A agência de notícias Reuters divulgou recentemente uma notícia assinada por Tamora Vidaillet que a suspensão da censura imposta pelo Governo Chinês a determinados websites estrangeiros tinha validade somente durante a realização da reunião da APEC (Cooperação Econômica Ásia-Pacífico). Assim, como de costume, logo após o término da reunião, o governo chinês voltou a proibir o acesso a diversas páginas na Internet.

A notícia me fez lembrar dos serviços prestados pela Safeweb[1] (www.safeweb.com). A triangulação no acesso à Internet permite que um usuário tenha acesso a determinado endereço "proibido" ou que deseja privacidade por meio de um terceiro servidor que fará por ele a conexão, recebendo e enviando os pacotes de informações, em regra criptografados (escritos de forma cifrada, em códigos e de difícil decriptação), para seu computador. Desta forma, se eventualmente alguém interceptar a conexão do usuário com o seu provedor, seja discado ou ADSL (banda larga), estará diante do seguinte cenário: o usuário "x" o tempo todo conectado em um só endereço (o da Safeweb, por exemplo, caso este seja o serviço de triangulação escolhido) e trocando informações criptografadas. Resultado: para fins periciais nada poderá ser esclarecido. É o drama. Volto a ratificar que a questão probatória é o grande problema nestas questões de Internet e informática.

A maioria dos criminosos que atuam na Internet, além de utilizar técnicas variadas, como alteração do cabeçalho dos pacotes do IP (IP Spoofing), utilizam o recurso apresentado acima. É importante ressaltar que o serviço prestado pela Safeweb tem grande importância para garantir a liberdade de comunicação na Internet. Um exemplo clássico é o caso da censura imposta pelo governo chinês. Sobre o tema, inclusive, testemunhamos a favor de Safeweb (http://fugu.safeweb.com/sjws/solutions/testimonials_safeweb.html). O serviço é indispensável e de relevada importância. Importante lembrar que a empresa prestadora do serviço pode ser obrigada judicialmente a fornecer informações que facilitem a identificação do usuário, principalmente agora, após os atentados terroristas nos Estados Unidos que deram ensejo a diversas alterações na legislação norte-americana no tema.

Por isso que sempre dissemos que a apreensão tempestiva dos computadores dos criminosos, quando identificados, especialmente de sua unidade de disco rígido pode ser de vital importância para manter a integridade de eventual conteúdo probatório residual. Vide: (http://tolvanen.com/eraser) – software que parece capaz de apagar "definitivamente" dados em discos rígidos. Não se deve aceitar a apresentação, tão-somente, da unidade de disco rígido, já que obviamente é possível a apresentação de outra unidade. Importante a apreensão inesperada e tempestiva do computador, a fim de evitar formatação, substituição de unidade de disco rígido, etc. Me lembro de um lojista na avenida Paulista, em São Paulo, capital, que possuía em seu computador um winchester (unidade de disco rígido) removível em uma bandeja. Por mais inacreditável que possa parecer, havia um orifício na torre do computador. Dizia ele que com a chegada da fiscalização, bastava "puxar o ´winchester´ e colocar outro no lugar". Segundo ele, a operação acontecia em razão de determinadas informações de interesse fiscal que eram armazenadas na unidade de disco removível. Vejam a criatividade criminosa.

Por fim, é possível ainda que os autores de crimes pela Internet utilizem "cybercafés", locais públicos para acesso à Internet, tais como livrarias e shopping centers para dificultar o rastreamento. Ressalte-se, por oportuno, que determinados serviços desta natureza possuem sistema de circuito fechado para filmagem dos usuários (com gravação e arquivo das imagens por determinado período de tempo). Tal informação, associada a testemunhas e outros dados probatórios podem ser úteis nas investigações de delitos do gênero.

O contato com os provedores de Internet também é indispensável, já que é possível encontrar tecnicamente rastros de determinadas operações em "trilhas de auditoria – log" e outras informações importantes nos servidores.


Notas

1.Importante citar a Anonymizer (www.anonymizer.com), que funciona desde 1996. Mas atualmente os serviços prestados pela Safeweb são bem melhores em nossa modesta opinião técnica, além de totalmente gratuitos.



Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

ELIAS, Paulo Sá. Triangulação no acesso à Internet. Aspectos positivos e negativos. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 7, n. 53, 1 jan. 2002. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/2549>. Acesso em: 23 out. 2018.

Comentários

0

Livraria