalha-CE, vem perante Vossa Excelência, por seus procuradores, ut instrumento de mandato anexo, propor a presente:

 

RECLAMAÇÃO TRABALHISTA

Em face de Garnero Ltda, pessoa jurídica de direito privado, com sede à XXXXXXXX, nº XXX, bairro XXXXX, CEP XX.XXX-XX, na cidade de Barbalha - CE, pelas razões de fato e de direito a seguir expostas:

 

 I – DA SÍNTESE DO CONTRATO DE TRABALHO

O Autor foi contratado pela reclamada em 12/12/2018, para exercer a função de motorista.

Percebia o importe de R$ 15,00 a hora, tendo para tanto, que realizar uma jornada das 6:00 às 14:00 horas, com 30 minutos de intervalo.

Foi despedido sem justo motivo em 25/07/2020.

Ocorre que muitos de seus direitos não eram observados pelo reclamado, razão pela qual propõe a presente relação trabalhista.

 

II – DO DIREITO

 

1. Dos direitos da categoria previsto em CCT’S

O Reclamante, como já dito outrora, tinha como jornada contratual das 6:00 às 14:00, com 30 minutos de intervalo, e nos sábados das 6h às 10h.

Contudo, recebia o piso da categoria dos metalúrgicos, enquanto que o piso da categoria dos motoristas, firmado em convenção coletiva entre o Sindicato dessa categoria e a federação das Indústrias do Ceará, era de R$ 20,00 (vinte reais), razão pela qual o Reclamante faz jus a todas as vantagens e demais benefícios previstos no mencionado instrumento coletivo.

 

2. DO AVISO PRÉVIO INDENIZADO

Tendo em vista a inexistência de justa causa para a rescisão do contrato de trabalho, surge para o Reclamante o direito ao Aviso Prévio indenizado, uma vez que o § 1ºdo art. 487, da CLT, estabelece que a não concessão de aviso prévio pelo empregador dá direito ao pagamento dos salários do respectivo período, integrando-se ao seu tempo de serviço para todos os fins legais.

Dessa forma, o período de aviso prévio indenizado, corresponde a mais 30 dias de tempo de serviço para efeitos de cálculo do 13º salário, férias + 40%.

A reclamante faz jus, portanto, ao recebimento do Aviso Prévio indenizado.

 

MULTA DO ART. 467 DA CLT

A Reclamada deverá pagar o Reclamante, no ato da audiência, todas as verbas incontroversas, sob pena de acréscimo de 50%, conforme art. 467 da CLT, transcrito a seguir:

“Art. 467. Em caso de rescisão de contrato de trabalho, havendo controvérsia sobre o montante das verbas rescisórias, o empregador é obrigado a pagar ao trabalhador, à data do comparecimento a Justiça do Trabalho, a parte incontroversa dessas verbas, sob pena de pagá-las acrescidas de cinquenta por cento. ”

Dessa forma, protesta o Reclamante pelo pagamento de todas as parcelas incontroversas na primeira audiência.

 

DA CONCLUSÃO E CÁLCULOS

 

DOS PEDIDOS

Ante o exposto, requer:

1. Que seja designada audiência de conciliação ou mediação na forma do previsto no artigo 334 do NCPC;

2. A citação do Réu para oferecer resposta no prazo legal sob pena de preclusão, revelia e confissão;

3. Que seja deferido o benefício da assistência judiciária gratuita, devido à difícil situação econômica do autor, que não possui condições de custear o processo, sem prejuízo próprio;

4. Reconhecimento e aplicação do artigo 483 da Consolidação das Leis do Trabalho– CLT, para reconhecer a demissão indireta por justa causa, tendo em vista o real descumprimento das obrigações do contrato de trabalho;

5. Julgar ao final TOTALMENTE PROCEDENTE a presente Reclamação, declarando o vínculo empregatício existente entre as partes;

6. Condenar o Reclamado ao pagamento da multa do art. 467 da CLT, tudo acrescido de correção monetária e juros moratórios;

 

DAS PROVAS

Requer a produção de todas as provas em direito admitidas, na amplitude dos artigos 369 e seguintes do CPC, em especial a prova documental, a prova pericial, a testemunhal e o depoimento pessoal do Réu.

Dá-se à causa o valor de R$ XXXX para efeitos fiscais.

 

Nestes termos

Pede deferimento

Barbalha, 01 de Setembro de 2020

 

 

 

Lyon Abraão Sanssara, OAB nº/CE.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso