Modelo de peça de resposta à acusação no procedimento do tribunal do júri

EXMO(a). SR(a). DR(a). JUIZ(a) DE DIREITO DO I TRIBUNAL DO JÚRI DA COMARCA DE XXXX XXXXXXXXX - MG

 

AUTOS N°.

 

Fulano de Tal, já devidamente qualificado nos autos em epígrafe, por intermédio de seus procuradores infra-assinados, nos autos do processo em que o Ministério Público lhe move, vem, respeitosamente, à elevada presença de Vossa Excelência, apresentar RESPOSTA A ACUSAÇÃO, com fulcro nos artigos 396 e 396A do Código de Processo Penal, nos seguintes termos:

 

I - DOS FATOS

 

O denunciado é acusado pela prática do crime capitulado no art. 121, §2°, II, c/c art. 14, II, e art. 155, todos do Código Penal. Todavia, tal acusação não pode prosperar, uma vez que a denúncia encontra-se totalmente desconexa e contrária às provas produzidas nos autos.

 

Noticia a denuncia/inquérito policial que o acusado, no dia 21 de setembro de XXXX, por volta das 19:00 hrs, na Rua xxxxxxxxx, n° xxxx, bairro xxxxxxx, nesta Comarca, atentou contra a vida de Beltrano.

 

Narra ainda que o crime somente não se consumou por questões alheias à vontade do denunciado, bem como que o crime teria sido cometido por motivo fútil.

Arrola testemunhas (fls. x).

 

Ofertada a denúncia, foi aberto prazo para resposta, o que se faz nesta assentada.

 

II –LEGITIMA DEFESA E OU DESCLASSIFICAÇÃO PARA O CRIME DE LESÃO CORPORAL

 

De inicio importante frisarmos que, o inquérito policial foi conduzido e relatado de maneira incoerente, uma vez que não considerou alguns elementos imprescindíveis para a elucidação do caso em questão, pois deixou de ouvir varias testemunhas, bem como deixou de considerar elementos importantes que surgiram ao longo da investigação, que de fato não ocorreu.

 

O mesmo aconteceu com a peça de denuncia, que foi apresentada de maneira genérica, sem ao menos narrar detalhes importantes devidamente colhidos durante a instrução do inquérito.

 

Em detida análise de todo o arcabouço processual nota-se que os fatos se deram de maneira diversa do narrado na peça acusatória, não havendo que se falar em tentativa de homicídio, como quer fazer crer a acusação, e sim, que o fato foi cometido por legitima defesa, ou, quando no muito, houve uma lesão corporal, pois foi a vítima quem agrediu o denunciado primeiro, conforme depoimento do acusado de fls. xx, fato que não foi sequer considerado pelo inquérito e pela denuncia.

 

Ressalta-se que, a lesão sofrida pela vítima foi de natureza leve, não causando perigo de vida, conforme se verifica do laudo ECD indireto (fls. xxx), inclusive, a vítima foi liberada do hospital no mesmo dia, passando por uma simples sutura no local do ferimento.

 

Em relação ao fato propriamente dito, toda a confusão foi iniciada por um individuo de nome Tal (testemunha arrolada na denúncia e que sequer foi ouvida em sede de inquérito), que é amasio da testemunha Fulana (fls. xx) e vizinho do denunciado.

 

Conforme consta, o tal é vizinho do denunciado e sempre provoca o mesmo, principalmente em dias de jogos do time xxxxx. Essas provocações se dão de todas as formas, com gritos, xingamentos e até mesmo o arremesso de bombas na casa do denunciado, o que literalmente aconteceu no dia dos fatos.

 

Naquele fatídico dia, o denunciado estava fazendo um churrasco na sua casa em companhia de sua família, justamente para assistir a partida de futebol pela televisão. Após o jogo, o tal xxxx, em provocação ao denunciado, arremessou uma bomba caseira no quintal da casa do denunciado, justamente no local onde acontecia o churrasco. Diante de tal atitude, o denunciado subiu no muro de sua residência para advertir Tal xxxx, ocasião em que passou a ser ofendido por ele e por xxxxxxxxxx (vítima), que estava em visita na casa de Tal xxxxx.

 

Neste meio tempo, iniciou-se uma discussão, quando Tal xxx e outro comparsa passaram a agredir o denunciado com pedradas e pauladas, chamando este para a briga. Ocasião em que o denunciado, muito nervoso, foi para fora da casa e encontrou com Tal e outra pessoa já na rua, ocasião em que se iniciou a briga, que culminou no presente feito.

 

Para corroborar nossa tese, conforme consta do próprio BOPM (fls. xx), o denunciado também ficou ferido, mas isso não foi levado em consideração, tanto na conclusão do inquérito, quanto da peça acusatória. Inclusive foi solicitado pelo próprio Delegado de Polícia o ECD indireto do acusado (fls. xx, xx, xx e xxx), que até o presente momento não aportou aos autos, e que também foi ignorado pela acusação.

 

Ademais, o inquérito policial somente cuidou de ouvir testemunhas suspeitas e contrárias ao denunciado, deixando de lado as demais, que, talvez, pudessem elucidar a verdade e, via de consequência, contribuir com o denunciado. Neste sentido, veja-se que a Policia Civil não ouviu uma testemunha (Sra. xxxxxx), que inclusive constava no BOPM (fls. xxx). Também não cuidou de ouvir, ou mesmo qualificar, o tal xxxx, que, a que tudo indica, foi o causador de toda a confusão.

 

Em relação ao tal xxxx, conforme informações, o mesmo é individuo dado a praticas criminosas, motivo pelo qual está sendo protegido pelas testemunhas que foram ouvidas até o momento, inclusive este teria fugido antes da chegada dos policiais militares ao local, veja-se que o mesmo sequer foi citado no respectivo BOPM.

 

O denunciado não pode ser culpado de uma conduta que ele nem ao menos esperava, ele apenas utilizou dos meios disponíveis para se defender, sendo assim o único responsável pelo resultado foi a própria vítima, que em companhia de Tal xxxx, agrediu e provocou o acusado.

 

Ora, após os esclarecimentos pertinentes ficará provado não haver qualquer indício de dolo direto quanto ao delito de homicídio qualificado tentado. Não havendo dúvidas de que o denunciado não tinha a intenção de causar qualquer mal a vitima, e que todo o ato foi provado por ela mesmo e pelo outro individuo, qualificado apenas como Tal xxxx.

 

Outrossim, importante citar que o denunciado é primário, possui emprego e ocupação lícita (fls. xx/xx), residência fixa (fls. xx), tem filhos que moram consigo (fls. xx/xx) e não é pessoa dada a praticas criminosas.

 

Isto posto, restando comprovada a inexistência do dolo direto ou mesmo reconhecida a excludente da legitima defesa, não há possibilidade de pronunciar o denunciado, o que, desde já, se requer.

 

III – DAS DILIGÊNCIAS NECESSÁRIAS

 

Conforme narramos, o denunciado também foi lesionado pela vítima, todavia, até o presente momento e apesar de requisitado em mais de uma oportunidade pelo Delegado de Policia (fls. xx, xx, xx e xxx),não foi apresentado ECD em relação ao mesmo. Assim, requer-se a devolução do feito a DEPOL para elaboração do respectivo laudo.

 

Requer-se ainda a mesma diligência solicitada pelo MP às fls. xxx, alínea b, no sentido de se qualificar a testemunha referida apenas como Tal xxxx, no sentido de viabilizar sua oitiva.

 

IV – DAS PROVAS

 

Protesta por todos os meios de provas admitidos em direito, especialmente as testemunhas abaixo arroladas.

 

1) Fulana de Tal

CPF. xxxxxxxxxxxxxxxxxxx

RUA xxxxxxxxxxx, N° xx, xxxxxxxxxxxxxxxxxx

CEP. xxxxxxxxxxxxxxxxx

CIDADE: XXXXXXXXXXXXXXXX

2) Siclano de Tal

CPF. xxxxxxxxxxxxxxxxxxx

RUA xxxxxxxxxxx, N° xx, xxxxxxxxxxxxxxxxxx

CEP. xxxxxxxxxxxxxxxxx

CIDADE: XXXXXXXXXXXXXXXX

3) Beltrano de Tal

CPF. xxxxxxxxxxxxxxxxxxx

RUA xxxxxxxxxxx, N° xx, xxxxxxxxxxxxxxxxxx

CEP. xxxxxxxxxxxxxxxxx

CIDADE: XXXXXXXXXXXXXXXX

 

V – DA CONCLUSÃO

 

Postas tais considerações e por entendê-las prevalecentes sobre as razões que justificaram o pedido de pronúncia e futura condenação despendido pelo preclaro órgão de execução do Ministério Público, confiante no discernimento afinado, justo e perfeito de Vossa Excelência, a defesa requer, ainda nesta fase, a impronúncia do denunciado e ou a desclassificação do tipo penal de tentativa de homicídio qualificado para o de lesão corporal, com a devida remessa do feito ao juízo competente, à guisa das teses ora esposadas.

 

 

Termos em que,

pede deferimento.

 

Local data

 

 

______________xx de___________xxxx

Advogado

OAB

 

 

Acompanhem também nossas redes sociais em https://www.instagram.com/orlandojunioadvogado/?hl=pt-br

https://www.facebook.com/orlandojunior.silva.3/

https://www.facebook.com/OrlandoJunioSilva

 

Agregue cultura em https://cutt.ly/LpQabrG e navegue com segurança em https://cutt.ly/WpQdWTJ

Veja também preparatório para 2ª fase da OAB, na área penal em, https://hotm.art /CLhXHIZS

Adquira também excelentes matérias e livros jurídicos através dos links abaixo, com promoções imperdíveis

https://amzn.to/3j28K6i

https://amzn.to/3emvUkB

https://amzn.to/3j2n66L

https://amzn.to/309zb1x

https://amzn.to/32kxWzn

https://amzn.to/32aT4Ys

https://hotm.art /SxXBUvxD

https://cutt.ly/LpQabrG

https://cutt.ly/WpQdWTJ

https://cutt.ly/8pFYuyu

O que todo advogado precisa saber https://amzn.to/306paSA

Encontre tudo que precisa em https://www.magazinevoce.com.br/magazineoutsideojs/


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso