HORAS COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO EM DIREITO.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DO TRABALHO DA ____ª VARA DO TRABALHO DA REGIÃO DO CARIRI

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

NEYMAR DA SILVA, brasileiro, solteiro, bancário, portador do RG nº xxxx SSP/CE, inscrito no CPF sob o nº xxxxxx, CTPS nº xxxx, série 001, PIS xxx, nº 100, bairro: centro, CEP: xxxxx, na cidade de Juazeiro do Norte – Ceará, por intermédio dos seus advogados que esta subscreve, nos termos da procuração em anexo, vem, perante Vossa Excelência propor a presente

RECLAMAÇÃO TRABALHISTA

Em face da empresa BANCO AZUL, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ nº xxxxxxxxx, titular do e-mail: [email protected], com sede na Rua xxxxxx, nº xxx, bairro: xxxx, CEP: xxxxxx, na cidade de Juazeiro do Norte – Ceará, pelo rito sumaríssimo de acordo com os fundamentos fáticos e jurídicos a seguir expostos.

I) DA GRATUIDADE DA JUSTIÇA

Ressalta-se que o reclamante não dispõe de condições financeiras suficiente para arcar com as custas processuais e os honorários advocatícios, requerendo, desde já, os benefícios da justiça gratuita, nos termos do artigo 790, § 3º, § 4º da CLT.

II) DOS FATOS E FUNDAMENTOS

O reclamante foi admitido pela empresa reclamada em 05.12.2017 para exercer a função de bancário na agência da empresa, localizada em Juazeiro do Norte – Ceará, recebendo salário mensal no valor de R$ 2.500,00 (dois mil, e quinhentos reais). A jornada de trabalho desempenhada pelo reclamante era de 06 horas por dia, de segunda a sexta.

A demissão do reclamante ocorreu em 10.02.2020, por iniciativa do empregador, sem justa causa. Ocorre, Excelência, que na demissão a reclamada deixou de conceder o aviso prévio, assim como não o indenizou. Ou seja, o reclamante não trabalhou, nem recebeu o aviso prévio de forma indenizada.

A reclamada deixou de honrar com as verbas rescisórias, às quais o reclamante tinha direito, deixando também de entregar as guias para o saque do FGTS (os valores mensais correspondentes estavam depositados corretamente – R$ 4.480,00 reais), e habilitação no seguro-desemprego.

Frisa-se que o reclamante gozou apenas as férias de 2017/2018 durante toda a vigência do contrato de trabalho.

 

a) DO AVISO PRÉVIO INDENIZADO

Como o reclamante foi demitido sem justa causa, surge para o mesmo o direito ao aviso prévio indenizado, de acordo dom o disposto no artigo 487 da CLT.

Desse modo, cabe à reclamada efetuar o pagamento de aviso prévio indenizado correspondente ao período de 33 dias, incidindo sobre as demais verbas trabalhistas. Assim, o reclamante faz jus, portanto, ao recebimento de aviso prévio indenizado no total de R$ 3.080,00 reais.

 

b) DAS FÉRIAS VENCIDAS E PROPORCIONAIS

O contrato de trabalho entre o reclamante e a reclamada teve sua vigência no período compreendido entre 05.12.2017 à 10.02.2020, porém, o reclamante gozou apenas as férias de 2017 e 2018.

Assim, o reclamante tem direito a receber as férias vencidas correspondentes ao período laborado de 2019 (férias simples acrescidas de 1/3), bem como a receber o período de férias proporcionais de 2020, acrescido do terço constitucional, em conformidade com o art. 146, parágrafo único da CLT e art. , XVII da CF/88.

Sendo assim, de acordo com a legislação pertinente, o reclamante faz jus ao recebimento de 01 período de férias não gozadas relativo a 2019 acrescidas de 1/3 (R$ xxxxx), mais o valor de férias proporcionais correspondentes a 01 mês + AP (R$ xxxxxx).

Desse modo, requer a condenação da reclamada, ao pagamento das férias vencidas, referente aos períodos de 2019 de forma simples; e das férias proporcionais, referente ao período 2020, com adicional de 1/3 constitucional, conforme art. , XVII da CF, considerando-se como base legal para cálculo o salário de R$ xxxxxx

d) DO 13º PROPORCIONAL

Por ter trabalhado o equivalente a 01 mês no ano de 2020, o reclamante faz jus ao recebimento de 13º proporcional, totalizando R$ 208,33 (duzentos e oito reais e trinta e três centavos).

 

e) MULTA DO ART. 477, § 8º DA CLT

A reclamada não entregou ao reclamante, no ato da rescisão do contrato de trabalho, as guias para saque do FGTS e para habilitação no seguro-desemprego. Dessa forma, requer a condenação da reclamada ao pagamento da multa prevista no § 8º do art. 477 da CTL no valor de R$ 2.800,00 (dois mil e oitocentos reais) pelo atraso no pagamento das verbas rescisórias e entrega das guias para saque do FGTS e habilitação no seguro-desemprego.

f) DO SEGURO-DESEMPREGO

O reclamante faz jus ao recebimento de X parcelas referentes ao seguro-desemprego, totalizando R$ xxxxx).

III) DO PEDIDO

Diante do exposto, requer:

1) Que seja deferido o benefício da assistência judiciária gratuita, devido à difícil situação econômica do reclamado, que não possui condições de custear o processo, sem prejuízo próprio;

2) A notificação da Reclamada para comparecer à audiência a ser designada para querendo apresentar defesa a presente reclamação e acompanha-la em todos os seus termos, sob as penas da lei;

3) Julgar ao final TOTALMENTE PROCEDENTE a presente Reclamação, condenando a empresa Reclamada ao:

a) Pagamento do Aviso Prévio indenizado (33 dias), no valor de R$ xxxx (xxxxx); pagamento de 01 período de férias não gozadas relativo a 2019 acrescidas de 1/3 (R$xxxxx), mais o valor de férias proporcionais correspondentes a 01 meses + AP (R$ xxxxx); pagamento de 04 parcelas referentes ao seguro-desemprego, totalizando R$ xxxxx (xxxxxx);

b) Condenar a Reclamada ao pagamento da multa prevista no § 8º, do art. 477 da CLT, e, em não sendo pagas as parcelas incontroversas na primeira audiência, seja aplicada multa do art. 467 da CLT, tudo acrescido de correção monetária e juros moratórios. Requer, ainda, seja a Reclamada condenada ao pagamento dos honorários advocatícios no patamar de 15% sobre a condenação, bem como das custas processuais.

Protesta provar o alegado por todos os meios no Direito admitidos, notadamente pela juntada posterior de documentos, oitiva de testemunhas e depoimento pessoal, tudo desde logo requerido.

Dá-se à causa o valor de R$ xxxxxx (soma de todos os pedidos).

Nestes termos, pede e espera deferimento.

Juazeiro do Norte, Ceará, 15 de setembro de 2020.

Lyon Abraão Sanssara/OAB-CE

Antonio Saulo de Brito Pereira/OAB-CE



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso