É perfeita a definição do Brasil dada pelo jornalista carioca Nelson Rodrigues: “A pátria de chuteiras”.

Não foi à toa, por certo, que chegou a esta conclusão e isto nos leva a pensar na influência da Copa/14 nas próximas eleições. É óbvio que as eleições irão interferir no resultado final das urnas, tanto quanto o anúncio de que os jogos seriam aqui produziu efeitos políticos naquela época. Assim, vejamos:

1) O Brasil vence e é hexa; 2) o Brasil perde e ficamos na amargura. Vamos formar o cenário: Dois homens bebem em um bar, depois da Copa e antes da eleição. O João fala para o Silva: “Rapaz, que palhaçada, tanto dinheiro gasto com estádio de futebol e alguns nem terão jogos relevantes depois da Copa”. Em caso de derrota, o Silva engole o trago e vê seu pensamento ficar mais distante, simplesmente chocado diante da realidade aplacadora. Estava sem contra-argumentos, desolado, pensando nos gols perdidos: um país sem chuteiras importantes.

Entretanto, em caso de vitória, o Silva responde todo falante, orgulhoso da pátria em chuteiras e aberto ao sorriso fácil: “Pois é, o dinheiro foi gasto mesmo, mas o Brasil é hexa, nosso maior legado é termos sido campeões. Ninguém tira isso de nós. João, fale como campeão, veja a vida com mais otimismo ”. Se ganharmos, todos que hoje são alvos associados ao dinheiro público mal aplicado deverão ter muita vantagem nas unas. Contudo, se perdermos o campeonato, não tem argumento que salve a conta que só interessa aos candidatos associados à Copa. Na derrota, a única vencedora será a oposição. De todo modo, todos nós, os contribuintes, teremos uma dívida gigante de bilhões de reais para saldarmos – e quase nenhum legado.

Com dívida estrondosa para quitar, sem legado material ou cultural – ou seja, sem nenhuma obra que dignifique o investimento realizado –, sem ganhar o caneco e com a oposição lembrando-nos disso toda hora, quem não sofrerá impacto negativo? Com a vitória, já vimos, o Silva será o primeiro a defender o campeão. E ainda pode ser pior: basta pensar que não respeitamos vice; agora, já pensou se cairmos nas quartas de final? Aí a vergonha vai tomar conta de todos, revivendo imediatamente outro sentimento nacional descrito pelo jornalista carioca: seremos atacados pela febre louca do “complexo de vira-latas”.

O Brasil, historicamente, nunca se levou muito a sério. Contudo, sempre tivemos alguns feitos para lembrar, como a própria conquista do penta. Ronaldo foi sagrado “o artilheiro de todas as Copas”. Enfim, alguns craques ainda faziam a diferença. Mas, e se perdemos até mesmo a artilharia conquistada pelo Ronaldo? Para isso, basta que o atacante alemão Miroslav Klose faça dois gols. Quer dizer, há um cenário mais ou menos – ganhar a Copa e pagar as contas – e outro bem trágico.

Seria magistral se nenhum resultado dos jogos interferisse no final das contas políticas. Seria um sinal de amadurecimento do eleitor/cidadão brasileiro. É o que todos gostariam, inclusive o Nelson Rodrigues, esteja onde estiver. Todavia, não será desse modo, pois não temos maturidade política para construir horizontes ideológicos e nem organização social efetiva que possa fornecer projetos políticos reais e condizentes com nossas necessidades acumuladas.

Tal como na seleção de futebol, de zagueiros estamos bem, o povo se defende como pode. Na política, necessitamos com urgência de centroavantes que façam gols a favor. Porque, de atacante que faz gol contra estamos bem abastecidos. Chega de gol contra.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria