No tempo da democracia para muitas coisas, alguns ou muitos pontos estão soltos.

         Por definição, sou mais democrata do que liberal e mais republicano do que democrata. No geral, defendo a democratização das instituições públicas e dos institutos que, teoricamente, organizam a vida comum do homem médio.

            Para muitas questões, creio mesmo, deveríamos aplicar a tecnologia já conhecida para incrementar a democracia política. Um desses debates seria, por exemplo, acerca do quantum de energia e de economia aplicaríamos na educação pública. Mas, que fossem recursos aplicados de forma a desenvolver o conhecimento (o que antigamente se chamava de “conteúdo”) – que os recursos não fossem utilizados para o marketing juvenil, como unicamente a compra de equipamentos X ou Y a fim de manter jovens “plugados”. Mesmo porque este é um erro crasso, juvenil, ao se confundir conhecimento com técnica, conteúdo com forma. É certo que não existe conteúdo sem forma, mas é ainda mais certo que a forma não revela, não educa.

            Aliás, em meio a um desses plugs é que se inventou a eleição direta para diretor de escola. Não sei dizer se na origem da ideologia já havia o populismo e a demagogia, ou se a proposta foi demonizada depois; porém, o resultado mostra que o povo é ludibriado em mais uma artimanha de aproveitadores da coisa pública.

Um em cada cinco diretores de escolas públicas no país é alçado ao cargo por políticos [...] A indicação política afeta a rotina das escolas, segundo associações de professores de seis Estados ouvidas pela reportagem. Os relatos citam escolas divididas por partidos, perseguições políticas, dificuldade para aprovar pedidos e falta de integração com a comunidade[1].

          

            É óbvio que a mesma realidade seria verificada se aprovassem a eleição direta para os gestores da universidade pública. Não se tem conhecimento aprofundado, mas a forma de governo que rege a universidade é a meritocracia e não a democracia. O objetivo da universidade é produzir o conhecimento que possa ser universalizado, por óbvio, e não a moeda de troca das relações políticas comezinhas.

Como se trata de mérito, o candidato a diretor ou reitor da universidade deve ser, no mínimo, doutor. Por que? Porque se admite que a autonomia diante do conhecimento só se dá após este processo de maturação intelectual, cognitiva. Nesta fase, sem recair nas tolices de certo positivismo, pode-se dizer que o sujeito é capaz de controlar o objeto do conhecimento: não se confunda objetividade com neutralidade. Em tese, é o professor doutor que administra o conhecimento com maior profundidade e isenção.

Considera-se, portanto, que o professor doutor é o cidadão da universidade e isto é o que não permite a paridade no processo decisório no âmbito da universidade pública. Diante do conhecimento, é supérfluo o grito individualista da democracia formal de John Lo />


[1] http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/10/1352772-politicos-indicam-1-em-cada-5-diretores-de-escolas-publicas.shtml.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria