Ir direto ao conteúdo

Redes Sociais do Jus Navigandi

  1. Renata de Paula Tavares
    19/06/2011 12:25 | editado

    Sou separada e tenho a guarda da minha filha de 2 anos e oito meses. Foi acordado em audiência que: no dia em que a criança completasse 2 anos, o pai poderia retirá-la a cada quinze dias nos finais de semana com direito a pernoite, ou seja a criança ficaria de sabado até domingo final da tarde com o pai. Porém até aí tudo bem. O que ocorre é que a criança já consegue expessar-se melhor sobre sua rotina. E fala com mais clareza como foi o final de semana com o pai. E após o ultimo final de semana quando a criança voltou da casa do pai. Fui dar banho na criança, e ela apontou para seu orgão sexual e falou " o do meu pai é diferente do meu". Despertei para o assunto e comecei a observar melhor. E a cada banho ela fala uma frase diferente "eu vi o peru do papai", "eu vi a cueca do papai", "eu vi a calcinha da ....."; "A...... me deu banho","eu dormi com o papai e a ....... "; " Eu fui com o papai na casa da....... " e verbaliza sempre o nome da mesma pessoa. Acho que esta pessoa deve ser a namorada do pai. E sempre a criança fala aguma coisa neste sentido, fala bastante também quanto esta brincando, sozinha em casa. Já pedi até para observarem a criança também na escolinha. Eu estou muito preocupada, pois minha filha também esta com comportamento de querer abrir o ziper da calça das pessoas que vem em casa nos visitar, seja mulher ou homem. Alegando querer saber se é igual o do papai. Eu explico para a criança que isso não podemos fazer. O pai veio buscar a menina para passar o final de semana com ela. Eu falei que queria falar com ele, antes de entregar a menina. E falei "Olha a menina esta falando que viu o seu "peru, sua "cueca" e anda com comportamento muito estranho. Ele respondeu "sabe o que é? É que eu tomo banho com ela, ela pergunta o que é... e eu falo: "É o peru do papai". Eu falei para ele: "mas ela é muito pequena e esta situação esta repercutindo negativamente para a menina. Esta estimulando a curiosidade da menina e ela é muito pequena para isso. E pedi por favor para ele não tomar banho com a menina. Ele me respondeu, "eu tomo banho sim, e daí eu sou o pai"?. Ele falou ainda : " O meu pai tomava banho com o meu irmão caçula e o que é que tem? Eu respondi: " O que tem é que seu irmão caçula é menino". E você tomar banho com a menina esta gerando comportamentos inadequados na criança. Pedi também para que ele falasse com a .... pessoa que deve ser a namorada, para não mostrar a calcinha para a menina, e ele me respondeu? Quem é ....; Eu respondi não sei, só sei que a menina fala muito este nome. E o que esta em questão é o banho com a menina. Bom percebi que com o pai não tem diálogo. E eu preciso preservar a integridade de minha filha. Pensei em fazer um B.O., ou até mesmo pedir visita assitida. Por favor se alguem puder me orientar eu agradeço. Pois não sei como proceder neste caso.

    Obs: O pai confirmou que toma banho nú com a menina. E não quero fazer julgamento, mas a pessoa que minha filha fala tanto e que deve ser a namorada. Acredito que também toma banho com a criança. Pois caso contrário é muito estranho a menina ver a calcinha dela.
  2. Mateus_ad_hoc@hotmail.com
    19/06/2011 13:08 | editado

  3. Renata de Paula Tavares
    19/06/2011 13:39

    Cadê a resposta, diz que tenho 02 comentários, mas cadê?????? Pelo menos não estou viasualizando os comentários????????????????
  4. Maria Tereza Adv.
    19/06/2011 14:57

    Renata, vc pode entrar na justiça relatando o caso e pedindo estudo psicossocial da sua filha, e enquanto rola a acao, vc pode pedir suspensao das visitas ou visitas assistidas.
  5. FJ-Brasil (Morreu)-Fim do Mundo
    19/06/2011 15:03

    Usuário suspenso

    Renata,
    O comportamento da sua filha é até natural, pois a criança quando esta longe da mãe, como no seu caso de separação, e esta vivendo um momento diferente junto ao pai e a suposta namorada. Porém, devido ao fato que a criança nunca teve muito contato com o pai, ou seja principalmente uma relação de intimidade no qual acontece nas familias tradicionais...realmente não é nada adequado ele tomar banho e mostrar a genitalia para uma criança de menos de 3 meses. pois eles não tem uma relação de intimidade afetiva de pai e filha, isso só desperta mais a curiosidade da criança. Esse pai esta agindo de forma irresponsavél ( conforme voce mesma esta relatando os fatos ), Agora vamos analisar pelo lado juridico, o juiz sempre irá analisar o melhor interesse da criança, pois não basta o seu simples relato para conseguir a visita assistida. para isso voce precisa de provas, ou seja, levar a sua filha a uma psicologa, solicitar um laudo técnico, gravar as conversas com o pai da sua filha, no qual ele afirma ser muito normal e natural tomar banho com a menina. Voce só precisa agir de forma correta e honesta. nunca desejar a separação de pai e filha. mas preservar e principalmente se preocupar com o desenvolvimento psicologico da sua filhinha.
    voce pode solicitar ao juiz, que a sua filha não tenha pernoite, e dizer que ele pode ver a filha quando quiser... mas ela é muito pequena para dormir com ele , e esses fatos estão deixando ela confusa...só tenha muito cuidado com a lei da alienação parental. seja sempre um ótima mãe.
    abraço!
  6. libras
    19/06/2011 15:29 | editado

  7. FJ-Brasil (Morreu)-Fim do Mundo
    19/06/2011 15:42

    Usuário suspenso

    Libras,
    vou discordar de voce.
    levar qualquer caso ao juiz, não é rapido e sim muito lento.
    a questão não é "si" ele morrasse com voce...isso não acorre. então é um fator irrelevante.
    o abuso infantil nem sempre é fisico, na maioria das vezes é psicológico.
    voce tem razão, ninguem morre se fica um dia sujo, mas isso não é nada bom para educação de uma criança, pois a higiene é fundamental para os bons habitos, e assim possam se tornar adultos com boa conduta e moral!
  8. Renata de Paula Tavares
    19/06/2011 16:28

    Para FJ-Brasil : Obrigada FJ-Brasil, entendi bem suas orientações, gostei muito pois o Sr. falou como pai e como pessoa, porém falou também como profissional na visão do lado jurídico. Gosto muito do Sr., pois já li muitos cometários de sua parte em outros casos. E como sempre vejo que o Sr. responde dentro da ética, seriedade e com muita competência.

    Para Sra. Rosa Albuquerque, também acho a Sra. muito competente, já li orientações da Sra. em outros casos e como sempre a sra. também responde com muita seriedade e a agradeço também por me orientar dentro da visão juridica.

    Que bom que existem pessoas como vocês, neste forum. Seria bom que todos os voluntários fossem tão competentes como os senhores. Para nós leigos é muito bom poder contar com pessoas como vocês.

    abraços
  9. Fernanda......
    19/06/2011 17:00

    Boa tarde Renata.
    Se a senhora permite minha opinião, vou relatá-la.
    Ambos os colegas tem sua razão, a colocação de ambos esta correta. Mas mesmo respeitando os dois colegas, acredito em meu conceito que a visão do colega FJ-Brasil, é mais sensata.
    Por essa razão acredito ser uma medida preventiva a senhora requerer ao juiz, que a sua filha não tenha a pernoite com o genitor, e permita que o pai possa ver a sua filha quando quiser, a qualquer dia da semana, desde que comunique com antecedência. Justifique o pleito pelo fato da criança ter pouca idade, e apesar do zelo do pai, a criança estranha ficar longe da senhora, com tudo a criança esta ficando confusa, e do mais quando a criança completar mais idade a senhora irá permitir novamente a pernoite com o pai.
    Já com o pai, o conselho da colega é muito bom, conversa com seu ex. marido peça a ele tomar banho de sunga com a menina se for o caso de banho.
    E fica prestando atenção nos fatos narrados, e caso à senhora desconfie do pior, procure um advogado que ira orientá-la como agir, mas de imediato suspenda a retirada de vossa filha de sua casa. Mas tome cuidado em acusar o pai sem provas. A situação narrada pela senhora é normal em algumas famílias, em minha opinião, deixando o ordenamento jurídico de lado, não acredito ser saudável a uma menina tão pequena ter essa liberdade com o pai.Mas em varias famílias isso é normal. E como existe a dúvida, e esperamos e queremos acreditar nas pessoas, o pai pode ter as melhores intenções. Se realmente é aberta uma discussão judicial sem provas concretas, irá gerar um conflito sério entre a senhora e o genitor. Por essa razão, tome pequenas medidas como requerer o fim do pernoite. Acompanhe os passeios entre a filha e o pai. Nessa questão o cuidado, e alerta a cada fato será fundamental. E leve a criança ao psicólogo esse profissional ajudará demais nesse caso, repasse esse relato ao mesmo, tenho certeza que a senhora ficará mais tranqüila com a ajuda desse profissional.
    Espero ter contribuído.
  10. mariandra
    01/07/2011 22:41

    Desculpem me meter, mas como defensora de crianças sempre...! Minha amiga. tenha muito cuidado com a saúde emocional da sua filhinha, qualquer passo em falso, podera causar-lhe um grande trauma!
    Meu conselho é que fale abertamente com seu marido, na presença de um psicólogo que poderá orientar a ambos terem uma conduta equanime na criaçaõ da menina! E cuidado com "paranóias". Um BOM , Sério e étio profissional darás as orientações necessarias para uma convivencia pacífica e SEM TRAUMAS entre todos voces!
    boa sorte
  11. safira azul
    10/07/2011 02:25

    Bom, minha fi lha passou por situação semelhante. aos 4 anos de idade o pai foi tomar banho com ela e baixou a sunga, forçando-a a ver o pênis dele. A menina nao relatou nada na epoca. Cerca de 6 meses mais tarde, ela contou para a avó que tinha medo do pai pq ele havia mostrado o pinto pra ela e que ela havia tapado o rosto pra nao ver, pq era feio. Desde esse dia ela so toma banho de calcinha e tem medo de alguem a ver sem roupa. Eu nunca morei com ele, isso aconteceu em uma das visitas estipuladas pelo juiz. A partir dai ficamos vigilantes com ele. Mas, quando fui pedir pensao, ele ficou com mto odio, e resolveu pedir regulamentação de visitas , pedindo pra levar a menina pra conhecer os avós. eu entrei em panico, pq me lembrei do acontecido no banheiro. Procurei um psicologo para conversar com a menina e tb um advogado de um nucleo que atende pessoas que passaram por tal situação. A advogada me disse que se ele havia extraido algum prazer sexual com essa atitude, ele poderia sim voltar a fazer isso. E me informou que crianças nao mentem e que eu deveria acreditar na menina. Eu fiquei com medo de denunciar. Passados 6 meses, a advogada desse orgão me ligou e me disse que eles mesmos iriam oferecer a denuncia contra ele. Não pude evitar. Ele foi denunciado. Fez-se estudo social apenas comigo e nao com ele. A juiza arquivou o processo. Agora ele esta com odio equer levar a menina pra longe com ele , sem a presença de ninguem. Lembrando que ele bebe demais e usa drogas.
    bom, eu so posso dizer que um pai que expõe o penis para uma menina ficar observando pode ser um pedófilo em potencial. Nao acho natural nem normal pais ficarem exibindo penis para filhas. Pelo menos essa nao foi a cultura em que fui criada.
    Eu sugiro que denuncie para nao ser cumplice em algo pior mais a frente.
    Se vc mesma nao quiser denunciar, procure um orgão de amparo à criança, eles mesmos denunciam e respondem por isso. Leve a menina ao psicologo, peça uma avaliação. Peça tb a avaliação dos psicologos do forum. JAMAIS DESACREDITE DE SUA FILHA, ISSO PODERÁ INCUTIR NELA A IDEIA DE ABANDONO. E LEMBRE-SE : SUA FILHA CONFIA EM VC E TE PEDE SOCORRO. NAO A ABANDONE.

Participe do Fórum

Entre com seu cadastro do Jus Navigandi:

Esqueceu sua senha?

Não tem Facebook e quer participar do Fórum?

Faça perguntas, responda dúvidas e discuta assuntos jurídicos. É fácil e grátis!

JUS NAVIGANDI NAS REDES SOCIAIS