O avanço social e as conquistas obtidas com movimentos revolucionários foram de fundamental importância para assegurar direitos inerentes a cada pessoa, como: a Liberdade, Vida e Dignidade...

ESTUDO CONSTITUCIONAL SOBRE O PRINCÍPIO DA DIGNIDADE E SUA APLICAÇÃO SOCIAL

Danilo Mendonça da Costa [1]

Virgínia Helena Lins Maia [2]

RESUMO

 

O avanço social e as conquistas obtidas com movimentos revolucionários foram de fundamental importância para assegurar direitos inerentes a cada pessoa, como: a Liberdade, Vida e Dignidade. Direitos estes que passaram a se compor nas Constituições de vários países como fundamentais, garantindo assim maior defesa deles por parte da sociedade e do Estado. No Brasil, essas conquistas propiciaram, dentre outros, a proteção da vida, desde o nascimento até a velhice. A concretização dessa proteção pode se dar tanto por aplicação de políticas sociais, quanto através de instituições voltadas para um fim específico. A presente pesquisa baseou-se no instituto Juvino Barreto como exemplo de instituição voltada para a proteção do idoso. Através de discussões de diversos autores como NUNES (2009), MATTAR (2012) e em Constituições como a de Portugal e a do Brasil, buscou-se explicação sobre o Princípio da Dignidade da Pessoa Humana e a proteção ao idoso. A metodologia utilizada se desenvolveu a partir da utilização de artigos científicos, livro e websites jurídicos, e de pesquisa em campo através de entrevista no próprio Instituto. O público alvo são: o Governo do Estado do Rio Grande do Norte, estudantes de direito e, em especial, os idosos.

Palavras-chave: Direitos fundamentais; Dignidade; Idoso; Responsabilidade civil do Estado.

1 INTRODUÇÃO

A preocupação com a dignidade da pessoa humana – considerada atributo inerente a cada ser humano juntamente com a evolução social viabilizada pelos movimentos revolucionários históricos – permitiram o estabelecimento de direitos fundamentais a todo ser humano em diversas Constituições, assegurando dessa forma a proteção deles pela sociedade e pelo Estado.

O exercício de tais direitos pode ser viabilizado tanto por meio de políticas sociais quanto através de estabelecimentos voltados para um fim específico.

Neste trabalho, será analisado o Instituto Juvino Barreto – instituição voltada para o abrigo e a proteção dos idosos – como exemplo de aplicação social do princípio da dignidade. Verificando-se os meios que utilizam para promover melhor qualidade de vida ao Idoso, bem como os seus objetivos.

2 MATERIAL E MÉTODOS

O presente trabalho se desenvolveu por meio de levantamento bibliográfico acerca tanto do princípio da Dignidade da Pessoa Humana, quanto de princípios e conceitos que guardam íntima relação e que contribuem para o entendimento sobre o já mencionado princípio da Dignidade, tais como o princípio da Proporcionalidade e o conceito sobre Dever Social.

Com o auxílio de pesquisa de campo, buscou-se na Instituição Juvino Barreto, por meio de entrevista [em anexo], colher dados para analisar e constatar como se dá a aplicação do princípio da Dignidade na Instituição. 

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO

3.1 Sobre a Instituição

O Instituto Juvino Barreto, é uma entidade do Serviço da Caridade Pastoral da Companhia das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo atuantes no Estado do Rio Grande do Norte, com sede e foro na cidade de Natal/RN, é entidade de direito privado, sem fins econômicos ou lucrativos.

É uma Instituição de Grande Porte de Longa Permanência para Idosos, que acolhe atualmente 115 (cento e quinze) idosos.

Ela também atua como campo de pesquisa teórica e prática na área de geriatria, para várias universidades, escolas e cursos técnicos. Graças a essa forma de atuação, ela recebe voluntários de diferentes áreas de atuação para auxiliar os idosos através de atendimentos como os de fisioterapia, enfermagem, médico e assistência social.

3.2 Os fins buscados

O Instituto Juvino Barreto tem por finalidade: promover a participação, ocupação, convívio e a integração da pessoa idosa com as demais gerações da sociedade em que ela vive; além de acolher e oferecer residência coletiva a pessoa idosa em situação de risco e abandono. Também se propõe a prestar serviços e desenvolver ações voltadas para o atendimento das necessidades básicas da pessoa idosa, mediante a participação das famílias, da sociedade, e de entidades governamentais e não governamentais. Almeja ainda, promover e defender os direitos da pessoa idosa, prestar assistência espiritual à pessoa Idosa, respeitando seu credo religioso, e promover o voluntariado. Atendendo à pessoa idosa, prioritariamente àquela vulnerabilizada pela pobreza e abandono, em sintonia com o Estatuto do Idoso.

3.3 A realização

Para a realização de seus objetivos/fins, o Instituto Juvino Barreto se vale de projetos como: o Projeto Conhecendo Nossa Cidade – que visa à realização de passeios externos com os idosos da instituição mensalmente para que ele possa conhecer e/ou rever os pontos turísticos da cidade e das cidades circunvizinhas; o Projeto Resgate da Minha Família – que visa favorecer uma maior aproximação dos idosos e seus familiares, por meio da realização de visitas domiciliares e reuniões mensais na instituição para uma maior responsabilidade dos mesmos junto aos seus entes; o Projeto Clínica – que visa ampliar as especialidades dos atendimentos médicos aos idosos, agilizando consultas e exames deles; e o Projeto Adote um Vovô ou Vovó – que visa estimular os idosos que não recebem a atenção devida de seus familiares e sentem tristes e esquecidos, por meio do auxílio de voluntários que visitam a instituição para passar com ele momentos de conversa e ajuda.

Outros serviços realizados pela Instituição são os de Recreação e Lazer – que promove a interação de profissionais da Instituição e profissionais da arte em atividades como: passeios, comemoração dos aniversariantes do mês, coreografia, danças e trabalhos como crochê, pintura, dentre outros.

Também possuem projetos em educação e Cultura – que promove a comemoração de datas festivas como carnaval, festa junina, visando aumentar a autoestima do idoso. Já a educação é promovida através do Programa RN Caminhando – que realiza aulas de alfabetização para os idosos três vezes por semana. Além desses há também a Assistência Espiritual – que é a celebração de orações do terço, novenas, páscoa, natal, confissões, unção de enfermos, dentre outros, tudo realizado na capela localizada dentro da Instituição. Não menos importante, há também o Programa de Controle de Pragas – que é responsável pelo controle de infecções na instituição em conformidade com o Decreto Municipal nº 8.553/08.

3.4 A importância da proteção do idoso

Com o avançar da idade, mais vulnerabilidades vão surgindo no indivíduo idoso começando pela redução das suas capacidades funcionais, isto porque ele já não possui mais a mesma condição física ou mental de quando mais jovem, tornando-o mais dependente de atenção e auxílio para poder ter uma melhor qualidade de vida. Sendo necessário para tanto uma nova adaptação em seu modo de vida e na sua forma de relacionamento com o meio.

Por este motivo que existe a necessidade de legislação específica voltada para a proteção da pessoa que alcançou essa fase da vida. No Brasil, tal proteção se dá por meio da Lei Federal nº 10.741/03 – que institui o Estatuto do Idoso. Buscando proporcionar, portanto, a esta parcela da população uma melhor qualidade de vida.

3.5 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana

O que se entende por dignidade da pessoa humana hoje, bem como sua valoração, deriva de movimentos históricos que contribuíram para a defesa dos direitos fundamentais e organização do poder estatal. Como foi o caso do iluminismo – um movimento que surgiu na França do século XVII e cujo propósito, segundo os filósofos iluministas como Jean Jacques Rousseau, era o de “iluminar as trevas em que se encontrava a sociedade” por meio do uso do pensamento racional como forma de evolução do homem que até então estava seguindo somente axiomas (verdades incontestáveis) criados pela igreja.

Tal forma de ver a realidade serviu de inspiração para algumas manifestações sociais como a Revolução Americana no ano de 1775 e a Revolução Francesa no ano de 1789 e ambas tiveram sua contribuição para o avanço do pensamento social e defesa de direitos atualmente vistos como fundamentais, como a liberdade e a igualdade. Além disto este movimento desencadeou o posterior ingressos desses direitos nas Constituições de diversos países.

Outro movimento foi o liberalismo – que era um movimento do século XVII que tinha como objetivo a liberdade política e econômica e era contrário à forte interferência do Estado na economia e vida na das pessoas.

Foi com a evolução trazida por esses acontecimentos históricos que hoje temos um Estado não mais centralizado nas mãos de uma única pessoa e uma maior preocupação com a garantia dos direitos do povo. Pois se extinguiu o Antigo Regime (Absolutismo) – período em que a sociedade era dividida em uma ordem hierárquica em que primeiro lugar vinha o clero, em segundo a nobreza, e em terceiro a burguesia e os trabalhadores da cidade e do campo.

A figura da pessoa humana derivou do idealismo de Immanuel Kant – filósofo alemão do século XVIII cuja filosofia estabelecia o homem como um ser pensante, racional que existia como um fim e não um meio a ser utilizado ou manipulado, diferente dos demais seres desprovidos de razão. Essa qualidade (racionalidade) é intrínseca a todo ser humano e é o que o destaca dos demais seres, por isso pode ser chamado de pessoa. E, portanto, pessoa humana.

Mas essa sua qualidade essencial, que o permite não ser objeto de manipulação ou substituição, provêm de um valor maior, absoluto, que é a dignidade da pessoa humana. Que, por sua vez, deve ser respeitada e protegida para evitar a transformação do homem em meio.

Com o avanço da sociedade tivemos a incorporação desse valor nas Constituições: a brasileira – determina em seu Art. 1º a dignidade da pessoa humana como fundamento da República Federativa do Brasil; já a portuguesa – determina em seu Art. 1º que a República Portuguesa é soberana e baseada na dignidade da pessoa humana, na vontade popular e empenhada na construção de uma sociedade livre, justa e solidária; um outro exemplo é a constituição espanhola – que prevê em seu Art. 10, a dignidade da pessoa como um direito fundamental. Assim sendo, tal valor passou a ser fundamental e base de toda a formação e existência social, e é obrigação do Estado zelar por sua proteção.

A dignidade da pessoa humana é, pois, qualidade intrínseca a toda ser humano, independente de suas características culturais, sociais e étnicas. Dela surge a concepção de que todo ser humano é titular de direitos que devem ser respeitados por todos sem exceção. Como bem lembra SILVA, 1998:

A dignidade da pessoa humana não é uma criação constitucional, pois ela é um desses conceitos a priori, um dado preexistente a toda experiência especulativa, tal como a própria pessoa humana.

Ignorá-la propicia considerar o ser humano como um mero objeto, sem vontades, cultura ou necessidades. Como também, fere o princípio da igualdade, por permitir a interpretação de que alguns teriam mais dignidade do que outros.

A dignidade da pessoa humana não possui um conceito bem determinado, taxativo, porém, como bem lembra PIMENTEL (s/d):

Há consenso acerca de um conteúdo mínimo, o de que a dignidade da pessoa humana decorre da autodeterminação consciente e responsável da própria vida e da pretensão ao respeito por parte das demais pessoas.

 

A dignidade humana então seria uma garantia de que o ser humano deve ter o mínimo: para sobreviver, para ser livre - respeitando sempre a medida da liberdade do próximo, e para ser tratado de forma igual. Ou seja, ser titular de direitos e deveres como qualquer outro, já que esses direitos (à vida, a liberdade e igualdade), assim como outros (tais como intimidade, imagem e informação), são previstos e assegurados no Art. 5° da nossa carta magna – que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos. Sendo, portanto, direitos e garantias fundamentais.

Ademais, o art. 1º, III da CF/88, determina que:

Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

I - a soberania;

II - a cidadania;

III - a dignidade da pessoa humana (...).

Com o reconhecimento da existência da dignidade da pessoa humana pela Constituição Federal, ao declará-la como um dos fundamentos da República Federativa do Brasil constituída em Estado Democrático de Direito, ela passa a se tornar um valor supremo da ordem jurídica. Com isso, o Estado passa a ser concebido como uma estrutura voltada ao bem estar e desenvolvimento do ser humano, deixando de ter uma visão somente patrimonialista e tornando o homem (pessoa humana) a sua prioridade.

O Estado passa a reconhecer direitos para as pessoas pelo simples fato delas serem um ser humano, como forma de garanti-los dignidade. Tornado a pessoa humana como fundamento da República democrática cujo Estado se constitui e deve proteger, conferindo um mínimo que garanta a sobrevivência de seu povo, e cujas decisões devem estar em observância ao interesse do povo.

O legislador constituinte brasileiro confere o princípio da dignidade como norma basilar de todo o sistema constitucional. E usa-o como parâmetro norteador para determinar as prerrogativas e as garantias fundamentais.

Desta forma, ao se privar a pessoa humana de sua dignidade, seja por uma ação ou uma omissão, estará sendo contrário ao próprio Estado Democrático de Direito em que se funda a Constituição brasileira.

A proteção e promoção da dignidade da pessoa humana está, pois, como um objetivo primordial no atual constitucionalismo brasileiro. Cujo cumprimento deve ser alcançado pelo Estado de forma a atender tanto ao propósito de sua formação quanto aos ideais de República e Democracia, conforme se faz presente no Art. 1º da Constituição Federal de 1988.

3.6 Conceito de Dever Social

No Brasil, para que haja o respeito a dignidade da pessoa humana, tem-se que assegurar concretamente, dentre outros, os direitos individuais e coletivos, além dos direitos sociais previstos no art. 6º juntamente com o disposto no art. 230, ambos da Constituição Federal[3]. Porque são esses direitos que também asseguram a dignidade de uma pessoa.

O Estado então deve criar condições que viabilizem tanto a garantia do respeito à pessoa por parte de todos os demais cidadãos que se submetem a sua soberania, quanto à disposição de meios que permitam que seus cidadãos tenham acesso a seus direitos. Ou seja, cabe ao Estado a obrigação de assistir para proteger o seu povo.

3.7 Conceito de Vulnerabilidade

Para explicar tal conceito recorreremos à definição trazida por FERREIRA (1999) sobre vulnerabilidade e vulnerável:

Vulnerabilidade. [De vulnerável + (i)dade, seg. padrão erudito] S.f. Qualidade ou estado de vulnerável.  

 

Vulnerável. [Do lat. vulnerabile.] Adj. 2 g. 1. Que pode ser vulnerado. 2. Diz-se do lado fraco de um assunto ou de uma questão, ou do ponto pelo qual alguém pode ser atacado ou ferido.   

Vulnerabilidade, então, é a capacidade de ser vulnerável a algo ou alguma coisa. E ser vulnerável significa ser frágil, que necessita de proteção, que está propenso a alguma lesão. Seja por falta de conhecimento técnico sobre o assunto – como no caso da vulnerabilidade do consumidor frente ao fornecedor de produto ou serviço; seja por falta de discernimento sobre sua ação ou omissão – como no caso dos deficientes mentais e crianças; ou seja por limitações decorrentes da idade avançada, como os idosos, conforme será visto adiante.

3.8 Conceito de Idoso

O conceito de idoso pode ser encontrado na definição trazida pelo Art. 1º da Lei nº 10.741/03 – que institui o Estatuto do Idoso – quando estabelece que essa lei se digna à proteção da pessoa com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, logo, conclui-se que idoso é a pessoa que tem idade igual ou superior a 60 anos e goza de todos os direitos fundamentais inerentes à dignidade da pessoa e devem ser protegidas integralmente.

Institui, também, a obrigação da família, da sociedade, da comunidade e do Poder Público de assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação de direitos como: a vida; a dignidade; a alimentação; a educação; a saúde; ao trabalho; ao respeito; a proteção da integridade física e psíquica; e a convivência comunitária e familiar; dentre outros.

A obrigação do Estado para a proteção da vida e saúde do idoso, deve ser realizada mediante a efetivação de políticas públicas que permitam um envelhecimento saudável e digno, assim como determina os Arts. 9º e 10 do Estatuto. Tal proteção também está prevista no art. 230 da Constituição Federal.

3.9 Parâmetros legais da proteção social

A proteção social se encontra escriturado em vários artigos da Constituição Federal, tais como o art. 6º, os arts. 196 e 199; o 203; o 205; e os arts. 227 e 230. Devendo ela se dar de forma a promover a dignidade humana, por se tratar de fundamento expresso no art. 1º.[4]

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Como visto, o princípio da dignidade serve de norte para todo o ordenamento jurídico por se tratar de princípio inerente ao ser humano. O avanço da sociedade permitiu que tal princípio ganhasse ainda mais importância pelo fato de que os direitos fundamentais passaram a ser previstos e defendidos em muitas Constituições, viabilizando a todos uma maior segurança de suas liberdades e melhor especificação de suas obrigações para com o Estado e vice-versa.

A relação dos direitos fundamentais com o princípio da dignidade está no fato de que como a dignidade é inerente ao ser humano, logo, os direitos fundamentais são os indispensáveis a existência do ser humano, a manutenção de sua liberdade, dignidade e vida. Assim, assegurá-los vai proporcionar a existência de uma vida mais digna.

A concretização de tais direitos, que por sua vez implicará em um tratamento digno, pode e deve ser feito pelo Estado e pela sociedade.

Em se tratando de medida social para a aplicação do princípio da dignidade, como dito, abordamos como exemplo o Instituto Juvino Barreto, e verificamos que a instituição visa garantir ao idoso maior proteção, amparo e melhor qualidade de vida.

O Instituto sobrevive de doações de voluntários e de convênios com o Estado em todas suas instâncias [Municipal, Estadual e Federal], mas enfrenta algumas dificuldades como o fato de depender de um meio de transporte cedido por um grupo voluntário para realizar os passeios com os idosos, como também o atraso no pagamento de funcionários, que seria realizado através do convênio com a prefeitura, prejudicando assim a manutenção dos serviços dele dependente [vide anexo].

As doações visam suprir algumas necessidades como roupas, produto de higiene pessoal e medicamentos para os idosos lá residentes. Até porque há casos em que o familiar, após deixar o idoso no Instituto, não vai o visitar, cabendo a Instituição suprir a carência do idoso através dos voluntários e dos projetos voltados para esse fim como os Resgate da Minha Família e Educação e Cultura.

Realmente o Instituto busca na prática cumprir com o ideal de proteção ao idoso, pois tenta estimular a divulgação da Instituição para fins de receberem doações e voluntários para proporcionar ao idoso melhor qualidade de vida. Já que muitos de seus recursos dependem de doações e iniciativas voluntárias, como o caso do transporte e de utensílios essenciais para as necessidades básicas dos idosos como: roupas, medicamentos e produtos de higiene pessoal.  

A Instituição também busca por meio dos convênios captar mais auxílio financeiro para conseguir prestar serviços que são indispensáveis para o idoso, como o médico. E prioriza atender a demanda local para poder garantir um melhor controle de capacidade e qualidade de serviço. 

Espera-se que por meio deste trabalho seja possível verificar: a importância de se garantir uma vida mais digna para o idoso e de se observar o papel importante que as Instituições de Longa Permanência para Idosos possuem para alcançar tal propósito, em especial, o Instituto Juvino Barreto. Bem como mostrar as dificuldades e a atuação do Juvino Barreto para permitir que o idoso possua uma melhor qualidade de vida.   

AGRADECIMENTOS

Agradeço à Deus, à minha família, aos meus amigos, a minha orientadora, pela contribuição que me deram no desenvolvimento desse projeto, e à Estácio pela bolsa cedida.

REFERÊNCIAS

_______. Nossa História. Juvino Barreto, s/d. Disponível em: <http://www.juvinobarreto.org.br/historia_juvino.html>. Acesso em: 02 jul. 2012.

_______. Nossos Serviços. Juvino Barreto, s/d. Disponível em: <http://www.juvinobarreto.org.br/servicos.html>. Acesso em: 02 jul. 2012.

_______. Liberalismo. Sua Pesquisa, s/d. Disponível em: <http://www.suapesquisa.com/o_que_e/liberalismo.htm>. Acesso em: 11 maio 2012.

_______. O Iluminismo. Sua Pesquisa, s/d. Disponível em: <http://www.suapesquisa.com/historia/iluminismo/>. Acesso em: 18 abr. 2012.

BOLDRINI, Rodrigo Pires da Cunha. A proteção da dignidade da pessoa humana como fundamentação constitucional do sistema penal. Jus Navigandi, Teresina, 1 jun. 2003 . Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/4171>. Acesso em: 2 jul. 2012.

BRASIL. Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão de 1789. Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, s/d. Disponível em <http://pfdc.pgr.mpf.gov.br/atuacao-e-conteudos-de-apoio/legislacao/direitos-humanos/declar_dir_homem_cidadao.pdf>. Acesso em: 02 jul. 2012.

BRASIL. Lei nº10.741 de 1º de outubro de 2003. Planalto, 2003. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm>. Acesso em: 12 jun. 2012.

COLUCCI, Maria da Glória. Vulnerabilidade na Velhice e o Estatuto do Idoso. Rubicandaras Colucci, 26 abr. 2011. Disponível em: <http://rubicandarascolucci.blogspot.com.br/2011/04/vulnerabilidade-na-velhice-e-o-estatuto.html>. Acesso em: 12 jun. 2012.

DUARTE, Taciana Nogueira de Carvalho. A Dignidade da Pessoa Humana e os Princípios Constitucionais do Processo do Contraditório e Celeridade Processual. PUC Rio, Divisão de Bibliotecas e Documentação, Rio de Janeiro, maio 2008. Disponível em: <http://www2.dbd.puc-rio.br/pergamum/tesesabertas/0613190_08_cap_02.pdf>. Acesso em: 02 jul. 2012.

ESPANHA. La Constitución española de 1978. Congreso de los Diputados, 1978. Disponível em <http://www.congreso.es/consti/constitucion/indice/titulos/articulos.jsp?ini=10&fin=55&tipo=2>. Acesso em: 10 dez. 2011.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3ed. ver. ampl. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

MATTAR, Joaquim José Marques. A dignidade da pessoa humana como fundamento do estado democrático de direito. Revista Eletrônica de Direito do Estado, jul. à set. de 2010. Disponível em: <http://www.direitodoestado.com/revista/REDE-23-JULHO-2010-JOAQUIM-MATTAR.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2012.

MENDONÇA, Adriano Lino. Cidadania. Ebah, s/d. Disponível em: <http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAF24AD/adriano-lino-mendonca-cidadania>. Acesso em: 02 jul. 2012.

NUNES, Rizzatto. O princípio constitucional da dignidade da pessoa humana: doutrina e jurisprudência. 2 ed. ver. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2009. 

PIMENTEL, José Eduardo de Souza. O princípio da dignidade da pessoa humana no processo penal. Revista Internacional de Direito e Cidadania, s/d. Disponível em: <http://www.reid.org.br/?CONT=00000172>. Acesso em 19 ago. 2012.

PORTUGAL. Constituição da República Portuguesa. Assembleia da República, 25 abr. 1976. Disponível em: <http://www.parlamento.pt/Legislacao/Paginas/ConstituicaoRepublicaPortuguesa.aspx>. Acesso em: 10 dez. 2011.

SILVA, José Afonso. A dignidade da pessoa humana como valor supremo da democracia. In: Revista de Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Renovar, nº 212, abr. / jun. 1998, págs. 89 – 94.

ANEXO

ENTREVISTA NO JUVINO BARRETO*

*Entrevista realizada em 23 de julho de 2012.

1ª) Qual seu nome?

R.: Maria Célia da Silva Costa.

2ª) Qual sua função na instituição?

R.: Assistente Social.

3ª) Trabalha há quanto tempo na Instituição?

R.: 15 (quinze) anos.

3ª) A instituição é pública ou privada?

R.: Privada, mas é filantrópica.

4ª) Quantos idosos há na instituição atualmente?

R.: 115 (cento e quinze). Com idade a partir dos 62 (sessenta e dois) anos, mas há mais com 70 (setenta) anos em diante.

5ª) Como se dá o ingresso do idoso na Instituição?

R.: Primeiro ele deve cumprir alguns requisitos como idade mínima de 60 (sessenta) anos e deve querer ingressar na Instituição de forma voluntária; essa triagem é feita no setor de assistência social. A Instituição também faz uma visita na residência do idoso para se apresentar para ele. Sempre em conformidade com o Estatuto do Idoso.

6ª) Como a instituição se mantém?

R.: Com a contribuição de 70% (setenta por cento) dos proventos dos idosos aqui residentes, que se destina à manutenção da Instituição. Com a contribuição do governo em todas as instâncias, municipal, estadual e federal. Há um convênio com a prefeitura para a ajuda no pagamento dos funcionários, que inclusive está atrasado; o Estado contribui através do Programa Cidadão Nota 10 (dez) [programa que incentiva a arrecadação fiscal, combate a sonegação de impostos e ajuda as instituições sociais sem fins lucrativos cadastradas nele, através da repartição do total valor arrecadado, após o período de 3 (três) meses, dos cupons fiscais] que ajuda com doações que são destinadas para a alimentação e produtos de limpeza; e há um convênio com o governo federal que de acordo com a quantidade e idade dos idosos na Instituição, doa um determinado valor que se destina para a alimentação. E também por meio de doações de voluntários.    

7ª) O governo sempre ajuda doando algo para a instituição ou isentando algum imposto?

R.: Sim. Com a doação através dos convênios e como a Instituição é filantrópica, há isenção de impostos.

8ª) Os serviços prestados na instituição são todos voluntários? Inclusive os médicos, os de enfermagem e os de assistência social?

R.: Não. A instituição possui funcionários, são eles os técnicos de enfermagem, o copeiro, os médicos, os fisioterapeutas, os nutricionistas, o assistente social e telemarketing [que são os que pedem doações por telefone]. Os ASGs [Assistente de Serviços Gerais] e os vigilantes são de empresas terceirizadas contratadas também pela Instituição.

9ª) Serviços como os de recreação e lazer, os de educação e o religioso, são sempre prestados aos idosos da instituição?

R.: Sim. A pessoa que presta o serviço de lazer, educação é a disposição da Instituição [é funcionária do Estado cedido para a Instituição]. E a religiosa também, até porque a Instituição é também religiosa, sendo realizado missa todos os dias.

10ª) Sempre há a realização de passeios com os idosos? Se sim, com qual frequência?

R.: Sim. Os passeios variam de um mês para outro, depende da disponibilidade dos voluntários [pessoas que se cadastram como voluntário na Instituição]. Um grupo consegue o transporte para a realização desses passeios.

11ª) A alimentação dos idosos ocorre quantas vezes por dia?

 R.: Seis vezes. Café; lanche às 9hs; almoço às 11hs; outro lanche às 14hs; jantar às 16:40hs; e ceia às 19:30 – 20:00hs.

12ª) Os projetos como o Projeto Conhecendo Nossa Cidade, o Projeto Resgate da Minha Família, o Projeto Clínica e o Projeto Adote um Vovô ou Vovó, são aplicados na Instituição?

R.: Todos existem e estão em fase de implantação na Instituição. Mas há alguns que já estão sendo aplicados como o Adote um Vovô ou Vovó.


[1] Acadêmico do 10º período do curso de Direito da Faculdade Estácio Natal – Unidade Câmara Cascudo.

[2] Advogada e Professora de Direito Civil do curso de Direito da Faculdade Estácio Natal – Unidade Câmara Cascudo e Especialista em Direito Processual Civil pela Universidade Potiguar – UNP.

[3] O art. 6º da CF estabelece uma relação de direitos sociais dentre eles a saúde, alimentação, educação, moradia, segurança e assistência aos desamparados, ou seja, trata-se de quesitos que promovem uma sadia qualidade de vida, uma vida digna. E o art. 230, CF enfatiza o dever da sociedade, família e Estado de amparar as pessoas idosas.

[4] O art. 1° da CF prioriza a dignidade da pessoa humana ao estabelecê-la como fundamento da República Federativa do Brasil. A importância da dignidade da pessoa humana se apresenta também através de outros artigos presentes na Constituição, como o art. 6º que estabelece como direitos sociais, dentre outros, a saúde, segurança e alimentação; os arts. 196 e 199 que tratam do direito de todos à saúde e da assistência a saúde; o art. 203 que determina que a assistência social será prestada a quem necessitar dela; o art. 205 que trata do direito de todos a educação; e os arts. 227 e 230 que tratam da proteção da criança, do adolescente e do idoso, atribuindo tal dever a sociedade, a família e ao Estado.


Autores


Informações sobre o texto

A importância do princípio da dignidade da pessoa humana e sua aplicação.

Este texto foi publicado diretamente pelos autors. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria