Como ambiente pode ser influente no trabalho

Egrégora. Uma palavra não muito utilizada, mas que faz toda a diferença.

Segundo a Wikipédia:

Egrégora, ou egrégoro para outros, (do grego egrêgorein, Velar, vigiar), é como se denomina a entidade criada a partir do coletivo pertencente a uma assembleia, ou seja, é um campo de força criado no Plano Astral a partir da energia emitida por um grupo de pessoas através dos seus padrões mentais e emocionais.

Ao meu ver, egrégora pode ser definido como um sentir comum coletivo, que permeia as relações e sentimentos, junto com a razão e propósito de um ser igualmente coletivo.

E dentro do universo corporativo? Qual a egrégora?

Você já se deparou com empresas que você entra e parece que nada funciona?

Ou com empresas que você não consegue compreender o porque, mas nada lhe agrada?

Podemos estar diante de uma egrégora truncada.

Obviamente não precisamos de feng shui ou um exorcista quando isto acontece. O que realmente precisamos é compreender que 3 coisas auxiliam numa egrégora boa e em simbiose:

Gestão, Tecnologia e Pessoas. Não necessariamente nesta ordem, mas sempre com a gestão e pessoas antes da tecnologia.

A gestão mantém ordem dos fluxos internos, ajusta funções, propõe maior transparência e clareza das situações.

A tecnologia auxilia a gestão a ser mais eficiente e eficaz. Faz o trabalho mecânico, repetitivo que deixar um ser humano fazer é desumano com a pessoa, pois lhe tira a capacidade de pensar.

Pessoas. A base de qualquer organização. É através delas e para elas que existe a egrégora.

E um equilíbrio destas fontes nos traz uma paz de trabalho, com clareza do que se fazer, quando fazer, de monitorar fluxos para encontrar falhas (e não falhas de pessoas) e transparência nas relações com as pessoas… Ufa!

Não é simples nem fácil ter uma egrégora…

Mas, você demonstra a sua equipe as suas verdades, valores e porquês?

Você tem clareza de tudo que acontece?

Você escuta a equipe e suas reivindicações, dizendo sim para o que é plausível e não para vôos que não pertencem ao negócio?

Enfim,

Você faz parte e batalha para uma boa egrégora?

Se não faz, não adianta reclamar das conseqüências…

#Ficaadica


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria