A liberdade de imprensa é absoluta? Nossa Constituição Federal, assim como várias outras constituições democráticas, garantem em seu texto o direito à liberdade de imprensa. Contudo, a pergunta seria: essa liberdade de imprensa é absoluta?

A liberdade de imprensa é absoluta?

Nossa Constituição Federal, assim como várias outras constituições democráticas, garantem em seu texto o direito à liberdade de imprensa. Contudo, a pergunta seria: essa liberdade de imprensa é absoluta, ou seria relativa, dependendo do caso em questão? É necessário que haja a regulamentação deste dispositivo para que esse direito seja exercido de forma adequada?

É bem verdade que regimes autoritários temem e combatem a imprensa livre, entretanto, vários setores econômicos ou mesmo políticos se aliaram, ou criaram sistemas próprios de comunicação como rádios, jornais, revistas e TV pra defenderem interesses nada nobres como interesses de banqueiros, latifundiários e grandes conglomerados econômicos, e, para isso, se utilizam dos meios de comunicação  financiados por eles para defenderem seus interesses e contando ainda com a liberdade de imprensa, utilizada muitas vezes de forma inadequada para atingir um interesse especifico.

Como podemos observar, é tarefa extremamente difícil identificar uma imprensa livre e comprometida com a democracia, ética e seriedade, daquela  imprensa comprada ou criada para fazer o jogo de grupos econômicos ou políticos ideológicos, de modo que somente regras claras do âmbito jurídico poderão separar o joio do trigo.

Desta forma, necessário esclarecer algumas das dúvidas jurídicas lançadas no início desse texto, sendo que a primeira pergunta seria se a liberdade de imprensa é absoluta ou estaria sujeita a restrições. Pois bem, não existe direito absoluto, todos os direitos fundamentais são passíveis de restrições, até mesmo para que possamos garantir outros direitos que também existem e devem coexistir de forma harmônica entre si.

 A liberdade de imprensa não é absoluta, principalmente quando entra em conflito com outros direitos também importantes e tutelados pelo texto constitucional, como, por exemplo, o direitos de imagem, intimidade e a dignidade da pessoa humana. Esses direitos que foram mencionados devem ser garantidos mesmo quando se exerce o direito à liberdade de imprensa. Além disso, se faz importante a estrita observância à veracidade dos fatos acerca da conduta das pessoas mencionadas pela imprensa, sendo imprescindível o material probatório para fundamentar as afirmações do meio de comunicação utilizado.

Além disso, as  pessoas que defendem sistemas de regulação dos meios de comunicação não devem ser hostilizadas e perseguidas pela impressa a serviço dos grandes grupos econômicos, pois, ao fazer isso, essas pessoas ou grupos também descumprem a liberdade de livre manifestação de expressão, que quando lhes convém é invocado. A falta de critérios claros sobre esse assunto chega a criar a possibilidade de que alguns meios de comunicação façam apologia ao crime e cheguem ao absurdo de aplaudirem e incentivarem a prática de violência em casos que lhe convenham, ou mesmo em períodos eleitorais.

Nosso regime democrático tem que ser verdadeiro e não pode ser pautado por quem grite mais alto, ou por quem tem mais poder de mídia. ele deve ter regras jurídicas claras a serem cumpridas por todos, até mesmo para evitar julgamentos ou  manifestações contraditórias de nossos tribunais.

É consenso em nossa jurisprudência que a liberdade de imprensa não é absoluta, principalmente quando colide com direitos fundamentais da personalidade e ultrapassa o caráter informativo, tornando-se ofensiva e difamatória, criando com isso o direito de resposta e o dever de indenizar os danos causados.

Finalmente acreditamos que apenas com a devida normatização da imprensa, poderemos evitar os abusos cometidos e que criam uma grande insegurança jurídica em nosso pais.

Wagner Rubinelli é advogado, professor universitário, especialista em Direito Constitucional, foi deputado federal, membro da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, foi Secretário de Assuntos Jurídicos e atualmente é Vereador e Presidente da Comissão de Justiça de Mauá.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria