No século XX, o direito surgiu como um conjunto complexo (sistema) de normas jurídicas e de regras sociais .

No século XX, o direito surgiu como um conjunto complexo (sistema) de normas jurídicas e de regras sociais (direito positivo e costumes) que atuam na normalização (normatização) das relações sociais e jurídicas, na vida comum do homem médio (controle social) e na organização do Poder Político (poder unificado), como expressão da soberania popular (Vontade Geral), e muitas vezes em desafio às discrepâncias sociais e jurídicas, ao antidireito, e a fim de se reafirmar a legitimidade e a perfectibilidade do Estado Racional (como utopia de direito passível de Justiça e não mera ficção).

1.SÉCULO XX: o direito no século XX movimentou-se em dois grandes sentidos, sob o controle do capital financeiro, mas igualmente como produto de resistência na forma do direito coletivo e difuso. O século XX ainda é um marco na passagem das tradições da modernidade clássica para o que se chamou de pós-modernidade (com o enfraquecimento do mesmo Estado gerador de direitos sociais).

2.DIREITO – resulta da luta política em torno da afirmação da soberania popular, muitas vezes contra o próprio Estado. O direito, portanto, equivale à transformação do dever de obediência em garantias e liberdades para se requisitar e conquistar outros direitos.

3.COMPLEXO (complexus) – designa uma rede, uma teia de relações ou de significados que se articulam em escala global.

4.SISTEMA – conjunto ordenado/sistematizado de regras e de normas coerentes entre si, eficazes (eficientes), abstratas, universais (gerais) e legitimadas pela vontade geral dos indivíduos/sujeitos de direito (individuais e coletivos).

5.NORMAS JURÍDICAS – são normas “autorizadas” (outorgadas ou promulgadas) pelo Estado a fim de que o direito seja positivo (para que o direito atue como meios reguladores, como filosofia de vida, em que o positivismo seja um caminho reto, positivo).

6.REGRAS SOCIAIS E JURÍDICAS – são regras do convívio, muitas limitadas ou instigadas pela moral prevalecente, em determinado contexto e de acordo com as características apoiadas pelo grupo social predominante ou hegemônico.

7.DIREITO POSITIVO – direito posto, como direito imposto pelo Estado. No Brasil, pela dicotomia muitas vezes notada entre o direito e a realidade social, o direito posto raramente é um direito interposto, em comunhão e de acordo com o consenso. Também pode ser o direito escrito “codificado”, salvo algumas exceções, como do direito administrativo e da CLT (que é uma Consolidação das Leis Trabalhistas).

8.COSTUMES – vem de ethos: padrões de convivialidade (ética). Interliga-se à cultura, mas não a substitui como sinônimo.

9.NORMALIZAÇÃO – tanto a norma social quanto a regra jurídica procuram afirmar o que o senso geral de convivência define como normal (padrão social), em oposição ao anormal (patologias sociais, como as psicopatias).

10.NORMATIZAÇÃO – imposição de regras jurídicas que seguem um padrão de normas comuns e aceitas por todos.

11.RELAÇÕES SOCIAIS – são relações que resultam da regularidade nas ações sociais (como ação em que o sentido subjetivo do indivíduo ou dos sujeitos está referido à conduta de outros indivíduos/sujeitos envolvidos pela relação jurídica). O afeto e a amizade podem ser exemplos de relações sociais, ao passo que o aperto de mãos indica uma ação social. Há uma nítida diferença de intensidade.

12.VIDA COMUM – chamado de o “mundo da vida” inclui os padrões habitualmente aceitos, além de todo o sistema de normas e de regras que surgem e se articulam a partir do Mundo do Trabalho (formal e informal), das relações familiares e privadas e do espaço público da política (no que se refere à política tradicional, às vezes oficial, mas também aos poros em que se articulam a insatisfação e a revolta).

13.HOMEM MÉDIO – aquele indivíduo/sujeito que atua, vive, colabora/participa do mundo da vida comum, quase que anonimamente, que expressa uma consciência mediana (senso comum) acerca do direito e do poder; mas, que está sob o alcance integral do Poder Político (do Estado que formula o direito que regula a vida das pessoas comuns e ao próprio Poder Público).

14.CONTROLE SOCIAL – relacionam mecanismos de organização social que impedem a desordem, a desarticulação social e que se verificam nas discrepâncias que ameaçam a estabilidade social.

15.PODER POLÍTICO – comumente, refere-se ao Estado como instituição por excelência. Contudo, o Poder Político é uma organização do poder de comando, sendo o Estado ou um conjunto de Estados (commonwealth) ou mesmo uma organização coletiva (a exemplo dos colegiados presentes nas comunidades primitivas).

16.PODER UNIFICADO – o poder assim definido, derivado do processo de laicização (como indutor do crescente Princípio da Tolerância, em função de maior isonomia e objetividade ou racionalidade das relações políticas), ainda se apresenta como resultado direto do Estado Laico; separando-se o poder secular do poder sagrado, obriga-se ao Estado não-diferenciar, negativamente, entre seus concidadãos[1].

17.SOBERANIA POPULAR – ao contrário da Teoria Clássica da Soberania que tem forte presença no pensamento de Hobbes (summa potestas – potestade[2]), a soberania popular pressupõe que o Estado, como Poder Político, seja exercido democraticamente, de acordo com os interesses sociais e populares, além de ser um poder regulado pelo direito democrático (este sentido é bem claro na expressão do legislador português, ao referir-se ao Estado de direito democrático).

18.VONTADE GERAL – os clássicos da Teoria Política se referiam à soberania popular como Vontade Geral; porém, não se aplica como somatória das vontades particulares porque a lei (como direito positivo) é resultado do entrechoque entre vontades particulares (lobbies) – na arena política –, especialmente no Parlamento, e que atingem um grau de maturação – universalidade – graças à sublimação, depuração, abstração das próprias razões e motivos que originaram o projeto legal[3].

19.DISCREPÂNCIAS SISTÊMICAS E JURÍDICAS: todo sistema (por mais organizado que seja) precisa de oxigenação a fim de que se adapte às mudanças sociais e assim atenda às novas exigências coletivas. O que permite este movimento social são justamente as discrepâncias. Todavia, se a entropia é superior ao nível de acomodação e à capacidade de absorção, as mudanças (antes requeridas) transformam-se em distopias.

20.ANTIDIREITO – é preciso não esquecer que o antidireito nos leva direto para um tempo pretérito, para um passado meio sombrio, de pouca luz, como se estivéssemos em meio às trevas do Estado de (não)Direito. É preciso lembrar que o antidireito é sinônimo de antes do Direito, ou seja, o tempo, a fase ou o momento onde predominava o uso da força, com a negação veemente de muitas condições políticas – a exemplo das garantias que seriam prestadas aos adversários, mas que hoje, graças à negação dessas garantias, acabaram por transformar os dissidentes em inimigos. Pois bem, o antidireito e o direito positivo transparente – mas estanque na defesa do patrimonialismo – são exemplos da mais pura negação do Direito[4].

21.LEGITIMIDADE – aproximando-se do conceito/sentido expresso tanto na soberania popular quanto na ordem jurídica democrática, a noção de legitimidade do Estado preserva conteúdos complementares: 1) Sem a conotação social, o direito é instável e, portanto, gera-se uma insuperável insegurança jurídica; 2) Sem sociabilidade, o direito se reduz ao monismo de subsunção, o direito que provém do Estado tende a se identificar com o poder estabelecido; 3) Ao servir à Razão de Estado, o direito se desincumbe da obrigação de servir à sociedade.

22.PERFECTIBILIDADE – nenhum sistema é perfeito, mas como medium, o direito tende ao aprimoramento, à perfeição sistêmica, especialmente se observarmos no longo prazo, desde sua separação da moral, dos preceitos religiosos, e até se afirmar como regras gerais, abstratas.

23.ESTADO RACIONAL – a partir de Max Weber, entende-se como um processo de contínua e crescente racionalização da vida pública, o que implica em dizer que também o Poder Político não mais se isentará do alcance de regras igualmente racionais. Por fim, pode-se dizer que o Estado é um agente ativo do processo civilizatório, uma vez que o Poder Político é resultado do direito e, sob esse controle, produz novas leis.

24.UTOPIA DE DIREITO - quando se busca a verdade e a Justiça, o Direito tem que ser muito mais do que uma figura de linguagem: por melhores que sejam as intenções, é preciso relembrar que o brilho cega, ou seja, a Justiça não pode ser substituída pela iconoclastia da Justiça. A utopia pode transformar a realidade, mas tem que ser uma utopia possível – a limitação da expressão está em que esse direito nuançado que temos hoje não consegue reduzir as mazelas sociais das classes menos privilegiadas, populares e ainda vemos o pensamento corrente de que há uma espécie de excesso de direitos. O que é contrassenso, senso comum, limitado às aparências, pois, se somos iguais perante a lei, não há direitos demais (a não ser que se tome isso por privilégios).

25.JUSTIÇA – por Justiça se entenda inicialmente o Princípio da Equidade (como equilíbrio social) em que os mais fracos são tratados/preservados dos riscos e das ações diretas daqueles que detém o poder: tratar os iguais, igualmente; os desiguais, desigualmente. Na regra geral há a isonomia, mas diante do desequilíbrio social, cabem recursos/instrumentos de recomposição sistêmica (como o discrímen: regras que discriminam para proteger os desafortunados).

26.FICÇÃO – o direito é uma ficção porque se trata de criação humana, é uma invenção (como intervenção no curso regular da vida social), um artificialismo que substitui as ações humanas não reguladas e regidas pelo direito, como a vingança privada.


Notas

[1] São princípios da soberania no Estado Atual: a exclusividade, universalidade, inclusividade

[2] Refere-se à soberania como o poder próprio, inerente, específico do Estado e que se apresenta como evidente supremacia sobre os indivíduos e as sociedades de indivíduos que formam sua estrutura social, e, a par disso, é independente de todos os outros Estados.

[3] A lei, resultado dessa abstração de realidade, após o longo processo de depuração/transformação em que se submete no Poder Legislativo, em seguida, será aplicada conforme o procedimento jurídico designado como subsunção: a norma eleva-se sobre a realidade que lhe deu origem, abstraindo-se de suas implicações históricas imediatas, formalizando-se a ação de uma norma abstrata, em direção ao mundo real.

[4] Infelizmente, no Brasil, o tom que prevalece é o pastel, ou seja, nem isso, nem aquilo, nem cá, nem lá, esse tom apagado que não encanta ninguém, essa aquarela liquefeita em demasia e que só permite o improviso: o máximo do improviso é a tal lei que não pega.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria