modelo de peça profissional de ação popular, servico meramente informativo cujo objetivo e orientar e estudar.

 AO JUÍZO DA _____VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE BELO HORIZONTE/MG

Ricardo de tal, casado, motorista, inscrito no cadastro de pessoas físicas CPF n° XXX.XXX.XXX-XX, portador do RG nº MG X.XXX.XXX, endereço eletrônico [email protected], residente e domiciliado na Av. XXXXXX XXXX nº XXX, casa, CEP XX.XXX-XXX, bairro XXXX XXXXX, cidade Belo Horizonte Minas gerais, vem à presença de vossa excelência por meio de seu advogado, (procuração em anexo), Beltrano Cicrano, OAB/MG XXXXX, com endereço profissional rua XXXXXXXX, nº XX, CEP XX.XXX-XX, bairro XXXXX, belo Horizonte MG, onde recebera as intimações , vem respeitosamente com fundamento no Art. 5°, inciso LXXXIII, da constituição Federal de1988, impetrar a presente:

AÇÃO POPULAR

Em face o Secretário de esportes pessoa jurídica de direito público, com sede na rua XXXXXXXX, nº XX CEP XX.XXX-XXX bairro XXXXXXX, Belo Horizonte, Minas Gerais endereço eletrônico [email protected].

Em face o Estado pessoa jurídica de direito público, com sede na rua XXXXXX. NºXXX, CEP XX.XXX-XXX, bairro XXXXXX, Belo Horizonte, Minas Gerais, endereço eletrônico [email protected].

Em face a SPE (Sociedade de Propósito Especial) pessoa jurídica de direito privado, com sede na rua XXXXX, nº XXX, CEP XX.XXX-XXX, bairro XXXXXXXX, Belo Horizonte, Minas gerais, endereço eletrônico [email protected].

Pelos motivos e fatos direitos a seguir expostos.

DOS FATOS

Para incentivar a prática de diversos esportes Olímpicos, a secretaria de esportes do Estado publicou edital de licitação (parceria público privado na modalidade concessão patrocinada), que tinha o objetivo a construção, gestão e operação de uma arena esportiva.

No estudo técnico, anexo ao edital, conta que receitas da concessionaria advirão dos valores pagos pelas equipes esportivas para a utilização do espaço, complementados pela contra partida do parceiro público. O aporte de dinheiro público corresponde a 80% do total da remuneração do parceiro privado. Na época da publicação do instrumento convocatório dois deputados estaduais criticaram o excessivo aporte de recursos públicos, bem como ausência de participação da Assembleia Legislativa.

Diversas empresas participaram do certame, sagrando-se vencedor o consorcio Todos Juntos, que apresentou proposta de exatos R$30milhoes. O prazo estabelecido no edital e de cinquenta anos.

Dias antes da celebração do contrato após o certame ter sido homologado e adjudicado, foi constituída uma sociedade de Propósito específico (SPE), que seria responsável por implantar e gerir o objeto da parceria. O representante da SPE, não satisfeito com a minuta contratual que fora apresentado, resolveu procurar o secretário de esporte para propor que toda a contraprestação do parceiro publico fosse antecipada para o dia da celebração do contrato, o que foi aceito pela autoridade estadual, após demorada reunião.

Diversos veículos de comunicação divulgaram que o acolhimento do pleito da SPE ocorreu em troca de apoio financeiro para a campanha do Secretário de Esportes ao cargo de governador. A autoridade policial obteve, por meio licito, áudio da conversa travada entre o secretario e o representante da SPE que confirma a versão divulgada na imprensa.

Dias depois, a mulher do Secretário de Esportes procura a polícia e apresenta material (vários documentos) que demonstra que a licitação foi “dirigida” e que o preço está bem acima do custo.

Desta forma, não resta outra alternativa a não ser o ajuizamento da presente ação popular para a defesa dos interesses de toda coletividade, uma vez que o fato narrado acima viola os valores do Estado Democrático de Direito.

DO DIREITO

1) DO CABIMENTO

Inicialmente, se faz necessário considerar que ação popular é um instrumento constitucional apto a promover a anulação ou declaração de nulidade de ato, contrato lesivo ao patrimônio público, ao meio ambiente, à moralidade administrativa, ao patrimônio histórico e cultural, conforme consta no Artigo 5º, inciso LXXII, da CFRB/88, bem como Artigo 1ºda lei 4.717/65.

2) DA LEGITIMIDADE ATIVA

Nos termos do Artigo 1°, caput, da Lei 4.717/65, qualquer cidadão é parte legitima para propor Ação popular, o que é o caso da parte autora, uma vez que resta comprovado: pelo título de eleitor n° XXXXXXXXXX Seção XXX Zona XXXX, para comprovação do documento será juntado em anexo conforme Artigo 1° §3º da Lei 4.717/65 ou seja, a parte autora goza integralmente de seus direitos políticos conforme demonstrado.

3) DA LEGETIMIDADE PASSIVA

Conforme preceitua na Lei 4.717/65, mais especificamente em seu Artigo 6º, São legitimados Passivos todos aqueles que contribuíram por ação ou omissão com o ato lesivo, conforme resta demonstrado nos fatos desta ação, todos estão aptos a figurar no polo passivo.

4) DO MERITO

  1. O Prazo de vigência do contrato de parceria publico privado não pode ser superior a 35 anos nos termos do Artigo 5° inciso I da lei 11.079/04;

  1. A contraprestação da administração publica deve obrigatoriamente ser precedida da disponibilização do serviço objeto do contrato de parceria público privada não podendo ser antecipada para a data da celebração do contrato nos termos do Artigo 7º da Lei 11.079/04;

  1. Como o aporte de dinheiro público correspondente a 80% do total da remuneração do parceiro Privado, seria necessário a autorização legislativa específica, o que não ocorreu no caso concreto, violando assim o Artigo 10, §3º, da Lei n° 11.079/04;

  1. O favorecimento da SPE em troca de apoio financeiro para campanha eleitoral fere o principio da moralidade ou da impessoalidade, nos termos do Artigo 37 da CRFB/88.

DA LIMINAR

Nos termos do Artigo 5º, §4º da Lei 4,717/65 é possível o pedido de liminar para a suspensão de ato ou contrato lesivo ao patrimônio público, a partir do previsto no Artigo 22 do mesmo diploma legal. Desta forma se faz necessária a demonstração do fumus boni iuris (probabilidade de deferimento futuro) bem como o periculum in mora (perigo de demora de uma decisão) conforme Artigo 300 do CPC.

DOS PEDIDOS

Por exposto, requer a vossa Excelência:

  1. Seja deferida a medida liminar ora requerida para a suspensão do certame, com a consequente não celebração do contrato;
  2. Seja ordenada a citação dos réus da presente ação para, querendo apresentar defesa no prazo legal;
  3. Intimação do ministério conforme previsto no Artigo 7º, inciso I alínea a;
  4. Procedência do pedido para confirmação da liminar e para a anulação da licitação;
  5. A condenação dos réus aos pagamentos das verbas de sucumbências;
  6. Requerer juiz a produção de provas em direito admitidas especialmente documental;
  7. Dar-se à causa o valor de R$ 100.000.00 (cem mil reais)

Termos em que pede deferimento.

Belo Horizonte, XX de junho de 2021

Advogado XXXXXXXXXX

OAB/MG XXXXXXX


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso