Disse o professor de direito que “regras são regras”.

Com vinte e poucos anos, um professor fez um intercâmbio em Roma, no Vaticano. Disse-me que instituíram por conta própria a regra de só tomar banho frio ou gelado (no inverno europeu). Num dos banhos, perdeu parte da pele dos dedos das mãos e da testa. O frio intenso é como o fogo. Na época não falei nada, porque retrucaria meu argumento. Disse que “regras são regras”. Passados dois anos, falávamos de regras jurídicas e chegamos bem perto de um consenso. Concordamos que regra nenhuma pode violar o bom senso, a dignidade, a capacidade social e a Justiça Social. Pois bem, naquele dia, agradeci a intuição e a percepção de não ter-lhe retrucado sobre os banhos invernais. Mesmo sem ter total clareza, o professor corrigira o erro histórico e conceitual de sua consciência. Tive certeza de que o tempo amadureceu o seu pensamento moral, assim como minha intuição de nada falar-lhe revelou meu bom senso momentâneo.

Bom senso é algo que todo mundo sabe o que é, mas que é infinitamente difícil de explicar. Porém, pode ser a transformação do senso comum em consciência amparada pela prudência, diante dos fatos mais importantes. A dignidade humana vem sendo gestada desde o Iluminismo clássico e a Revolução Francesa, com o ideário da fraternidade. A capacidade de interação social do direito é bem definida pela Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro/2010, em seu art. 5o: “Na aplicação da lei, o juiz atenderá aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum”. Desde João XXIII, o próprio Direito Canônico já se aclimatara à dignidade e à Justiça Social, com a Encíclica Pacem in Terris (1963) – precedida pela Encíclica Rerum Novarum, exigindo a humanização do mundo do trabalho já em 1891.

Das conversas com este professor de direito, tirei como lição o fato de que o Estado de Direito, sem nenhuma adjetivação, assim como a democracia (por exemplo, democracia social), sofre de um positivismo jurídico arcaico e pernicioso. Limitado a Hans Kelsen, sob a ideologia de um direito livre de pressuposições extrajurídicas, a partir do livro Teoria pura do direito, esta (pré-) suposição alimentou o Estado de direito nazista e, depois, o fascismo europeu do pós-Segunda Guerra Mundial. O nazismo foi jurídico, ainda que sob a Lei dos Plenos Poderes.

A Declaração Universal de Direitos Humanos, de 1948, viria restaurar o Iluminismo Jurídico que despontara com a filosofia de Imannuel Kant. Sob esse esteio, desde os anos 1950, com as inovações democráticas de Konrad Hesse e Hermann Heller, na Alemanha pós-nazismo, nenhum direito viria dissociado dos valores morais mais nobres à Humanidade. Como Estado Social e Democrático de Direito, na Espanha pós-franquista, ou Estado de Direito Democrático, em Portugal na luta contra o salazarismo, já na década de 1970, avançou incontinente o Princípio Civilizatório que é a essência da luta pelo direito (desde Von Ihering, já no século XIX).

Também nos anos de 1970/1980, o jurista espanhol Elías Díaz (em Estado de Derecho y sociedad democrática) predizia que “Socialismo e democracia coincidem em nosso tempo e institucionalizam-se conjuntamente com a proposta do chamado Estado democrático de Direito”. Acompanhado de Pablo Lucas Verdú, sob a certeza de que o fórceps da história é a luta pelo reconhecimento (no livro A luta pelo Estado de Direito). O debate seguiu maduro e lógico-conceitual, com Hart, e seu famoso livro O conceito de direito. Para Hart, jurista estadunidense, o direito não é meramente factual (pragmático, como resposta pronta à demanda judicial), posto que são admitidos valores sociais/morais como critérios jurídicos, tal qual a finalidade do direito não consistiria unicamente no controle social por meio do uso da coerção. Recusava o pragmatismo jurídico de seu conterrâneo Ronald Dworkin.

Sem este humanismo, vemos o Estado de Exceção se irradiando dos EUA para o mundo ocidental, o despotismo esclarecido no Oriente Médio, o Estado de Sítio como último recurso da Razão de Estado na Venezuela, a barbárie pós-colonialista em grande parte da África, o Estado Penal e a criminalização das relações sociais, no Brasil e em outras partes do globo. Sem adjetivos socialistas, democráticos, libertários, impera o Estado de Direito patrimonialista, racista, sectário, chauvinista, anti-secular, messiânico, sionista. O Estado de Direito do século XIX, sob a bandeira do Império da Lei e da defesa dos direitos individuais, é mais do que passado, é simplesmente obsoleto, em desuso. Neste critério, a Teoria do Estado de Georg Jellinek também é limítrofe e ultrapassada. O Estado não é mais um sinônimo limitado à soberania. “A Justiça Política” impulsionada pelo jurista alemão Otfried Höffe assegura que se forma um “eidos”, um ideal de perfeição – a obrigação de uma legitimação ética do Estado.

Quem desconhece totalmente a influência do socialismo e da liberdade no direito apenas revela a ignorância jurídica que se abala pelo senso comum (o oposto do bom senso). Sem os princípios socialistas, a dignidade não é referência moral, mas tão-somente instrumentalização do capital e da exploração humana. O bom senso recomenda estudar o socialismo antes de decretar sua morte.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria