Apontamentos sobre a relação entre o Direito, Sociologia e Filosofia

Ciência do Direito: Dogmática, Sociologia e Filosofia.

Quando se fala em Ciência do Direito, muitos são os questionamentos que vêm à cabeça do estudioso do sistema jurídico. Aliás, em primeiro lugar cabe perguntar o que seria Ciência do Direito? Ou ainda, seria o Direito uma ciência, como é a psicologia, a história ou a sociologia, para ficarmos no campo das ciências humanas (ou sociais)? É primordial, em nossa análise, a conceitução do que é ciência, objeto de acaloradas discussões nas obras de filosofia da ciência.  

Abre-se, então, um vasto espectro de definições dependendo do tempo e a vertente de cada autor, que vão da objetividade sucinta à metafísica prolixa. Rubens Alves, em sua obra "Filosofia da Ciência: Introdução ao jogo e suas regras", cita o conceito do Nobel de Economia, o sueco Gunnar Myrdal, que de maneira tanto simplista, mas interessante, diz que "ciência nada mais é do que o senso comum refinado e disciplinado (p. 09, 2007).  

No entanto, parece-nos bastante útil neste trabalho, adotarmos a ampla conceitução de Ander-Egg, que que a Ciência "é um conjunto de conhecimentos racionais, certos ou prováveis, obtidos metodicamente sistematizados e verificáveis, que fazem  referência a objetos de uma mesma natureza”. (Ander-Egg, 1978). 

Desconsiderando as celeumas específicas e conceituais, é cediço afirmar que mais fácil seria nossa tarefa se fosse o Direito pertencente ao campo da matemática, física e correlatas. Tal problemática é comum a quase todas as ciências sociais, em vista de seu dinâmico, movediço objeto: o ser humano e suas relações.  Cabe agora tentarmos situar a ciência do Direito partindo dos requisitos do conceito de Ander-Egg. Os antigos mestres romanos do Direito, conhecidos como juriconsultos, tratavam seu conhecimento como jurisprudência. O compêndio jurídico romano Corpus Iuris Civilis assim a definia: divinarum et humanarum rerum notitia, justi, justi atque injusti scientia (conhecimento das coisas divinas e humanas, a ciência do justo e do injusto). Somente na escola alemã, já nos anos 1800, é que surgiu o termo Ciência do Direito.  

Ora, é evidente que qualquer estudo que se pretenda ciência deve ter um objeto definido, e além disso, ser sistematizado, e possuir um método, que permita verificar a validade de seus postulado, e conferir maior grau de certeza aos enunciados. A problemática disso é fazer da ciência sem cair no estrito formalismo ou positivismo, que acaba por engessar e impedir a sintonia entre teoria e prática, entre forma e objeto. Caso contrário, nao teríamos como tratar das práticas com cheques pré-datados ou as inúmeras uniões extraconjugais, sem mencionar outros fatos alheios às normas positivadas e que têm sido objeto de várias ações judiciais, transformando a própria jurisprudência em fonte primeira quando da regulamentação de tais fatos jurígenos. 

O Direito, dessa forma, poderia assumir diversas funções. A primeira delas seria a interpretativa, hermenêutica. Conforme Vicente Ráo (1999):  

A hermenêutica tem como objetivo investigar e coordenar por modo sistemático os princípios científicos e leis decorrentes, que disciplinam a apuração do conteúdo, no sentido e nos fins das normas jurídicas e a restauração do conceito orgânico do direito, para o efeito de sua aplicação. 

Nesse âmbito, trataria de interpretar não só os textos legais, mas também a relação deles com os fatos sociais e a correta aplicação das normas aos últimos, dando-lhes a devida amplitude, positivadas ou não. Assim, teria a hermenêutica papel de destaque nesse enfoque ao conferir à ciência as ferramentas necessárias ao trabalho interpretativo, à priorístico, que possibilitaria eficiente aplicação legal com fins à justiça.  

Além disso, é evidente o papel prescritivo do Direito, enquanto meio de controle e pacificação social por meio de normas imperativas. O famoso autor Técio Sampaio Ferraz Junior traz à baila o problema dessa função exercida pela ciência em tela. Senão, vejamos:  

Para muitos teóricos da ciência, os enunciados científicos são descritivos e nunca normativos. As teorias jurídicas da Ciência do Direito, como usualmente esta é praticada, não escondem enunciados de natureza prescritiva. Ao expor diversas teorias referentes a um problema jurídico qualquer, o jurista não se limita a levantar possibilidades e, em certas circunstâncias, a suspender o juízo, mas é forçado a realizar, por vezes, uma verdadeira opção decisória (FERRAZ JUNIOR, 1980). 

Não podemos fazer confusão entre dois conceitos distintos. Faz-se necessário distinguir direito enquanto objeto da Ciência do Direito. Eros Grau, em seu excelente "O Direito Posto e o direito pressuposto", a esse respeito diz que tal distinção é necessária, caso contrário o estudioso partiria de premissas errôneas: "Impõe-se distinguirmos. assim. a ciência do direito e seu objeto. o direito. A primeira descreve - indicando como. por quê e quando - este último (p.36)". 

CONCLUSÃO

Não haveria então, uma Ciência do Direito, mas várias ciências que se ocupam em estudar, sob diversas óticas, o mesmo objeto: o direito. Entre elas, encontramos a Dogmática, a Sociologia e a Filosofia do Direito. Do ponto de vista dogmático, a ciência jurídica, seria "um conjunto de normas, ou seja, um conjunto de pensamentos normativos que tentam regular determinada realidade social (OLIVEIRA, p.12)". A dogmática, dessa forma, se distanciaria da Filosofia e da Sociologia do Direito visto que ela se preocuparia com um direito, de forma específica, enquanto as últimas se dedicariam ao direito de forma geral. A esse respeito, GRAU melhor esclarece: "A Dogmática tem por objeto o estudo  de problemas jurídicos, a serem resolvidos mediante a aplicação, sobre as situações a que, respeitam, das normas desse direito [específico] (2008, p.38).

REFERÊNCIAS

OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Metodologia científica aplicada ao Direito. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002. 

FERRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio. - A ciência do direito 1 Tércio Sampaio Ferraz Júnior – 2ª.ed. - São Paulo: Atlas, 198O. 

ALVES, Rubens. Filosofia da Ciência: Introdução ao jogo e suas regras. Ed. Loyola. São Paulo, 2007. 

ANDER-EGG, E.. Introducción A las técnicas de investigación social. Humanitas,  

1978. 355 p 

RÁO,Vicente. O direito e a vida dos Direitos. 5. ed. Anotada e atualizada por Sandoval, Ovídio Rocha Barros – São Paulo: RT, 1999. 

GRAU, Roberto Eros. O direito posto e o direito pressuposto. São Paulo: Malheiros, 2008, p. 35-38. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria