ATENÇÃO: PEÇA FEITA ÀS PRESSAS PARA ENTREGA EM UMA DISCIPLINA DA FACULDADE, DE MODO QUE PODE CONTER ERROS. VERSÃO NÃO CORRIGIDA OU CONFERIDA CONFORME O GABARITO DA OAB. O CASO PRÁTICO TAMBÉM PODE TER SIDO ALTERADO PELA PROFESSORA E, CONSEQUENTEMENTE, NÃO ESTAR NOS MOLDES DO TRAZIDO PELA OAB.

Versão disponível "p4r4 c0p14 no Jus Nav1g4nd"

DOUTO JUIZO DO TRABALHO DA ... VARA DO TRABALHO DE MANAUS/AM

 

 

 

HEITOR SAMUEL SANTOS, brasileiro, solteiro, desempregado, filho de Isaura Santos, portador da identidade 559, CPF 202, residente e domiciliado na Rua Sete de Setembro, casa 18 Manaus Amazonas CEP 999, endereço eletrônico ..., vem, respeitosamente, à presença de Vossa Excelência, por intermédio seu advogado(a) ao final firmado(a), com procuração anexa e endereço eletrônico ..., com fulcro nos artigos 769 e 840, §1º, da CLT c/c artigos 15 e 319 do CPC , propor a presente

 

RECLAMAÇÃO TRABALHISTA sob o rito ORDINÁRIO

Em face de NIMBUS S.A., situada na Rua Leonardo Malcher, 7.070 Manaus Amazonas CEP 210, pelas razões de fato e de direito (causa de pedir) que passa a expor:

 I - DA JUSTIÇA GRATUITA (art. 790, §§3º e 4º, CLT)

Inicialmente, requer-se, desde já, a concessão do benefício da Gratuidade de Justiça, consoante disposto no artigo 5º, LXXIV, da CF/88 e nos §§ 3º e 4º do art. 790 da CLT e item I da Súmula 463 do TST, eis que a parte reclamante não dispõe de meios financeiros para suportar as custas processuais sem prejuízo do seu próprio sustento e da sua família, visto que se encontra desempregado.

 

II. DA COMISSÃO DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA (art. 625 A, CLT)

 

Considerando a axiológica inafastabilidade da jurisdição e o entendimento doutrinário e jurisprudencial majoritário (ADIs 2.139, 2.160 e 2.237) no sentido de que a submissão dos conflitos trabalhistas à comissão de conciliação prévia, prevista na CLT em seus artigos 625 A e seguintes, é medida facultativa, vem o reclamante a este juízo para buscar a solução de seu conflito.


III. DA TRAMITAÇÃO PRIORITÁRIA (art. 9º, inc. VII, da Lei n. 13.146/2015)


Preconiza o art. 9º, inc. VII, da Lei n. 13.146/2015 (Estatuto da Pessoa com Deficiência) que a pessoa com deficiência tem direito a receber atendimento prioritário durante a tramitação de processos judiciais e em processos administrativos em que for parte ou interessada, inclusive em todos os atos e diligências.

Logo, considerando que o reclamante é pessoa com deficiência, requer seja assegurada a tramitação prioritária do feito.


IV. DOS FATOS

O reclamante trabalhou na fábrica de componentes eletrônicos Nimbus durante o período de 10.10.2012 a 02.07.2014, oportunidade na qual foi dispensado sem justa causa e recebeu, corretamente, sua indenização. O funcionário trabalhava de 2ª a 6ª feira, das 8h às 16h45min, com intervalo de 45 minutos para refeição, e aos sábados, das 8h às 12h, sem intervalo.

Referida empresa possui 220 empregados, sendo que o reclamante é pessoa com deficiência (PCD) e soube que, após a sua dispensa, não houve contratação de um substituto em condição semelhante.

Durante o período de trabalho, o e-mail pessoal do reclamante era monitorado pela empresa porque, na admissão, estava ocorrendo um problema na plataforma institucional. Via de consequência, a ex-empregadora acordou com os empregados que o conteúdo de trabalho seria enviado ao e-mail particular de cada um, desde que pudesse fazer o monitoramento.

Ocorre que, em razão disso, o empregador teve acesso a diversos escritos e fotos particulares do depoente, inclusive conteúdo que ele não desejava expor a terceiros.

Não bastasse isso, durante o contrato, o reclamado sofreu descontos a título de contribuição sindical e confederativa, mesmo sem sua expressa e prévia autorização.

Assim, a reclamante pretende o pagamento de indenização pela empresa, em razão dos danos morais sofridos no exercício das funções laborativas, além da reintegração aos quadros funcionais da empresa e demais verbas devidas.

Por todo o exposto, esgotadas as tentativas de resolução extrajudicial do conflito, não resta outra alternativa ao reclamante senão buscar a tutela jurisdicional para a garantia dos direitos ora violados.

 

IV. DA FUNDAMENTAÇÃO JURÍDICA

IV.I. Da reintegração (art. 93, § 1º, da Lei nº 8.213/91)

O requerente é pessoa com deficiência (PCD) e laborava na empresa reclamada nesta condição. Todavia, mesmo em se tratando de empresa com 200 empregados, esta não fez a contratação de outro empregado em condição semelhante.

Logo, nos termos do Art. 93, § 1º, da Lei nº 8.213/91, é impositiva a reintegração do reclamante aos quadros funcionais da empresa, a fim de que seja assegurada a isonomia e a inclusão da classe de pessoas com deficiência, escopo principal da legislação supracitada.

 

IV.I. Da indenização pelos danos morais (art. 223-C, CLT)

Consoante já despendido, durante o período de trabalho, o e-mail pessoal do reclamante era monitorado pela empresa porque, na admissão, estava ocorrendo um problema na plataforma institucional. Via de consequência, a ex-empregadora acordou com os empregados que o conteúdo de trabalho seria enviado ao e-mail particular de cada um, desde que pudesse fazer o monitoramento.

Ocorre que, em razão disso, o empregador teve acesso a diversos escritos e fotos particulares do depoente, inclusive conteúdo que ele não desejava expor a terceiros.

Por conseguinte, denota-se indevida violação à vida privada e à intimidade do reclamado, garantias fundamentais tuteladas pela Constituição Federal (art. 5°, X) de 1988, que também devem ser respeitadas nas relações de trabalho, tratando-se de aspectos pessoais do empregado.

Tais garantias também são preconizadas na Declaração Universal dos Direitos do Homem e sua Regulamentação Socioeconômica, da qual o Brasil é signatário, em seu artigo XII, o qual disciplina que "Ninguém será sujeito a interferências na sua vida privada, na sua família, no seu lar ou na sua correspondência, nem a ataques à sua honra e reputação. Todo homem tem direito à proteção da lei contra tais interferências ou ataques".

Logo, é evidente o cometimento de ato ilícito por parte da empresa reclamada, circunstância que causou extremo desconforto e abalo psicológico ao reclamante.

Nesse sentido, aplicam-se à reparação de danos de natureza extrapatrimonial decorrentes da relação de trabalho apenas os dispositivos do respectivo Título da CLT, conforme consta do artigo 223-C do diploma legal. Logo, deve a reclamada indenizar o reclamante conforme se dispõe no artigo 223-E, 223-C e 223-G da CLT, e, subsidiariamente, no artigo Art. 5º, X, da CF/88 e artigos 21, 186 e 927, todos do CCB.

IV.VI. Do Intervalo Intrajornada (art. 71, caput, CLT)

 

Considerando que o horário de labor do trabalhador ultrapassava o período de 08 horas diárias (laborava 8 horas e 45 minutos), este possuía direito ao intervalo intrajornada de 01 hora diária, conforme estabelece o artigo 71, caput, da CLT.

Contudo, o obreiro realizava somente 45 minutos de intervalo intrajornada para alimentação e repouso, acarretando a supressão de 15 minutos, circunstância que viola o artigo 71, §4º, da CLT.

Logo, ante a ilegalidade apontada, o reclamante fazer jus ao percebimento do valor de 50% de acréscimo sobre o período suprimido (15 minutos, contados os 5 dias semanais segunda a sexta), consoante a Súmula 437, I, do TST.

IV.VIII. Da devolução do desconto da contribuição sindical (artigo 578 da CLT)

Preconiza o artigo 578 da CLT que a possibilidade do desconto de contribuição sindical deve se dar com a previa e expressa autorização do empregado.

Não obstante, o reclamante que nunca autorizou qualquer desconto sindical tinha debitado de seu salário o valor de R$..., a título de contribuição sindical.

Destarte, pugna-se a devolução do valor descontado a título de contribuição sindical, ante a ausência de consentimento do trabalhador, o que caracteriza violação ao disposto nos artigos 578, 579 e 582 da CLT, bem como à Súmula 666 do STF, PN 119 TST e OJ 17 da SDC, do TST.

IV.IX. Dos Honorários advocatícios (art. 791-A, §2º, da CLT)

 

Os artigos 791-A e 791-A, parágrafo 5º, da CLT, asseguram que ao advogado serão devidos honorários de sucumbência, fixados entre o mínimo de 5% e o máximo de 15 % sobre o valor que resultar da liquidação da sentença, do proveito econômico obtido, ou, não sendo possível mensurá-lo, sobre o valor atualizado da causa.

Pugna o reclamante pela fixação dos honorários de sucumbência em razão deste estar sendo representado por advogado particular, conforme se observa do artigo 791-A, §2º, da CLT.

V. DOS PEDIDOS

 

Por todo o exposto, pugna-se a procedência dos pedidos constantes nessa ação, com a consequente condenação da reclamada à(ao):

a) Pagamento de indenização pelos danos morais sofridos pelo reclamante, no montante de R$...;

b) Concessão dos benefícios da justiça gratuita de acordo com a forma disciplinada pelo art. 5º, inc. XXXIV, alínea "a", da Carta Magna em vigor e leis 1.060/50 e 7.115/83;

c) Pagamento de honorários advocatícios de sucumbência, fixados em 15% sobre o valor da liquidação da sentença, consoante justificativa em tópico próprio;

d) Pagamento de indenização no valor de R$.. sobre o tempo suprimido no intervalo intrajornada;

e) A notificação da reclamada, sob as penas da lei, para responder a presente reclamação trabalhista.

f) A tramitação prioritária do feito, com fulcro no artigo 9º, inc. VII, da Lei n.° 13.146/2015.

VI. DAS PROVAS

 

Protesta a reclamante pela possibilidade de produzir todas as provas cm direito admitidas, especialmente o depoimento do Consignatário, sob pena de confissão {súmula 74, do TST), oitiva de testemunhas, prova pericial e inspeção judiciai, caso se verifiquem necessárias no decorrer do processo.

 

VII. DO VALOR DA CAUSA

Dá-se à causa o valor de R$ ....

Nestes termos,

Pede deferimento.

Município/estado..., data...

ADVOGADO(a)

OAB...



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso